Divine Element: Não é original, mas transparece sinceridade

Resenha - Divine Element - Divine Element

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Mais Heavy Metal made in Grécia! Tendo iniciado suas atividades na Atenas de 2002, as coisas parecem transcorrer lentamente para o Divine Element. Ao longo deste período o pessoal liberou somente uma mísera demo e nada mais, a não ser tocar onde pudessem e correr constantemente atrás de um selo que ajudasse a financiar o tão desejado álbum de estreia. Nada conseguiram de concreto, mas tantos obstáculos apenas servem para serem transpostos, não é mesmo?

Pois bem, então a alternativa foi arregaçar as mangas e fazer as coisas acontecerem de forma independente. Houve muita preocupação por parte do Divine Element para que seu debut auto-intitulado chegasse ao público da forma mais profissional possível, a começar pelo esmero de um bonito acabamento gráfico todo em digipak e seguindo a velha tradição das ilustrações contrastadas – a seção que retrata os músicos ficou magnífica! E tudo para embalar canções cujas gravações demoraram nada menos do que três anos para serem concluídas.

publicidade

O resultado final provou que os esforços valeram a pena. "Divine Element" misturas vários dos subgêneros metálicos e, ainda que consideravelmente melódico, consegue manter toda uma atmosfera extrema. Seja com a propensão de passagens velozes ou pelos ritmos mais calmos e melódicos, tudo se mantém muito bem estruturado. O Thrash, Death e Black Metal são veias explodindo frequentemente, e ainda com alguns elementos acústicos espalhados para enriquecer corpo de algumas faixas.

publicidade

O áudio é adequadamente forte e ríspido, com toda aquela testosterona nada polida e tipicamente underground. Não há espaço para vacilos, está tudo lá: guitarras, baixo e bateria, tudo aparecendo certinho. É meio complicado eleger destaques entre as seis canções propriamente ditas, mas por ora este escriba tem alguma predileção pelas espetaculares "Dawn Of Battle" e a longa "Crossing The Rubicon", que encerra os 45 minutos de audição com um forte sentimento épico.

publicidade

Sem ser original, apenas sincero até o fundo do coração, o Divine Element provou se capaz de fazer um som muito interessante a ponto de, quem sabe, ser um degrau para alcançar o devido prestígio pelo underground grego. Esse é um dos 500 discos espalhados pelo planeta, mas o headbanger que curte Primordial, Bathory e o início da carreira do Amon Amarth poderá ter grande interesse em baixar essas canções em www.myspace.com/divineelement.

publicidade

Formação:
Alchemist - voz e baixo
Nihilus Ayloss - guitarra e sintetizadores
Jahrold - guitarra
Loukas - bateria

Divine Element - Divine Element
(2010 / independente – importado)

01. Introitus
02. Of Darkness
03. A Day For The Hunter, A Day For The Prey
04. Dawn Of Battle
05. Ancient Pride (Necromantia Cover)
06. Fall Of Purity
07. Crossing The Rubicon




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda suecaSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

Whiplash.Net: Como enviar conteúdo ou se tornar um colaborador do siteWhiplash.Net
Como enviar conteúdo ou se tornar um colaborador do site


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin