Stratovarius: Ainda fiel ao estilo musical que o consagrou

Resenha - Elysium - Stratovarius

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Breder Rodrigues
Enviar Correções  

9


Os filandeses do STRATOVARIUS passaram por maus bocados nos últimos anos: com a saída do guitarrista Timo Tolkki, que compôs sozinho 95% das músicas da banda durante sua trajetória, muitos temiam que o STRATOVARIUS mudasse totalmente seu direcionamento musical sem ele. Em 2009 saiu então o primeiro álbum sem Tolkki, intitulado "Polaris", trabalho de estreia do novo guitarrista do grupo, o jovem Matias Kupiainen. Tirando o baterista Jörg Michael, todos os integrantes da banda fizeram composições para o álbum, onde o baixista Lauri Porra se destacou, apresentando cinco músicas de sua autoria. Mas, e o direcionamento musical da banda, como ficou? Bem, contando agora com várias pessoas na parte de criação das músicas, o STRATOVARIUS realmente mudou um pouco, mas ainda se mantém dentro do gênero em que ele sempre esteve.

Timo Tolkki: Músico faz Livestream Acústica e canta "The Hands of Time" novamente

Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para alguns mais radicais, a banda acabou com a saída de Tolkki, e nunca mais conseguirá fazer trabalhos como "Episode", "Visions" ou "Infinit". Já para outros, a saída de Tolkki foi extremamente benéfica para o grupo, pois renovou o seu som e fez com que o grupo saísse definitivamente da mesmice que muitos reclamavam. Eu sou um dos que gostaram do "novo" STRATOVARIUS e, portanto, esperava para ver como a banda iria continuar em um próximo trabalho. Felizmente, o novo álbum "Elysium" mostra um STRATOVARIUS ainda mais renovado, mas que continua fiel ao estilo musical que o fez famoso no mundo inteiro. Nas próximas linhas estarei falando um pouco sobre cada uma das músicas que compõe o trabalho "Elysium", e expressando minha opinião sincera sobre cada uma das faixas:

1. "Darkest Hours": A faixa de abertura, uma composição de Kotipelto e Kupiainen, começa o álbum em alta, sendo uma canção de simples assimilação e bem dentro do estilo melódico que consagrou a banda durante os anos. Kotipelto mostra versatilidade em suas linhas vocais e canta o épico refrão como só um vocalista de seu "naipe" é capaz. Kupiainen solta um belo solo no meio da música, que, mesmo sendo curto, mostra sua classe e afirma que ele não foi uma escolha errada para substituir Tolkki.

2. "Under Flaming Skies": Esta música começa como uma verdadeira "avalanche sonora" para depois as guitarras e teclados silenciarem por alguns instantes, enquanto apenas o baixo e a bateria acompanham as linhas vocais de Kotipelto Depois, toda a banda participa da canção de forma majestosa. Esta composição é mais uma da dupla Kotipelto e Kupiainen, e traz uma sonoridade empolgante, com simples mas eficientes linhas de guitarra, um solo bem inspirado e vocalizações próximas da perfeição por parte de Kotipelto. Umas das melhores canções do álbum, na minha opinião!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

3. "Infernal Maze": Este som começa com Kotipelto cantando de forma melancólica, fazendo com que o ouvinte pense que será mais uma balada bem triste, típica do STRATOVARIUS. Mas após um breve silêncio, a canção "explode" com Kotipelto atingindo notas mais altas para, em seguida, voltar a uma breve pausa em que os belos riffs de guitarra ditam o novo ritmo da canção. A música se torna totalmente empolgante, melódica e "para cima". No refrão, bem típico da banda, Kotipelto atinge suas notas mais altas. Kupiainen e Johansson duelam em alguns solos bacanas com seus devidos instrumentos, enquanto a cozinha da banda acompanha tudo de perto com extrema precisão.

4. "Fairness Justified": Dando uma pausa nas canções "aceleradas", a quarta faixa traz um som mais arrastado e lento, com linhas de baixo bem marcantes e um refrão bem épico e grandioso. Kupiainen faz um de seus melhores solos em todo o álbum, esbanjando técnica e melodia, lembrando muito o grande Timo Tolkki.

5. "The Game Never Ends": Primeira composição do mestre dos teclados Johansson, esta canção traz uma vocalização incrível por parte de Kotipelto, refrãos grandiosos, linhas de guitarra bacanas, solos inspirados, principalmente por parte de Johansson, e grandes viradas de bateria de Jörg Michael. Uma canção curta, mas muito boa.

6. "Lifetime in a Moment": Em seus mais de seis minutos, esta canção, de autoria de Lauri Porra, mostra que o baixista é mesmo um grande compositor: pesados riffs de guitarra povoam a canção, contando ainda com linhas de baixo marcantes e com a bateria acompanhando tudo de forma precisa. As linhas vocais são bem variadas, mostrando toda a versatilidade de Kotipelto, mais uma vez, e que ele é mesmo um dos melhores dentro do seu estilo. Esta é uma canção que foge dos clichês do metal melódico, o que, em minha opinião, é algo ótimo. Grande som, um dos destaques do álbum, com certeza!

7. "Move the Mountain": Mais uma composição do mestre Johansson, só que com uma maior duração, onde ele pode então esbanjar, ainda mais, todo o seu talento. A música começa com um clima "meio triste" e uma pequena introdução ao piano, para depois Kotipelto cantar os primeiros versos da canção, sendo acompanhado por um violão. A canção passa a ter o acompanhamento dos outros membros da banda rapidamente, mas o clima lento e arrastado continua em toda a canção. É uma música com melodias variadas e um inspirado solo de Johansson.

8. "Event Horizon": Com um espetacular e veloz riff de guitarra, esta é mais uma daquelas canções ultra rápidas do STRATOVARIUS! Kotipelto canta muito, como sempre, atingindo notas bem altas em algumas partes. O clima é bem melódico e clássico, com solos maravilhosos de guitarra e teclado, que dificilmente você ouvirá em outras bandas por aí. Um som que qualquer um ouve e diz na hora, sem medo de errar, que se trata de uma canção do STRATOVARIUS.

9. "Elysium": Com seus pouco mais de dezoito minutos, a faixa título do álbum é praticamente uma síntese de tudo o que representa o atual STRATOVARIUS: uma banda que esbanja competência para fazer músicas melódicas e progressivas, e que hoje, graças a Deus, traz canções bem mais variadas do que na época onde apenas Timo Tolkki ditava o direcionamento musical do grupo. Elysium traz vários climas ao ouvinte, e pode ser considerada, sem exagero, como uma das canções mais inspiradas e bacanas da carreira da banda, fechando o novo trabalho com chave de ouro.

Em suma: "Elysium", o álbum, é mais um trabalho digno de carregar o nome STRATOVARIUS, e consegue, ao mesmo tempo, mostrar renovação e continuidade ao legado musical da banda. Um disco que muitos fãs, os mais radicaiss atirarão pedras, mas onde outros (que eu acredito que serão a maioria) irão curti-lo sem nenhum problema. Não se assuste se este belo trabalho passe a ser comparado com os grandes clássicos da banda por uma significativa parcela de fãs, pois "Elysium" é realmente um grande álbum do STRATOVARIUS.

Formação:

Timo Kotipelto – Vocais
Matias Kupiainen – Guitarra
Jens Johansson – Teclado
Jörg Michael – Bateria
Lauri Porra – Baixo

Faixas:

1. "Darkest Hours" 4:11
2. "Under Flaming Skies" 3:52
3. "Infernal Maze" 5:33
4. "Fairness Justified" 4:21
5. "The Game Never Ends" 3:54
6. "Lifetime in a Moment" 6:39
7. "Move the Mountain" 5:34
8. "Event Horizon" 4:24
9. "Elysium" 18:07

Tempo total: 56:35

Site oficial:
http://www.stratovarius.com/


Outras resenhas de Elysium - Stratovarius

Stratovarius: Reencontrando suas melhores ideias

Stratovarius: Timmo Tolkki não faz a menor falta

Stratovarius: álbum tem tudo aquilo que os fãs adoramStratovarius
álbum tem tudo aquilo que os fãs adoram




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Timo Tolkki: Músico faz Livestream Acústica e canta "The Hands of Time" novamente

Stratovarius: Em Intermission, o primeiro Intervalo da banda

Stratovarius: músicos paulistas gravam cover da clássica "The Kiss of Judas"

Timo Tolkki: O relacionamento com o Stratovarius, Andre Matos, Symfonia e projetosTimo Tolkki
O relacionamento com o Stratovarius, Andre Matos, Symfonia e projetos

Timo Tolkki: Guitarrista relembra sobre Andre Matos (em inglês)


Power Metal: os dez álbuns essenciais do gêneroPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com


Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?Joe Satriani
Por que ele não entrou no Deep Purple?

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treinoMetal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre André Breder Rodrigues

André Breder começou a ouvir rock na adolescência e desde aquela época se mostrou bem eclético: ouvia Nirvana, Aerosmith, Metallica e Iron Maiden, tudo numa boa. Não gosta de rótulos, e sim de boa música, mesmo que tenha que assumir que possui no Heavy Metal tradicional seu gênero preferido.

Mais matérias de André Breder Rodrigues no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline WhipDin