Estação da Luz: um brilho do Rock Setentista

Resenha - Estação da Luz - Estação da Luz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Júlio Verdi, Fonte: Ready To Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Sonoridade é um elemento que os músicos buscam, mesmo quando elas não se adéquam ao padrão comercial de cada era. Identidade é algo que se adquire quando o artista trabalha sua música com sinceridade e crença no seu trabalho. Falando de rock, uma das bandas que trilham por sua identidade e faz um trabalho de louvável valor artístico é a Estação da Luz, banda de São José do Rio Preto/SP.
5000 acessosZakk Wylde: "o AA é uma viadagem, uma frescura!"5000 acessosElectra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Quem ouve o recém-lançado trabalho do grupo, o CD autointitulado, vai viajar numa música atemporal, algo que lembre o passado, mas tem o sabor prazeroso do presente. Melodias setentistas, instrumentação recheada de teclados e guitarras com o cheiro dos 70, uma aura psicodélica do rock ingênuo e complexo da virada dos 60, tudo isso com letras em português, muito bem encaixadas nas estruturas da melodia.

Raramente vemos bandas no Brasil fazendo esse tipo de música. E a Estação vem de Rio Preto(SP) mostrar que tem um potencial musical forte e criativo, emoldurado pela psicodelia do rock setentista. Com sete anos de carreira e muitos shows pelo Brasil, a banda chega num patamar da carreira cada vez mais aprofundada na sua proposta artística. E lança agora seu primeiro full length, já que havia lançado em EP de covers anos atrás, com objetivo de divulgar seu trabalho.

"A Estação da Luz", o CD, é um trabalho rico em muitos detalhes. Sua música é marcada pela voz suave de Renata Ortunho, que desliza sobre uma base sonora composta de guitarra (Cristhiano Carvalho) e teclado (Alberto Sabella) com muita piscodelia encorpada e a marcação rítmica de baixo (Vagner Siqueira) e bateria (Junior Muelas) que transpiram um "q" de prog. As músicas no geral têm refrães fortes e com muito clímax dos elementos em conjunto e com muito capricho nos arranjos.

A primeira faixa, "Desconforto" tem um fraseado de guitarra que brinca com o jazz-fusion e tem uma ótima variação nos andamentos. "O Fim" vem marcada pela guitarra que abre mordendo de cara, a cadência vocal flui de maneira crescente, enquanto o refrão mostra as vísceras conjuntas de guitarra, bateria e backing vocals. É candidata a hit do disco, e seu desfeche é bem sacado com vocais backings e principal se entrelaçando.

"Siga o Sol" é faixa que mais lembra Mutantes, com muitos efeitos de teclado e a voz de Renata indo a tons bem altos. "Desespero" é uma das melhores do disco, com uma bela poesia da letra e com uma guitarra bem encorpada. "Esperto ao Contrário" tem uma cadência bem funkeada, os vocais principais se revezam entre vozes masculinas e a de Renata, sendo que faixa tem um cheiro de Secos e Molhados.

"Tempo Estranho" começa com uma suíte entre teclado e uma pegada de guitarra, servindo de fundo para uma letra que, de forma inteligente e sem ser piegas, homenageia e cita nomes das bandas nacionais dos anos 70, Som Nosso de Cada Dia, O Terço, Mutantes, Patrulha do Espaço, Bixo da Seda, Veludo Elétrico, Joelho de Porco, Moto Perpétuo, Recordando o Vale das Maçãs, A Bolha, Terreno Baldio, Casa das Máquinas. Todas elas servindo como parte dos versos, num desafio muito bem desenvolvido pela banda. No final vem aquilo que parece ser a marca registrada da Estação: um desfecho com jogo de vozes e participação acentuada dos teclados, numa viagem sonora e contagiante, como faziam nomes como Uriah Heep e Deep Purple em alguns de seus temas.

A próxima faixa, "Reta Tangente" tem uma letra com uma mensagem bem positiva, e vem com uma levada bem melódica. Outra que remete a Secos e Molhados, com uma boa intensidade no refrão e solos de guitarra bem sacados. "Canção para um Amigo" é a faixa mais rica do disco, numa embriagante harmonia, com os efeitos fantasmagóricos de teclado (que Ken Hensley muito se utilizava). Começa suave e ganha força na distorção da guitarra e na pegada da bateria. É uma música bem densa e rica nos arranjos e tem uma atuação bem marcante e evidenciada do baixo.

"Par Perfeito" fecha o disco na condição de bônus, pois é uma antiga canção da banda, que resolveu manter a gravação original. A incursão de teclados a lá Beatles abre a música, que apresenta guitarras com um bom peso e uma agressividade relativa dos vocais masculinos. Sua pegada rápida lembra em alguma coisa o trabalho do Made in Brazil. É com certeza um clássico da banda, que nunca poderá faltar nos shows.

São oito faixas, mais o bônus, num trabalho que não se torna de longa duração. Outra característica das bandas setentistas, que faziam o suficiente para ser ao mesmo tempo, curto, direto e brilhante. A maioria das faixas é creditada ao tecladista Alberto Sabella, sendo que algumas têm a assinatura de Junior Muelas e Renata.

A proposta da banda não é "voltar no tempo", mas revisitar a essência e a arte daquele rock psicodélico produzido nos 70. E é essa essência que o Estação nos trouxe de volta, de forma simplesmente brilhante.

Contatos:
http://www.aestacaodaluz.com.br/

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Estação da Luz"

Zakk WyldeZakk Wylde
"Alcoólicos Anônimos é uma viadagem, uma frescura!"

Electra MustaineElectra Mustaine
A linda filha do Sr. Dave Mustaine

PosturaPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

5000 acessosKurt Cobain: filha presta tocante homenagem ao pai, que faria 50 anos hoje5000 acessosGilby Clarke: Axl me disse "aproveite seu último show"5000 acessosWitchcrafT: vocalista posta fotos sensuais no Facebook4694 acessosKiss: Ace Frehley fala sobre "Psycho Circus"5000 acessosMetallica: Hetfield se sentiu envergonhado por falha durante performance com Lady Gaga5000 acessosDoentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos

Sobre Júlio Verdi

Júlio Verdi, 45 anos, consome rock desde 1981. Já manteve coluna de rock em jornal até 1996, com diversas entrevistas e resenhas. Mantém blogs sobre rock (Ready to Rock e Rock Opinion) e colabora com alguns sites. Em 2013 lançou o livro ¨A HISTÓRIA DO ROCK DE RIO PRETO¨, capa dura, 856 páginas, trazendo 50 de história do estilo na cidade de São José do Rio Preto/SP, com centenas de fotos, mais de 250 bandas, estúdios, bares, lojas, festivais e muitos outros eventos. Curte rock de todas as tendências, em especial heavy metal e thrash metal.

Mais matérias de Júlio Verdi no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online