Stratovarius: álbum tem tudo aquilo que os fãs adoram

Resenha - Elysium - Stratovarius

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Stratovarius está de volta! Uma das bandas mais importantes e influentes do heavy metal nas últimas duas décadas, responsável por pelo menos um clássico inquestionável – o fenomenal "Visions", lançado em 1997 -, o grupo do vocalista Timo Kotipelto chega ao seu segundo disco com o guitarrista Matias Kupiainen, que substituiu Timo Tolkki, guitarrista, líder e principal compositor do conjunto, em 2008.
2278 acessosStratovarius: relançamento de melhor álbum ao vivo da banda5000 acessosAC/DC: 10 músicas de outros artistas que parecem da banda

"Elysium" é o décimo-terceiro álbum de estúdio do Stratovarius, e foi lançado no último dia 14 de janeiro. Produzido pelo guitarrista Matias Kupiainen, tem a sua capa feita pelo artista Gyula Havancsák, com uma arte que remete a "Infinite", lançado pela banda em 2000.

Musicalmente, o som continua o mesmo power metal carregado com muita melodia e doses moderadas de peso. O single “Darkest Hours” abre o play e é uma música tipicamente Stratovarius, com as linhas vocais características de Timo Kotipelto e um refrão grudento. “Under Flaming Skies” coloca um pouco mais de velocidade no jogo, e tem como destaque o refrão, muito bem construído, daqueles de cantar junto nos shows.

“Infernal Maze” tem um trecho inicial mais lento totalmente dispensável, mas quando engrena de vez irá fazer a alegria dos fãs. O solo de Matias Kupianen nessa faixa é de cair o queixo, e nele o jovem guitarrista mostra o porque de ter sido escolhido para substituir Tolkki. Há também em “Infernal Maze” uma das marcas registradas do Stratovarius, a interação uterina entre teclado e guitarra soando como um instrumento apenas.

Já “Fairness Justified” é uma balada meio épica que, a não ser pelo solo de Kupiainen, repleto de melodia e feeling, não acrescenta nada ao disco. As coisas voltam aos trilhos com “The Game Never Ends”, um speed metal que segue a cartilha daquela que é, provavelmente, a principal contribuição do Stratovarius para o heavy metal: uma locomotiva sonora altamente técnica que usa toda a sua capacidade na construção de melodias que cativam o ouvinte no primeiro instante e, ao mesmo tempo, abre espaço para os imprescindíveis vôos individuais de cada integrante.

Contrastando com “The Game Never Ends”, “Lifetime in a Moment” é mais cadenciada e tem o seu refrão cantado por coros, o que lhe dá um clima épico interessante. “Move the Mountain” é a faixa mais calma com cara de single, e justamente por se diferenciar do restante do track list acaba ganhando destaque.

Os fãs das antigas vão eleger a veloz “Event Horizon” como a sua faixa favorita. Nela, o Stratovarius pisa fundo no acelerador, mostrando que ainda saber fazer o speed metal que o consagrou. A longa faixa título, com mais de dezoito minutos, encerra o play com a banda passeando pelas várias características de sua música, como as passagens intrincadas, alguns lances influenciados pelo rock progressivo e, é claro, a agressividade do heavy metal.

Individualmente, o grande destaque de "Elysium" é o guitarrista Matias Kupiainen. Elaborados e intrincados na medida certa, seus solos saltam aos ouvidos. Além disso, o cara é também o produtor do disco, uma prova de que, definitivamente, encontrou o seu espaço no Stratovarius e que, apesar do pouco tempo em que está no grupo, já tem uma grande influência sobre a música da banda.

"Elysium" é um bom disco. Está longe de ser o melhor trabalho do Stratovarius, mas segue o caminho que a banda vem trilhando em sua carreira. O álbum tem tudo aquilo que os fãs adoram na banda, características que são as mesmas que fazem quem não curte o grupo torcer o nariz. Portanto, se você é fã mergulhe sem medo que a satisfação é garantida!

Faixas:
1 Darkest Hours – 4:11
2 Under Flaming Skies – 3:52
3 Infernal Maze – 5:33
4 Fairness Justified – 4:21
5 The Game Never Ends – 3:54
6 Lifetime in a Moment – 6:39
7 Move the Mountain – 5:33
8 Event Horizon – 4:24
9 Elysium – 18:07

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Elysium - Stratovarius

2684 acessosStratovarius: Reencontrando suas melhores ideias2807 acessosStratovarius: Timmo Tolkki não faz a menor falta5000 acessosStratovarius: Ainda fiel ao estilo musical que o consagrou

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

2278 acessosStratovarius: relançamento de melhor álbum ao vivo da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Stratovarius"

StratovariusStratovarius
Garota de 8 anos impressiona milhões em vídeo

19971997
15 discos de rock/metal que completam 20 anos de lançamento

StratovariusStratovarius
A novela do Stratovarius escancarada por Timo Tolkki

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Stratovarius"

AC/DCAC/DC
10 músicas de outros artistas que parecem da banda

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Janis Joplin muito antes da fama

SlayerSlayer
A trágica história do fim de Jeff Hanneman

5000 acessosEnquete: Os 10 melhores shows do Rock In Rio 20155000 acessosDinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"5000 acessosFotos de Infância: Yngwie Malmsteen5000 acessosDave Mustaine: "Minha vida não se resume somente a brigas"5000 acessosHeavy Metal: as 10 melhores bandas da era moderna5000 acessosOutro Chris Cornell subiu ao palco em Detroit anteontem e precisamos falar sobre isso

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online