Demonaz: Um cruzamento entre Bathory, Venom e Manowar

Resenha - March Of The Norse - Demonaz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Aguardado por muitos, está aportando no mercado brasileiro o primeiro trabalho solo do guitarrista Demonaz, personagem que, mesmo com uma lesão muscular, continua atuando nos bastidores e se mantém como elemento fundamental para perpetuar a estética Black Metal do Immortal. E “March Of The Norse” é mais um trabalho que reflete a forte personalidade que este músico sempre imprimiu nos discos em que participou.
Tony Iommi: John Bonham quebrou a bateria de Bill WardDave Mustaine: "tocar com o Metallica foi purificador"

Como o próprio Demonaz afirmou nas entrevistas que antecederam ao lançamento do álbum, “March Of The Norse” realmente pode ser considerado como um cruzamento entre Bathory, Venom e até mesmo sofrer influência dos primórdios do Manowar, além de muitos elementos compreensivelmente remeterem ao próprio Immortal. Mas, além disso, há uma maior ênfase às melodias, que são uma verdadeira homenagem ao ‘jeitão’ oitentista de se fazer Heavy Metal e até mesmo ao Rock´n´Roll propriamente dito.

Individualmente, as canções são interessantes, porém, em um contexto global persiste uma sutil sensação de repetição ao longo dos aproximadamente 40 minutos de audição, pelo simples fato de tudo geralmente possuir uma abordagem cadenciada. Faltou uma maior centelha de ousadia como o oferecido na melódica e grudenta “A Son Of The Sword” ou no impacto de “All Blackened Sky”, cujo sentimento épico a eleva tranquilamente ao posto de grande destaque do repertório.

Mas, independente de o Demonaz insistir em uma paisagem sonora por demais regular ou não conseguir evitar temas relacionados às montanhas geladas, lendas e antigos campos de batalha – o que poderá ser encarado como clichê por parte do público – ainda assim “March Of The Norse” convence pela sua atmosfera primitiva. Um lançamento nacional da Laser Company bastante recomendado!

Contato:
http://www.myspace.com/demonaz

Formação:
Demonaz Doom Occulta - voz
Abbath Doom Occulta - voz, baixo
Ice Dale - guitarra
Armagedda - bateria

Demonaz – March Of The Norse
(2011 - Nuclear Blast Records / Laser Company Records – nacional)

01. Northern Hymn
02. All Blackened Sky
03. March Of The Norse
04. A Son Of The Sword
05. Where Gods Once Rode
06. Under The Great Fires
07. Over The Mountains
08. Ode To Battle
09. Legends Of Fire And Ice
10. Dying Sun (faixa bônus composta em 1998)

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de March Of The Norse - Demonaz

Demonaz: Pode ser descrito como "o Bathory contemporâneo"Demonaz: Puro delírio para quem curte Bathory

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Demonaz"

Tony Iommi
John Bonham quebrou a bateria de Bill Ward

Dave Mustaine
"Tocar com o Metallica foi purificador"

Separados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima

Tempo implacável: os rockstars também envelhecem parte 2Bob Dylan: é dele a "Maior Música de Todos os Tempos"Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidasKiss: Tocar no Maracanã é como estar no fundo de um barrilIron Maiden: The Number Of The Beast na Rolling Stone em 1982Yngwie Malmsteen: novas bandas não se tornarão Astros do Rock

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online