Resenha - Rheingold - Grave Digger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

9


Depois do lançamento do bom "The Grave Digger", que apesar de sua qualidade e extremo bom gosto gerou opiniões controversas entre os fãs, é para felicidade geral que Chris Boltendahl e cia anunciaram que seu sucessor seria o primeiro de uma trilogia, cujo tema inicialmente seria a Bíblia Sagrada. Mas "Rheingold" acabou sendo inspirado na obra "Ring of the Nibelungs" de Richard Wagner, narrando a eterna busca de deuses e guerreiros até o paraíso viking de "Valhalla". A banda também anunciou que esse seria o começo de uma nova trilogia, e que este álbum viria com mais partes orquestradas, contrariando o som mais direto e agressivo de seu antecessor. Como estaria o caminho até Valhalla?

publicidade

"The Ring" é a perfeita introdução para uma ópera, com todo seu clima orquestrado e cativante. As faixas seguintes ,"Rheingold" e "Valhalla", mostram o tradicional power metal da banda, com guitarras bem agressivas e Chris cantando mais gutural do que nunca. Nem parece que a banda resolveu fazer um cd mais orquestrado. Mas em "Giants" já se nota a diferença: a faixa, que investe mais no hard rock, usa diretamente dos coros e passagens com teclados, muito bem encaixados pelo mascarado "HP Hatzenberg".

publicidade

A grande diferença pode ser notada já na faixa "Maidens of War", alternando momentos tipicamente heavy com andamentos mais calmos e abusando dos excelentes coros e vocais dobrados. Chris canta mais contido e a banda esbanja talento. Talento que fica evidente na ultra-cadenciada "Sword" (uma das melhores) e na power-metal "Dragon" (duvido que o refrão "Kill,Kill" não grude na cabeça de quem ouvir).

publicidade

O lado mais speed da banda fica caracterizado nas pesadíssimas"Liar" e "Murderer" (aonde as orquestrações dão um show a parte, sendo muito bem executadas, aliadas ao peso das guitarras de Manni Schmidt). Para encerrar esta parte da aventura dos deuses rumo a Valhalla, nada melhor que uma faixa épica e bem pesada, como "Twilight of the Gods". A edição nacional traz 2 faixas bônus: a épica "Hero" (que abusa dos coros e teclados) e a bela balada "Goodbye".

publicidade

Um belo cd, que merece ser conferido. Falta a agressividade que "The Grave Digger" esbanjou, com certeza, mas sobra competência num grande momento de uma grande banda. Confira sem medo.

Obs: A primeira prensagem do cd veio com problemas de impressão no encarte. Se a sua for como a minha (que veio com o problema) a Century Media estará trocando os encartes a partir do dia 14/07.

publicidade

Line Up:
Chris Botendahl – Vocais
Stefan Arnold – Bateria
Manni Schmidt – Guitarra
Jens Becker – Baixo
Hans Peter Hatzenberg – Teclado

Site oficial: www.grave-digger.de

Lançado pela Century Media Brasil em 2003.

publicidade


Outras resenhas de Rheingold - Grave Digger

Grave Digger: Conceitual, pesado e direto em Rheingold

Resenha - Rheingold - Grave Digger




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com

Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blogCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog


Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenFotos de Infância
Yngwie Malmsteen

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin