Ektomorf: mais do mesmo em despreocupada zona de conforto

Resenha - What Doesn't Kill Me - Ektomorf

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Na ativa desde 1993, o Ektomorf passou a ser conhecido, há tempos, como o ‘Soulfly da Hungria’. Curiosamente, a banda húngara tem mais tempo de estrada, mas tal alcunha não deixa de proceder, tal a similaridade entre ambas. E certamente não é seu mais novo álbum, lançado no mercado brasileiro via Laser Company, que o afastará da sombra do grupo de Max Cavalera e Cia...
229 acessosRock e Heavy Metal pelo mundo: 5 bandas da Hungria5000 acessosCoincidências: Imagens usadas por grandes bandas em outras capas?

“What Doesn’t Kill Me” novamente apresenta seu explosivo e moderno Thrash Metal, tão repleto de groove e com uns lances meio tribais sempre muito bacanas. Mas o Ektomorf parece estar em uma despreocupada zona de conforto, pois investe pouco, mas muito pouco mesmo, em elementos que poderiam tornar seus álbuns relativamente distintos entre si. E, neste esquema, o novo disco é apenas 'mais do mesmo'.

Além disso, o repertório atual prima por tal linearidade que suas músicas soam, muitas vezes, por demais similares entre si. Obviamente há pontos positivos, em especial a seção rítmica que – esta sim! – consegue imprimir um trabalho com a necessária diversidade que tanto enriquece as canções. Mas é só. Zoltán realmente exorciza seus demônios com linhas vocais repetidamente raivosas e as guitarras poderiam criar riffs e solos muito mais interessantes do que o apresentado.

Apesar de tantos pontos aparentemente depreciativos, composições como a abertura "Rat War", a própria faixa-título, "I Can See You" e "Scream", com elementos acústicos, são realmente muito boas, mas não o suficiente para alavancar o disco a um novo nível. Certamente o Ektomorf soube como conquistar seus admiradores com as extensas turnês dos últimos anos, e são estes mesmos fãs que realmente poderão aprovar "What Doesn’t Kill Me"...

Contato:
http://www.ektomorf.com
http://www.myspace.com/ektomorf

Formação:
Zoltán Farkas - voz e guitarra
Tamás Schrottner - guitarra
Csaba Farkas - baixo
József Szakács - bateria

Ektomorf - What Doesn’t Kill Me
(2009 - AFM Records / Laser Company Records - nacional)

01. Rat War
02. Nothing Left
03. What Doesn’t Kill Me
04. Revenge To All
05. Love And Life
06. I Can See You
07. I Got It All
08. New Life
09. Sick Of It All
10. It’s Up To You
11. Envy
12. Scream
13. Breed The Fire

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

229 acessosRock e Heavy Metal pelo mundo: 5 bandas da Hungria0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ektomorf"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ektomorf"

CoincidênciasCoincidências
Imagens usadas por grandes bandas em outras capas?

Quiet RiotQuiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Além do MaidenAlém do Maiden
A História da New Wave Of British Heavy Metal

5000 acessosAerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos5000 acessosRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja5000 acessosReligião: Top 10 citações sobre Deus e o Diabo5000 acessosNightwish: Floor Jansen dá a sua receita para uma voz afinada5000 acessosPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros5000 acessosDream Theater: Jordan Rudess comenta pior show de sua vida

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online