In Flames: todos os álbuns da banda, do pior para o melhor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O In Flames é uma banda sueca que ficou conhecida por ser, ao lado do At The Gates e do Dark Tranquility, um dos principais nomes do death metal melódico, também conhecido como "Som de Gotemburgo".

In Flames: em 2016, um duplo ao vivo que esquece do passadoMick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Ao longo dos anos, a banda passou por mudanças não apenas na formação, mas também na sonoridade, o que fez muito fã torcer o nariz. De fato, foi difícil digerir a transformação de uma banda que no início flertava com o metal extremo e tempos depois, é praticamente uma banda de rock alternativo.

Seja como for, fazendo metal extremo ou música mais acessível, o In Flames sempre manteve um alto padrão de qualidade em suas composições. Desde o lançamento do primeiro disco, é inegável a evolução musical do grupo. Sem mais conversas, confira abaixo todos os álbuns da banda, do pior para o melhor.

13 - "Siren Charms" (2014): Sem sombra de dúvidas, é o momento menos inspirado da banda. Segue uma linha bem moderna e abusa dos vocais chorosos de Anders Fridén. Sem contar o fato de que a faixa "Through Oblivion" está entre as coisas mais constrangedoras já escritas pela banda.

12 - "I, the Mask" (2019): O mais recente álbum do In Flames é a prova de que a banda passa bem longe do que já foi um dia. Apesar de algumas músicas pesadas, como a faixa título, "I Am Above" e "Voices", algumas outras como "Follow Me", "In This Life" e "All the Pain" poderiam facilmente entrar na trilha sonora de algum filme sem graça de adolescente. Mesmo assim, é muito mais audível que "Siren Charms".

11 - "Battles" (2016): Também flerta bastante com o lado alternativo, mas é um disco um pouco mais profundo do que os acima citados. O álbum tem ótimas músicas, como "Drained", "Like Sand", "Before I Fall", "The End" e "Wallflower".

10 - "Soundtrack To Your Escape" (2004): Embora seja, de longe, o disco mais pesado da "fase nova" do In Flames, acabou ficando meio deslocado na discografia. Apesar de não ser exatamente o disco mais querido pelos fãs, traz ótimos temas, como "Touch Of Red", "My Sweet Shadow", "F(r)iend", "Like You Better Dead" e "The Quiet Place".

09 - "Lunar Strain" (1994): O início de tudo. Guitarras pesadas, distorcidas, em alguns momentos até sujas, mas com muita melodia. Um tipo de som espantoso e novo, que anos depois, se tornou febre. Do primeiro disco vieram "Behind Space", as duas ótimas partes de "Everlost" e a música que leva o nome da banda.

08 - "Reroute To Remain" (2002): Foi o maior divisor de águas da carreira do In Flames, além de ser o ponto onde muita gente começou a desistir da banda. Moderno, o som ficou "americanizado", o que fez alguns até colocarem a banda na prateleira do new metal.
A faixa título, o hit "Cloud Connected", "Trigger", "System", "Drifter" e "Dark Signs" abriram as portas de outros mercados e públicos para o In Flames.

07 - "Come Clarity" (2006): Ao mesmo tempo que olha para o futuro, é um disco que traz um pouco do peso dos primeiros álbuns. Ajudou a livrar UM POUCO a cara da banda com a turma mais radical. Além da maravilhosa faixa título, apresentou ao mundo maravilhas como "Take This Life", "Vacuum", "Leeches", "Crawl Through Knives" e "Dead End".

06 - "A Sense Of Purpose" (2008): Último disco da banda a contar com Jesper Strömblad, já que o guitarrista estava apresentando sérios problemas com o que conhecemos popularmente no Brasil como cachaça. É um dos trabalhos mais sólidos do In Flames, e foi em sua tour que a banda passou pelo Brasil.

Pesado, rápido e bem trabalhado, mostra uma ótima junção de passado e presente, através de canções como "Alias", "I Am The Highway", "The Chosen Pessimist", "Delight And Angers", "The Mirror's Truth" e "Sober and Irrelevant".

05 - "Sounds Of A Playground Fading" (2011): Primeiro disco da banda gravado com apenas uma guitarra, já que Jesper foi cuidar de seus problemas com o alcoolismo, deixando as seis cordas por conta de seu ex parceiro fiel Björn Gelotte.
A capa retrata bem o clima cinzento e nebuloso do disco, que é o melhor disco da "fase moderna" do grupo. A música "Deliver Us", que acabou se tornando indispensável nos shows, é só um aperitivo para as ótimas "Fear Is the Weakness", "Liberation", "The Puzzle", "All For Me", "Darker Times" e "A New Dawn".

04 - "Colony" (1999): Faz parte da fase de ouro do grupo e o primeiro a contar com a formação mais duradoura (Anders Fridén nos vocais, Björn Gelotte e Jesper Strömblad nas guitarras, Peter Iwers no baixo e Daniel Svensson na bateria).

TODAS as músicas do disco são excelentes e mostram uma capacidade enorme da banda em unir peso, velocidade e melodia. Até o momento, era o disco mais bem trabalhado e maduro do In Flames. Algumas músicas mexem até hoje com o coração dos fãs, como "Embody The Invisible", "Scorn", Colony', "Ordinary Story", "Resin" e "Zombie Inc."

03 - "The Jester Race" (1996): É considerado por muitos como um dos discos mais influentes do melodic death metal. De fato, é.
A banda ainda estava se posicionando na cena, e o segundo disco ajudou MUITO o In Flames a se tornar um grupo extremamente respeitado.

"The Jester Race", além de marcar a entrada de Anders Fridén, conta com "Moonshield", "The Jester's Dance", "Dead Eternity", "December Flower" e outras músicas que ajudaram a definir o "Som de Gotemburgo".

02 - "Whoracle" (1997): A evolução natural de "The Jester Race","Whoracle" traz uma banda extremamente afiada e com sede.
Deste maravilhoso registro saíram "Jotun", "Episode 666", "The Hive" (que tem um solo estupendo), "Food For The Gods" e "Gyroscope".
Se você não sabe o que é death metal melódico, ouça esse disco.

01 - "Clayman" (2000): Definitivamente, foi difícil escolher o campeão. Mas esse foi o disco que fez muita gente conhecer a banda, inclusive este que vos escreve.

A faixa título, "Bullet Ride", "Pinball Map", "Only For The Weak" (maior sucesso do grupo até hoje), "Square Nothing" e "Sattelites And Astronauts" consagraram o auge de uma banda que hoje figura entre os maiores nomes da música pesada/alternativa.
Necessário em qualquer discografia, como todos os outros!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "In Flames"


In Flames: em 2016, um duplo ao vivo que esquece do passadoIn Flames: lançado lyric video para "Follow Me"; assistaEm 03/09/2002: In Flames lançava o álbum Reroute To RemainEm 27/08/1975: nascia Björn Gelotte, guitarrista do In FlamesCyhra: segundo álbum da banda de ex In Flames será lançado em breveIn Flames: a coroação (e o fim) de uma fase de ouroIn Flames: veja lyric video de "Voices"

In Flames: todos os álbuns da banda, do pior para o melhorIn Flames
Todos os álbuns da banda, do pior para o melhor

In Flames: É fácil julgar um trabalho só pela capaIn Flames
"É fácil julgar um trabalho só pela capa"

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia


Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São PauloMick Jagger
Em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Metallica: a habilidade com as baquetas de James HetfieldMetallica
A habilidade com as baquetas de James Hetfield

Alice in Chains: mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs HereAlice in Chains
Mensagem subliminar na capa de "The Devil Put Dinosaurs Here"

Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Fotos
Confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1

Em cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedorasEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

O Metaleiro: Baile da Favela - Paródia MetalO Metaleiro
Baile da Favela - Paródia Metal

Metallica: banda improvisa Enter Sandman em supermercadoMetallica
Banda improvisa "Enter Sandman" em supermercado


Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336