Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemGene Simmons compartilha tweet com meme da ex-presidente Dilma Rousseff

imagemÍcone do metal é alvo de críticas por tocar com músico condenado por assassinato

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"


Soilwork: Veloz e implacável como a velha escolha ensina

Resenha - Chainheart Machine - Soilwork

Por Ben Ami Scopinho
Em 11/06/12

Nota: 8

Continuando a resgatar importantes obras do Heavy Metal mundial, a Shinigami Records está agora disponibilizando "The Chainheart Machine", lançado originalmente pelo Soilwork em 2000 e até então inédito no Brasil. Embora este registro tenha surgido após o At The Gates, In Flames e Dark Tranquillity lançarem as bases para o chamado Death Metal Melódico sueco, é indiscutível que este álbum tenha sido de fundamental importância para a ascensão do Soilwork.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Se ao longo dos últimos anos o Soilwork dividiu as opiniões por ir modificando sua musicalidade de forma a torná-la mais acessível, o que temos em seus primeiros álbuns é uma música que permanece muito próxima de ser realmente extrema. Após "Steelbath Suicide" (98) ter atraído algumas atenções ao nome do grupo, "The Chainheart Machine" continuava a exibir uma agressividade monolítica, mas agora as arestas estavam aparadas e a banda transitava pelo Death e Thrash Metal, sempre com muitas melodias, de forma muito mais natural.

Marcando a estreia do excelente baterista Henry Ranta e do guitarrista Ola Frening, o Soilwork mostrava como havia amadurecido, em especial no quesito solos de guitarras e nas linhas vocais de Bjorn 'Speed' Strid, completamente ferozes e, ainda assim, articuladas. E até mesmo a forma comedida como se usam os teclados, que fornecem uma atmosfera adequada, sem nunca dominar a composição, merece ser mencionada.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Ou seja, puro Heavy Metal, veloz e implacável como a velha escolha ensina, mas ainda assim sutilmente grudento, características bem representadas especialmente pela faixa-título. Contando ainda com canções de impacto como a multifacetada "Millionflame", as violentíssimas "Possessing The Angels" e "Machinegun Majesty", a versão nacional traz ainda os bônus ao vivo para essa mesma "Machinegun Majesty" e "Neon Rebels"; além de toda a diagramação ser diferente da original, mais limpa e organizada, e com notas sobre esta fase do Soilwork.

Após a repercussão obtida com este disco, o Soilwork assinou com a Nuclear Blast e, ainda que os dois álbuns seguintes – "A Predator's Portrait" (01) e "Natural Born Caos" (02) – mostrassem uma evolução apropriadamente consistente, posteriormente os suecos investiram fundo no fator melodia e abrandaram drasticamente a velha distorção. Naturalmente, as opiniões mundo afora se dividiram, mas "The Chainheart Machine" continua sendo considerado como um dos melhores registros da primeira fase da banda. Podem conferir!

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Contato:
http://www.soilwork.org
http://www.myspace.com/soilwork

Formação:
Bjorn 'Speed' Strid - voz
Peter Wichers - guitarra
Ola Frenning - guitarra
Ola Flink - baixo
Carlos Del Olmo Holmberg - teclados
Henry Ranta - bateria

Soilwork - The Chainheart Machine
(2000 / Listenable Records – 2012 / Shinigami Records – nacional)

01. The Chainheart Machine
02. Bulletbeast
03. Millionflame
04. Generation Speedkill
05. Neon Rebels
06. Possessing The Angels
07. Spirits Of The Future Sun
08. Machinegun Majesty
09. Room No. 99
10. Machinegun Majesty (bônus live)
11. Neon Rebels (bônus live)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal


Outras resenhas de Chainheart Machine - Soilwork

Resenha - Chainheart Machine - Soilwork

Resenha - Chainheart Machine - Soilwork

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Soilwork: baterista foi esquecido no aeroporto quando a banda veio fazer shows no Brasil



Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.