Resenha - Peste - Claustrofobia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Desde os primórdios, mais precisamente nos idos de 1995, quando lançaram a demo "Saint War", os 'malucos' do Claustrofobia incluem músicas cantadas em português em todos seus trabalhos. "Peste", o quinto trabalho oficial dos caras, traz simplesmente todas as composições cantadas na língua pátria.

Claustrofobia: assista ao lyric vídeo da nova faixa "Vira Lata"Os dez maiores picaretas da música internacional

Como era de se esperar, a banda tirou de letra isso e ainda incluiu influências da música brasileira no trabalho, dando uma cara ainda mais própria às composições. São 10 faixas, muito bem compostas, executadas de forma muito coesa e com peso descomunal, onde algumas se destacam em diferentes características.

Metal Malóka (nome já conhecido, pois a banda se auto rotula dessa forma) é um Thrashão brutal com belo riff e uma variação rítmica muito interessante. O final com o falecido apresentador Alborghetti cantando Aquarela do Brasil, espancando sua mesa com seu famoso porrete é impagável e confortante.

A união Metal e cultura brasileira vem na instrumental Nota 6,66,onde, a banda faz um som de bateria de escola de samba misturado com Metal (com a participação do Batuque de Corda). Antes que torçam o nariz, ficou muito interessante e melhor que muita viagem celta ou viking que tantos 'babam ovo' por aí.

Pino Da Granada já se inicia com um riff assustador e uma cozinha brutal. Sua cadência é um convite ao pogo. Alegoria Do Sangue também possui uma levada bacana e sua letra é muito inteligente, bem o retrato do país. Aliás, a maioria das letras do álbum demonstra bem a visão dos caras perante o Brasil.

Bicho Humano é uma das mais brutais do disco, possui uma cozinha veloz e um pé no Death Metal. Vida De Mentira emana raiva em sua letra e possui um 'groove' legal, além de um trabalho mais variado de guitarras.

O álbum foi produzido pelo renomado Ciero, no Da Tribo estúdios, o que só contribuiu com a sonoridade bem lapidada do trabalho. A arte da capa também ficou legal e a cargo de Alex Spike. Com "Peste", o Claustrofobia mantém sua chama acesa e deixa mais um belo registro em sua história.


Outras resenhas de Peste - Claustrofobia

Claustrofobia: Chegando ao topo do metal nacionalClaustrofobia: Dez patadas no saco em portuguêsClaustrofobia: Ousadia e excelência em novo álbumClaustrofobia: metal brazuca da melhor qualidade




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Claustrofobia"


Claustrofobia: assista ao lyric vídeo da nova faixa "Vira Lata"Alexandre de Orio: guitarrista apresenta peça erudita contemporânea com a OSESPClaustrofobia: escute agora mesmo o novo single "Vira Lata"Claustrofobia: nova camiseta "Virá Lata" disponível para pré-vendaSlayer: show em São Paulo terá Claustrofobia como banda de abertura

Slayer: Claustrofobia será banda de abertura de show em São PauloSlayer
Claustrofobia será banda de abertura de show em São Paulo

Claustrofobia: nome de novo single que será lançado em setembro

Death Metal: mais cinco álbuns nacionais que você deve escutarDeath Metal
Mais cinco álbuns nacionais que você deve escutar


Os dez maiores picaretas da música internacionalOs dez maiores picaretas da música internacional
Os dez maiores picaretas da música internacional

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Chinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da históriaChinese Democracy
De 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história

Motley Crue: Vince Neil detona Sharon Osbourne em biografiaR.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarSystem Of A Down: Shavo Odadjian lamenta impasse, pois quer tocarHeadbangers: Por que os conservadores são tão ignorantes?

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.