Almah: Inspiração é pouco para o novo disco

Resenha - Unfold - Almah

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Lucas Matos
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não é novidade pra ninguém que o Almah vem figurando como uma das bandas principais no metal nacional ultimamente, lançando discaços de qualidade, com muita técnica, melodia e uma coisa que vem faltando na cena ultimamente: um estilo diferenciado. Fato é que a banda passou por maus bocados ano passado: a conturbada saída do frontman Edu Falaschi do Angra e o problema na voz do mesmo, e a perda de dois membros, o guitarrista Paulo Schroeber, que saiu por motivos de saúde, e do baixista (e que também era produtor) Felipe Andreoli, para evitar conflitos com o Angra. Mesmo com tudo isso, seguraram firme. Edu, agora recuperado, faz seu primeiro disco como membro full time do Almah, e possivelmente, o melhor. Além dele, a banda com os membros de longa data Marcelo Barbosa (guitarra) e Marcelo Moreira (bateria) e com os novatos Gustavo di Padua (guitarra) e Raphael Dafras (baixo).
151 acessosNão Deixe o Samba Morrer: versão rock por Gustavo Di Padua5000 acessosMegadeth: a história de quando Slash quase entrou na banda

‘Unfold’ é a continuação natural da proposta mostrada em ‘Motion’, porém traz tudo que o Almah fez na sua discografia: desde a experimentação do self-titled até a grandeza melódica de ‘Fragile Equality’.

‘In My Sleep’ já começa com Marcelo Moreira arrebentando na bateria. Uma música power com bumbos rápidos e bastante melodia, mas ao mesmo tempo muito pesada. Aqui percebemos um Edu cantando com mais força e mais vigor, uma voz sadia e mais limpa. O refrão gruda na cabeça instantaneamente (coisa que acontece na maioria das músicas do disco).

‘Beware the Stroke’ tem uma proposta um pouco mais moderna. Ela começa bem sombria, numa intro meio Alice in Chains, até Edu soltar a voz e o peso das guitarras botar a casa abaixo. Boa pra pular.

‘The Hostage’ entraria facilmente em Motion, uma música furiosa em todos os sentidos. Aqui o trabalho dos guitarristas é extremamente impressionante, riffs rápidos e técnicos muito bem encaixados e solos sensacionais. É uma banda que simplesmente não joga firulas nas músicas, eles sabem usar suas habilidades de acordo com o que a música pede. Música sensacional.

‘Warm Wind’, primeira balada do disco, tem um baixo muito bem colocado na intro, que prepara terreno para uma música calma e muito bonita. Por um momento lembrou ‘Heroes of Sand’ do Angra (o que com toda certeza é um elogio, afinal é uma das melhores músicas deles), não por acaso, essa é uma das composições de Edu na sua antiga banda. Destaque também pra ótima letra.

‘Raise the Sun’ é o primeiro single desse disco. Tem um riff de piano sensacional (um dos vários, Edu declarou que compôs várias músicas desse disco no piano) contrastando com o peso das guitarras, o que deixa a música tranquila e com muita energia ao mesmo tempo. E que refrão!

‘Cannibals in Suits’ a princípio começa com o peso e sinergia de Motion, mas cai num refrão totalmente melódico e no meio da música surge um arranjo de orquestra. Uma das músicas mais experimentais da bolacha.

‘Wings of Revolution’ é o Almah mostrando que também pode ser hitmaker. Uma das músicas mais pop do disco, no clima de bandas como Coldplay e U2. Isso não é uma crítica, muito pelo contrário, é uma grande música, uma das melhores do disco. Cativa na primeira audição e tem um refrão pra querer se cantar junto.

‘Believer’ nos traz de volta ao power de Fragile Equality, com guitarras bem rápidas e melodiosas, um teclado dando o clima e bateria rápida. Aqui temos uns dos melhores solos de guitarra de todo o disco.

‘I Do’, uma semi-balada, anda no meio fio entre ser uma música mais pop e mais ‘metal’. Acaba caindo para os dois lados. O belíssimo refrão é mais um pra se cantar junto.

‘You Gotta Stand’ tem um clima mais hard rock e ao mesmo bem moderno, coisa que a banda ainda não havia feito. Tem o melhor riff de guitarra do disco, promete ser uma das melhores ao vivo.

Pra fechar o disco, a progressiva ‘Treasure of the Gods’, que traz a banda explorando um território totalmente novo, e a emocionante balada ‘Farewell’.

‘Unfold’ já era esperado como um bom disco, afinal todos os músicos aqui são de excelente porte, mas foi além do esperado. A banda se encontrou numa fase de muita inspiração e fez uma identidade musical numa cena que cada vez mais bandas não inovam. O Almah merece com certeza todo esse reconhecimento que vem tendo. Uma prova de que o Brasil tem sim bandas pra bater de frente com as gringas. Pode comprar sem medo.

01. In My Sleep
02. Beware The Stroke
03. The Hostage
04. Warm Wind
05. Raise The Sun
06. Cannibals In Suits
07. Wings Of Revolution
08. Believer
09. I Do
10. You Gotta Stand
11. Treasure Of The Gods
12. Farewell

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Unfold - Almah

2058 acessosAlmah: Impressiona pela versatilidade e criatividade4485 acessosAlmah: Sim, o Power Metal ainda tem salvação!5000 acessosAlmah: Edu, se foque na música e arrebente, meu velho!5000 acessosAlmah: confira primeira resenha brasileira do novo álbum

151 acessosNão Deixe o Samba Morrer: versão rock por Gustavo Di Padua1513 acessosEdu Falaschi: "O Rock é hereditário"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Almah"

Edu FalaschiEdu Falaschi
No Kazagastão, o teste para o Iron Maiden, o Angra e mais

Edu FalaschiEdu Falaschi
O fax com convite de seleção para o Iron Maiden

Edu FalaschiEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Almah"

MegadethMegadeth
A história de quando Slash quase entrou na banda

Duff McKaganDuff McKagan
Escolhendo entre Led Zeppelin e Black Sabbath

Mike ManginiMike Mangini
Um dos bateristas mais rápidos do mundo?

5000 acessosBonnie Rotten: Maior estrela pornô do mundo fala do amor ao Metal5000 acessosMetallica: por que Trujillo toca baixo com os dedos?5000 acessosLauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron Maiden4209 acessosAlice In Chains: o cabelo de Jerry, gravações e os pais de Layne5000 acessosRachel Sheherazade: ela aprendeu história ouvindo Iron Maiden3969 acessosLed Zeppelin: o primeiro álbum em versões de outros artistas

Sobre Lucas Matos

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online