Almah: Edu, se foque na música e arrebente, meu velho!

Resenha - Unfold - Almah

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Não vou, honestamente, entrar no mérito das declarações discutíveis que Edu Falaschi vem dando nos últimos anos. Mas é preciso dar o braço a torcer, claro, e admitir que ele se encontrou na banda paralela que vinha mantendo enquanto atuava como vocalista do Angra. Quando o seu papel no Angra se complicou, foi justamente quando o Almah começou a ganhar mais corpo, mais forma, a se estabelecer e criar identidade própria.
Angra: Iniciado processo de composição de novo álbumAngra: O capiroto, o polvo e o Kiko; encontro de amigos no Rock In Rio

E quando enfim o vocalista abandona o cargo à frente do Angra, mais do que acertadamente, aquela que agora é a sua banda principal apresenta seu disco mais refinado, inteligente e moderno. "Unfold" tem um vocalista vindo da escola do power metal/metal melódico mas é justamente o ápice de seu distanciamento das amarras deste gênero. Se o Almah já tinha se estabelecido como um dos grandes nomes da atual cena do heavy metal nacional, com "Unfold" eles abrem as portas de vez para conquistar também o mercado internacional.

Já na abertura, "In My Sleep", Edu surge cantando mais rasgado, mais agressivo, mas ao mesmo tempo mais confortável, com a voz longe da necessidade de entrar na região dos agudos. E detalhe: a música é absolutamente power metal, inclusive melhor do que o que próprio Edu vinha fazendo com o Angra nos últimos discos.

Aliás, e o elemento étnico de "I Do", que conversa com a música brasileira da mesma forma que a antiga banda do cantor, mas mantendo praticamente intactas as características do Almah, sem soar como uma mera cópia? Mesmo quando o frontman se arrisca num agudo mais intenso, como em "The Hostage", o faz com precisão, com cautela, sem exageros. E acerta na mosca. O grande trunfo de "Unfold", no entanto, está justamente nos momentos em que a banda sai desta zona de conforto do metal melódico. Escute "Beware The Stroke", por exemplo, e perceba uma forção afiada que também sabe fazer, com excelência, um metal tipicamente tradicional, na melhor escola Iron Maiden.

Em "Cannibals In Suits", o Almah entrega um instrumental mais pesado, urgente, agressivo, quase como se estivesse bebendo da fonte do thrash metal. A letra, de cunho mais crítico e ácido, praticamente pede uma entrega mais furiosa. Ah, acha impossível? Pois vamos então para um outro lado, completamente diferente, já que "Wings Of Revolution" é um exercício de música pop brilhante, uma canção limpa e que poderia rivalizar com qualquer Coldplay da vida, talvez até pela chance de se tornar música-tema de um evento como as Olimpíadas, por exemplo (enquanto ouve a faixa, imagine um vídeo com cenas de artistas nas mais diferentes modalidades esportivas, superando seus limites, e você vai entender exatamente o que estou querendo dizer). Este espectro cristalino típico da música pop também fica claro em "Warm Wind", uma balada triste, tocante e bastante corajosa – porque, apesar de ser totalmente radiofônica, é repleta de bom gosto e sofisticação. Merece uma audição detalhada.

Um dos grandes momentos do álbum, no entanto, reside em "You Gotta Stand". Trata-se de uma música tipicamente hard rock, que tem tudo que precisa para não sair mais da cabeça do fã de boa música: uma dupla de guitarras disparando riffs envolventes e grudentos; um tecladinho irresistível que trabalha totalmente a favor do restante da composição, entrando nos momentos certos; e uma interpretação brilhante do vocalista, que vai dos gritos mais violentos a um refrão cavalgado e quase alternativo, que lembra imediatamente algo como o Faith No More. Dá pra imaginar? Então.

É hora do Edu se focar na música. Na sua própria música. É hora de deixar as polêmicas de lado, as discussões, o #mimimi, as fofocas. E pensar, apenas e tão somente, no seu trabalho. Que, aliás, se continuar assim, tem tudo para conquistar o mundo. Vai fundo. E arrebenta, meu velho!

Line-up
Edu Falaschi - Vocal
Marcelo Barbosa - Guitarra
Gustavo Di Padua - Guitarra
Raphael Dafras - Baixo
Marcelo Moreira - Bateria

Tracklist
In My Sleep
Beware The Stroke
The Hostage
Warm Wind
Raise The Sun
Cannibals In Suits
Wings Of Revolution
Believer
I Do
You Gotta Stand
Treasure Of The Gods
Farewell

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Unfold - Almah

Almah: Impressiona pela versatilidade e criatividadeAlmah: Sim, o Power Metal ainda tem salvação!Almah: Inspiração é pouco para o novo discoAlmah: confira primeira resenha brasileira do novo álbum

Angra
Iniciado processo de composição de novo álbum

Kiko Loureiro: E se eu for feio e morar no Acre?Todas as matérias e notícias sobre "Angra"

Kiko Loureiro
Ele tem medo da "maldição do terceiro show"

Angra
Banda errou na escolha de Fabio Lione?

Viper
Fotos dos primórdios da carreira

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Almah"Todas as matérias sobre "Edu Falaschi"Todas as matérias sobre "Angra"

Angra
Encontro de amigos no Rock In Rio

Em 25/09/1980
John Bonham, do Led Zeppelin, morre após intoxicação

AC/DC
Axl Rose e Angus falam sobre saída de Brian Johnson

Ozzy Osbourne: "tive ressaca contínua durante 40 anos"Motley Crue: As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy LeeGuns N' Roses: como eles eram... e como estão hojeKiss: banda mandando "Smoke on the Water" em Meet & GreetDeep Purple: Ian Gillan indignado por ausência de Morse e AireyGuns N' Roses: DJ Ashba diz que Axl o queria na atual formação

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online