Rush: algo belíssimo e de extremo valor lírico e literário

Resenha - Clockwork Angels - Rush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Willian Blackwell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O ano é 1974. O local, a emissora WMMS-FM em Cleveland nos Estados Unidos.
241 acessosAvery Molek: medley de Rush na bateria aos 10 anos de idade5000 acessosAxl Rose: sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley

Em um dia como outro qualquer, Donna Harper, uma DJ com grande interesse em bandas novas, recebe de um amigo o debut de um certo trio canadense de Rock chamado RUSH. À princípio, o material não lhe soou tão interessante. Porém, decidindo escutar mais, acabou por descobrir àquela que seria o passaporte de entrada daqueles jovens de Toronto nas terras do Tio Sam: a faixa Working Man. Em pouco tempo, um buzz incrível cresceu em torno da banda - "quem são estes caras fazendo esse som 'zeppeliano furioso'?", todos se perguntavam; e uma visita aos USA se tornou questão de tempo.

Nesse ínterim, o até então baterista do grupo, John Rustley, por motivos pessoais, decidiu deixar o RUSH, fazendo com que seus dois agora ex-companheiros, Geddy Lee (vocal/baixo/teclados) e Alex Lifeson (guitarra), tivessem que correr para achar um novo integrante às vésperas de uma eminente tour Norte Americana.

Trinta e oito anos, muitos shows e dezoito álbuns de inéditas depois, eu diria que a concepção lírica de Clockwork Angels não pode ser resumida apenas aos cinco anos que separam este de seu antecessor, Snakes and Arrows. O álbum 'nasceu' no dia 29 de Julho de 1974, data que, além de aniversário de Geddy, marca a escolha do jovem Neil Peart como o novo detentor das baquetas do RUSH.

"Chances são aqueles momentos que acontecem apenas uma vez, mas são suficientes" - Neil Peart

Na biografia oficial de Clockwork Angels (publicada no site da Roadrunner Records), Peart conta que teve com seus companheiros uma "conversa ambiciosa" sobre criar uma música "que fosse mais prolongada", um conjunto de canções que contasse uma história ficcional sobre "um dos muitos mundos possíveis".

Leitor assíduo e um grande estudante de tudo, o baterista buscou influências em "uma vida inteira de leituras destiladas de dezenas de cenas, e algumas centenas de palavras", para elaborar o enredo deste novo trabalho. Amalgamou em sua "imaginação febril" elementos de steampunk e alquimia, para nos contar a jornada de um jovem em busca dos seus sonhos, através de um universo extravagante de ordem e caos.

"A história apresenta cidades perdidas, piratas, anarquistas, um desfile exótico e um rígido Relojoeiro, que impõe precisão sobre cada aspecto de sua vida cotidiana" - site oficial da banda

Depois de muita conversa a respeito da concepção do álbum - o primeiro integralmente conceitual na carreira do RUSH -, a banda decidiu que as idéias apresentadas não seriam utilizadas de maneira literal, mas sim, 'pinceladas' ao longo das composições. Com lacunas propositais, a obra ganhou um sentido subjetivo tanto em sua forma quanto significado, com os detalhes da narrativa não exercendo uma possível 'influência negativa' sobre o peso individual de cada canção.

"[…]todos nossos discos são temáticos e espontaneamente interligados; às vezes de uma forma mais ampla e às vezes de uma forma mais estreita"
- Alex Lifeson

"Não podendo deixar de pensar grande", Peart foi além de simplesmente contar uma história, criando de forma metafórica algo substancioso por detrás da cortina ficcional contida no registro. Fazendo uso dos valores simbólicos da alquimia, retratou ao longo das canções, para cada qual designou um símbolo alquímico diferente, as reais intenções dessa antiga 'ciência mística'. Conforme embarcamos na "intrépida jornada" narrada através dos capítulos de Clockwork Angels, nos deparamos com um conjunto de processos transformadores que invariavelmente nos auxiliam ao longo de toda uma vida na busca por sabedoria e compreensão - sobre o que somos e o que nos cerca -, transmutando nossa mente 'comum' em algo 'superior'.

"Mais tarde eu tentaria unir os restos de forma que ainda expressassem o que eu queria no começo – e essa parte não foi fácil. Eu tinha uma história complicada para contar, assim como personagens e idéias, entre outras coisas" - Neil Peart

O resultado final é algo belíssimo e de extremo valor lírico e literário - fato que rendeu uma novelização do material pelas mãos do escritor, e amigo pessoal de Peart, Kevin J. Anderson. Neste ponto destaca-se a genialidade do compositor, que, além de ser um dos bateristas vivos mais influentes do cenário musical, é, sem sombra de dúvidas, um dos maiores letristas do Rock.

"Nos últimos anos eu poderia ter passado vários dias a desenvolver e aperfeiçoar um trecho de bateria, mas dessa vez foi apenas uma questão de horas, "do zero a herói". Gosto de imaginar um ouvinte podendo sentir essa diferença – compartilhando a tensão e realização de um cara indo pra longe dali, tocando alguma coisa que ele nunca tentou antes, e apenas fazendo se tornar 'uma' - Neil Peart

E musicalmente? O que dizer que já não tenha sido dito, a respeito de uma banda que, de uma forma ou de outra, já usou quase tudo em sua sonoridade através dos tempos?

O trio está a todo vapor, numa espécie de apogeu artísstico/criativo, chegando a impressionar tamanho o vigor, segurança e liberdade de improvisação impressas no registro - no que pode ser considerado o melhor álbum da segunda fase dos caras, desde o retorno em 2002 com Vapor Trails. Talvez seja por isso que o selo RUSH de qualidade carrega um alto nível de grandeza e expectativa. E, como não poderia ser diferente, eles não decepcionam nesse quesito.

Da sutileza de momentos acústicos ou orquestrações, à crueza da guitarra elétrica e do baixo sempre presente, com um acento aqui, outro acolá de momentos complexos (marca registrada da banda), tudo aqui parece estar no seu devido lugar. Cristalino, genial. Funcionando precisamente, como as engrenagens de um relógio. Porém, soando fluído. Natural. Nunca mecanicamente rígido.

"Hoje sentimos uma confiança bem descontraída em nossa música e composições e também em nossa forma de tocar. Nós absolutamente nos respeitamos e confiamos uns nos outros, mais do que nunca" - Alex Lifeson

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Não há um indivíduo mais importante que o conjunto. Aprendemos ao longo de quarenta anos que essa é a chave do nosso sucesso e nossa integridade"
- Alex Lifeson

Clockwork Angels é uma obra de entrelinhas fortes, para ser lida atentamente. Cada audição nos transporta à seguinte, que se mostra melhor e mais impactante que a anterior na medida em que vamos acessando as várias camadas presentes na temática.

O RUSH encontra-se na "plenitude de sua vida". Com um jardim florido de muitas conquistas e um poderoso legado construído.

Só posso desejar que esses malucos, magos, cientistas, alquimistas, aventureiros …artistas, continuem "desejando fazer tudo isso novamente". Muitas e muitas vezes mais.

- - -

Este post é um oferecimento de:

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Clockwork Angels - Rush

2852 acessosRush: em seu porto seguro que é o Hard Rock2492 acessosRush: "Clockwork Angels" é sobretudo um álbum "rockeiro"2876 acessosRush: Um trabalho que lembra os grandes álbuns da banda5000 acessosRush: Ainda o mesmo de sempre, mas não com tanta força5000 acessosRush: Um daqueles discos que não há como deixar passar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 01 de novembro de 2012

RushRush
Capivaras de zoológico em Toronto ganham nome do trio

241 acessosAvery Molek: medley de Rush na bateria aos 10 anos de idade436 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rush"

TwitterTwitter
Contas que todo fã de rock deveria seguir

RockRock
Seis bandas que se inspiraram na cultura Pop

RushRush
Alex Lifeson e a alma injustiçada da banda

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Rush"

Axl RoseAxl Rose
Sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley

Metal ProgressivoMetal Progressivo
Os melhores álbuns do estilo segundo o About.com

ListaLista
As dez melhores músicas para se ouvir na estrada

5000 acessosSeparadas no nascimento: Pitty e Amy Winehouse5000 acessosEmo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada5000 acessosMax Cavalera: Explicando à Billboard o que houve com seus dentes2185 acessosMetalblade: os 30 melhores lançamentos dos 30 primeiros anos5000 acessosVan Halen: o típico vocabulário da era David Lee Roth5000 acessosStones: alguém gritou "fora Dilma", alguém tomou as dores e começou a discussão

Sobre Willian Blackwell

Leitor/colecionador de HQs e livros. Apreciador de cinema e boa música. Autodidata. Um espírito livre. Adepto de um perspectivismo experimentalista com tendência a gostos bizarros e atividades grosseiras. Boa gente.

Mais matérias de Willian Blackwell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online