Resenha - Animals - Pink Floyd

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maximiliano Francisco Brandalise Pezzini
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após dois álbuns de enorme sucesso, transições de uma fase extremamente psicodélica para um rumo mais fundado nas melodias de David Gilmour (Dark Side of the Moon – 1973, e Wish You Were Here – 1975), o Pink Floyd convenceu-se de que poderia voltar a ousar. Assim, em 1977, após cerca de 6 meses no estúdio, lançou o conceitual “Animals”, talvez o mais “Roger Waters” de todos os seus discos.
5000 acessosPink Floyd: a banda sustentou a família da atriz Naomi Watts5000 acessosGuitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn

“Animals”, em linhas gerais é um álbum absolutamente anti-comercial (apesar disso, vendeu cerca de 12 milhões de cópias). Duas faixas de menos de dois minutos, três com mais de dez. Quem o observa de forma desatenta e sem conhecer seu conteúdo pode imaginar que o Floyd estaria voltando ao formato sonoro de “Atom Heart Mother”, o famoso disco da vaca. Entretanto, "Animals" traz uma roupagem completamente diferente de tudo o que eles haviam feito até aquele momento.

O disco todo fundamenta-se no livro “A Revolução dos Bichos” de George Orwell, mas não limita-se a ele. Apesar de algumas sutis doses de sarcasmo, “Animals” é um trabalho sério, no qual o genial Waters expressa sua fúria contra a sociedade capitalista e os que detém o poder oprimindo injustamente os menos capacitados. Para desenhar esse mundo, o baixista e compositor divide as pessoas em três categorias animalescas, que levam os títulos das faixas dois, três e quatro ("Dogs", "Pigs" e "Sheep").

Para ele, “Pigs” são quem detém o poder, os políticos inescrupulosos, aqueles que controlam as massas. Waters refere-se a eles como pessoas sem coração, de atitudes falsas para ludibriar as outras classes e manter a aparência de que tudo está bem. Margareth Tatcher, ex-Primeira Ministra inglesa, é citada na música, assim como Mary Whitehouse, famosa moralista e inimiga do Pink Floyd.

Waters conceitua “Dogs” como os burgueses que fazem qualquer coisa para subir na vida, e quem sabe um dia tornarem-se “Pigs”. Trechos da música trazem claramente a forma maquiavélica pela qual agem para alcançar seus objetivos sórdidos (“A certain look in the eye, and an easy smile, You have to be trusted, By the people that you lie to, So that when they turn their backs on you ,You'll get the chance to put the knife in…”).

Outra interpretação trataria os “Dogs” os repressores, aqueles que, pelas ordens de outros ("Pigs"), usam o poder para manter a ordem. Sob esse prisma, “Pigs” e “Dogs” seriam aliados.

Entretanto, creio não ser essa a melhor visão. Primeiramente, o disco deixa claro que os “Dogs” desejam ardentemente tornar-se “Pigs”, e mostram-se inconformados por sua situação de ascendentes. Além disso, veja-se que na última estrofe de “Sheep”, Waters menciona que os “Dogs” teriam sido exterminados (certamente em função da ameaça que poderiam representar ao reinado dos “Pigs"), e que só teriam sobrado "Pigs" (dominantes) e "Sheep" (dominados).

Em outro trecho da música, Waters fala sobre o trágico fim dos “Dogs”: solitários, questionando-se sobre valores morais, e morrendo de câncer pelo remorso de seus atos. Curiosamente, mesmo após detonar os caninos, Waters, na segunda parte de “Pigs on the Wing”, refere-se a si mesmo como um “Dog”.

Por fim, o baixista traz ao público “Sheep”. A referência de ovelhas são para o povo, que sem querer e-ou poder pensar, segue fielmente e sem questionamentos os seus líderes. Waters usa termos como “submisso” e “obediente” para referir-se ao povo oprimido.

No curso da música, Waters faz menção a atos revolucionários para que as ovelhas deixem de ser um rebanho pacífico (“March cheerfully out of obscurity, Into the dream”), mas em seguida frustra as expectativas das ovelhas, alertando-as para a necessidade de submissão aos porcos, caso queiram sobreviver, já que os próprios “Dogs” teriam sido exterminados por causa de sua inquietude.

Também há explícitas referências ao Salmo 23, em “Sheep”, como uma clara crítica à Igreja e à forma pela qual a religiosidade age para tornar o povo submisso e seguidor de lideranças previamente determinadas.

Em relação a “Pigs on the Wing" (Partes 1 e 2), a primeira e a quinta faixa devem ser avaliadas juntas. Ambas são raríssimas declarações de amor de Waters à sua esposa, Caroline. Roger tenta dizer, em outras palavras, que apenas o amor e a mútua proteção podem protegê-los dos males causados pelos “animais” e pela sociedade como está posta.

Apesar do fundo político-social, e da constante busca das letras em evidenciar as desigualdades e a ganância, “Animals” também tem em sua musicalidade um ponto muito forte.

“Pigs on the Wing” trazem consigo uma suavidade intensa no dedilhar do violão e na voz levemente esganiçada de Waters, para introduzir (faixa 01) e fechar o disco (faixa 05), como se fossem uma casca, preparando o brilhante recheio.

“Dogs”, apesar dos seus 17 minutos, está muito longe de ser cansativa. Talvez seja a mais “floydiana” das faixas: a harmonia dos solos de Gilmour (ouça a música e diga se ela não vai preparando terreno para os solos), as distorções antes da parte final, a inigualável presença do baixo, os brilhantes questionamentos de Waters ao final...

“Pigs” e “Sheep” mantém uma linha rítmica mais constante. Novamente aqui David Gilmour faz a diferença, quer na magistral condução instrumental da primeira ou do frenético ritmo dos solos e riffs da última, onde Wright também aparece de forma destacada. Um amigo uma vez me disse que Gilmour toca com a alma, e suas mãos só executam o comando.

Animals é o melhor disco do Floyd? Não tenho a pretensão de fazer ninguém acreditar nisso, até por que sei que essa discussão é inútil, e também porque eu mesmo acredito que eles fizeram algo melhor, antes e depois da separação de Waters e Gilmour.

Entretanto, é um álbum que merece ser ouvido, avaliado, dissecado. Seu contexto, seu formato, sua musicalidade, o momento no qual foi gravado. Tudo remete à genialidade compositora de Waters e à sublime suavidade melódica de Gilmour, diametralmente opostos, mas ainda juntos, como dia e noite, como Grêmio e Inter, como cérebro e espirito. Sem dúvida, discoteca básica para qualquer amante do Rock’n Roll.

Álbum: Animals
Banda: Pink Floyd
Lançamento: 23 de janeiro de 1977

Faixas:
1 - Pigs on the Wing (part 1) - 1:25
2 - Dogs - 17:08
3 - Pigs (Three Different Ones) - 11:28
4 - Sheep - 10:20
5 - Pigs on the Wing (part 2) - 1:25

Perfil do autor:

Maximiliano tem 29 anos, é gaúcho e mora em Porto Alegre. Já foi radialista e advogado, mas hoje trabalha junto ao setor varejista. Seu gosto por rock'n roll começou por influência de amigos e principalmente de um de seus tios, que lhe apresentou o gênero, na adolescência. Gosta de todos os ramos do rock, em especial o clássico. Pink Floyd, Led Zeppelin, ACDC, Ramones, Eric Clapton, Neil Young, Pearl Jam, Elvis e Doors são as preferências e referências.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Animals - Pink Floyd

4010 acessosPink Floyd: influenciado pelo livro A Revolução dos Bichos5000 acessosPink Floyd: Estamos cercados por animais?5000 acessosTradução - Animals - Pink Floyd

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Pink FloydPink Floyd
A banda sustentou a família da atriz Naomi Watts

539 acessosRoger Waters: confira o vídeo de "Wait for Her"4300 acessosNando Moura: Pink Floyd - esquerdistas???1291 acessosRoger Waters: organização judaica acusa músico de ser antissemita0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pink Floyd"

CoverCover
15 bandas que são quase tão boas quanto o original

Pink FloydPink Floyd
Pintura lendária com música lendária do "Dark Side"

Pink FloydPink Floyd
As brincadeiras e enigmas nas capas dos álbuns

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Pink Floyd"

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

AnittaAnitta
"Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Filha ajuda o guitarrista a aprender "Holy Wars"

5000 acessosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All5000 acessosRock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos5000 acessosEm 25/09/1980: John Bonham, do Led Zeppelin, morre após intoxicação5000 acessosMegadeth: temas de filmes e desenhos que talvez você não conheça5000 acessosOzzy Osbourne: a última conversa com Lemmy Kilmister5000 acessosIron Maiden: desvendando a música "Paschendale"

Sobre Maximiliano Francisco Brandalise Pezzini

Max é gaúcho, coacher e responsável pelo blog www.rockrevista.blogspot.com. Sua paixão arrebatadora pelo rock'n roll vem desde a adolescência, quando seu saudoso padrinho os apresentou formalmente. Depois de devorarem alguns vinis, o mestre gravou para o aluno uma fita k7 gradiente com Elvis, Clapton, Dylan, Berry e Stones, entre outros "menos cotados". Desde então, o ritmo e todas as suas origens e vertentes fazem parte inseparável da sua vida, uma tatuagem indelével na sua alma. Escrever a respeito do rock é a sua maneira de agradecer todos os arrepios, suspiros, lágrimas e alegrias que cada riff, solo, distorção e melodia lhe proporcionaram até hoje.

Mais matérias de Maximiliano Francisco Brandalise Pezzini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online