Matérias Mais Lidas

Iron Maiden: vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%Iron Maiden
Vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%

Rock in Rio 2021: produção aposta em 50% da população vacinada até festival rolarRock in Rio 2021
Produção aposta em 50% da população vacinada até festival rolar

SOAD: Serj Tankian critica Trump e diz que nunca viu um presidente tão filho da p***SOAD
Serj Tankian critica Trump e diz que nunca viu um presidente tão filho da p***

Dave Grohl: ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojentoDave Grohl
Ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojento

Kiss: análise vocal de Detroit Rock City explica grande alcance de Paul StanleyKiss
Análise vocal de "Detroit Rock City" explica grande alcance de Paul Stanley

Titãs: o clipe censurado de Pelados em Santos, com topless de Bárbara PazTitãs
O clipe censurado de "Pelados em Santos", com topless de Bárbara Paz

Pantera: e se Vulgar Display Of Power fosse gravado pelo Metallica?Pantera
E se "Vulgar Display Of Power" fosse gravado pelo Metallica?

Iced Earth: promotores pedem que Jon Schaffer não seja solto sob fiançaIced Earth
Promotores pedem que Jon Schaffer não seja solto sob fiança

Eddie Van Halen: por que ele foi obrigado a buscar por inovações na guitarraEddie Van Halen
Por que ele foi "obrigado" a buscar por inovações na guitarra

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

New Radicals: a pedido de Biden, reunidos e tocando seu maior hit na posse; vejaNew Radicals
A pedido de Biden, reunidos e tocando seu maior hit na posse; veja

Nirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de CobainNirvana
Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain

Joe Biden: evento de posse terá Foo Fighters, Jon Bon Jovi, Springsteen e maisJoe Biden
Evento de posse terá Foo Fighters, Jon Bon Jovi, Springsteen e mais

Pearl Jam: banda cover intimada a mudar nome agora se chama Legal JamPearl Jam
Banda cover intimada a mudar nome agora se chama Legal Jam

Clássicos: papagaio acompanha o dono cantarolando Guns, Led e U2Clássicos
Papagaio acompanha o dono cantarolando Guns, Led e U2


Matérias Recomendadas

Cachorros: As raças que melhor combinam com cada gêneroCachorros
As raças que melhor combinam com cada gênero

Tirando a poeira do tímpano: 20 novas bandas de rock pra curtirTirando a poeira do tímpano
20 novas bandas de rock pra curtir

No alto do castelo há uma linda princesa...
No alto do castelo há uma linda princesa...

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba

As regras do Power Metal - Parte I
As regras do Power Metal - Parte I

Malvada
Stamp

Rush: Ainda o mesmo de sempre, mas não com tanta força

Resenha - Clockwork Angels - Rush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Breno Rubim, Tradução
Enviar Correções  


Passados cinco anos desde o lançamento de "Snakes And Arrows", a espera por um novo álbum do trio canadense estava deixando os fãs malucos. E eis que agora somos presenteados com "Clockwork Angels", álbum que, apesar de superar seus predecessores, ainda não satisfaz integralmente as expectativas dos órfãos dos tempos áureos.

Como fã inveterado da banda, coloquei o álbum no play com grandes espectativas. Tinha esperanças do novo trabalho soar melhor que o "Snakes And Arrows", álbum que, na minha opinião, pecou pelo uso excessivo de cordas acústicas (algo que até mesmo Alex Lifeson reconheceu), uso excessivo de mais de uma camada vocal (o que em minha opinião enfraqueceu o vocal de Geddy Lee) e falta de peso e velocidade em várias das composições.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Desde já, algumas de minhas expectativas foram satisfeitas. Por outro lado, algumas frustrações permanecem. Vamos primeiro falar dos prós, e depois dos contras.

Prós: o álbum é mais enxuto do que os predecessores "Vapor Trails" e "Snakes And Arrows", no sentido de que os vocais estão mais limpos, sem muitas camadas (normalmente em uma camada só), o que sem dúvida torna mais marcante o vocal de Geddy Lee, como sempre foi até os anos 90; e o instrumental mais coeso, com bastante ênfase à guitarra de Alex Lifeson, recheada de riffs interessantes (como em "The Anarchist" e "Carnies"). Por sinal, algumas músicas mais "pesadas" através desses riffs me lembraram os álbuns "Counterparts" (1993) e "Test For Echo" (1996). Por ser fanático pelo "Counterparts", isso certamente me deixou satisfeito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enumeremos, agora, os pontos que considerei negativos: a banda continua sem aquela ousadia que marcava sempre seus álbuns até o "Counterparts". Apesar de observarmos mais peso, as canções continuam não tendo tanto poder e velocidade quanto as de um "Power Windows", um "Presto" ou um "Counterparts". A primeira faixa desse novo disco, "Caravan", embora interesante e com um instrumental complexo, não empolga tanto quanto "The Big Money" ou "Animate", por exemplo. E em se tratando de uma banda de hard rock, abrir um álbum com uma música veloz e intensa é essencial.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro ponto negativo do álbum: Neil Peart. Pra quem era acostumado a fazer viradas sensacionais e fazer o ouvinte sentir seu virtuosismo em todos os momentos, neste álbum o baterista se encontra extremamente apagado. Se limita a acompanhar as passagens, sem se expor muito, salvo raros momentos de mostra de habilidades. Não me entendam mal: as habilidades estão sempre lá, a cada batida. Mas não se fizeram tão audíveis quanto sempre foram outrora.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em suma, trata-se de um álbum que procura continuar com a proposta do Rush de se modernizar (algo que eles vêm tentando fazer desde seu retorno no início dos anos 2000). Porém, infelizmente, essa modernização tem dsido implementada a um alto preço: o quase total abandono de suas raízes progressivas. O que se escuta hoje, do trio, é um som bem direto, distante daquelas canções longas, com passagens instrumentais truncadas e virtuosismo constante. Isso, a meu ver, torna a música atual da banda mais pobre do que antes, não muito distante do que outras bandas de hard rock fazem hoje.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O caro leitor poderia dizer: "mas nos anos 80 e 90 eles não fizeram nada de progressivo!" Concordo em parte. Nos anos 80 e 90 não houve nenhuma canção com mais de 8 minutos, com grandes passagens instrumentais. Mas a "progressividade" sempre esteve presente em outros elementos: a complexidade instrumental, as quebras de tempo, os andamentos incomuns... Hoje, nem isso a banda faz de forma preponderante. Aqui e acolá se vêem passagens complexas (como na parte do meio de "Caravan"), mas muito pouco ante toda aquela riqueza musical que eles sempre tiveram.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não sou de modo algum contra a proposta de "modernização hard rock" da banda. Toda banda precisa se modernizar para atingir novos públicos, adequar seu trabalho aos novos tempos e satisfazer seus próprios membros. Porém, por que não balancear canções diretas com outras complexas (progressivas)? Bandas como o Dream Theater, por exemplo, sempre fizeram isso, e muito bem.

Por tudo o que foi dito (e sei que choverão comentários detonando o que eu escrevo aqui), digo apenas que sou um fã incondicional da banda. Continuarei sendo fã, independentemente do que eles lançarem (afinal, eles já possuem um crédito pra toda a vida em minha preferência). Porém, ao contrário de muitas pessoas que elogiam o novo álbum movidas pela empolgação inicial, eu prefiro dizer para mim mesmo: "Rush é foda, o novo cd é muito bom, mas calma, ainda há muitas coisas pra melhorar", e ter um maior senso crítico, apontando os pontos bons e os ruins.

Em minha humilde opinião, o último álbum espetacular do trio foi o "Counterparts" (1993): ali tivemos um hard rock cru, pesado, coeso e empolgante. "Clockwork Angels" goza de alguns desses atributos em determinados momentos, mas, infelizmente, não possui aquela mesma fibra. Falta mais poder. Falta aquela complexidade que sempre foi tão típica do Rush.


Outras resenhas de Clockwork Angels - Rush

Rush: algo belíssimo e de extremo valor lírico e literário

Rush: em seu porto seguro que é o Hard RockRush
Em seu porto seguro que é o Hard Rock

Rush: "Clockwork Angels" é sobretudo um álbum "rockeiro"

Rush: Um trabalho que lembra os grandes álbuns da banda

Rush: Um daqueles discos que não há como deixar passarRush
Um daqueles discos que não há como deixar passar