Demonaz: Pode ser descrito como "o Bathory contemporâneo"

Resenha - March Of The Norse - Demonaz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Renato Spacek
Enviar Correções  

9


Demonaz foi um dos fundadores de um dos maiores grupos de Black Metal do mundo: o Immortal, porém o músico saiu da banda em 1997, quando teve problemas de saúde e não pode mais tocar guitarra, e em 2011 o músico vem com seu primeiro disco solo, porém como vocalista e compositor: March Of The Norse.

Abbath: Reunião com o Immortal "sim, é claro; mas tem que ser algo especial"Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1984

Sabe aquele Viking totalmente primitivo, cru e com nenhuma influência do Folk Metal? Afinal, o Viking Metal surgiu do Black Metal, e tendo em vista as letras, temáticas e atmosferas criadas por Demonaz em seu primeiro disco solo, podemos dizer que o álbum tem uma certa influência Viking, que em certas horas chega a se assemelhar ao Bathory.

Velocidade e peso são dois fatores que o Demonaz não deu muita ênfase nesse disco, e na minha opinião foi um lado bom, porque o disco não ficou maçante, repetitivo e chato, coisa que acontece com diversas bandas de Black Metal ao abusarem de tais recursos. E sobre os pontos Vikings citados por mim anteriormente: só pelo nome do disco podemos ver sobre o que se trata os temas líricos do CD, e isso sem contar os coros e backing vocals que lembram bastante o Bathory, criando aquela atmosfera característica do Viking, novamente como eu disse, primitivo, sem nenhuma influência do Folk.

Riffs um pouco melódicos, solos mais calmos, partes acústicas e guturais não tão agressivos amenizam um pouco a agressividade e "apedrejamento total" característico do Black Metal, que muitas vezes acaba sendo um incômodo. Uma belo trabalho, como eu já citei diversas vezes, pode ser descrito como "O Bathory contemporâneo".

1. Northern Hymn - 00:50
2. All Blackened Sky - 04:27
3. March of the Norse - 03:41
4. A Son of the Sword - 04:35
5. Where Gods Once Rode - 05:11
6. Under the Great Fires - 06:34
7. Over the Mountains - 05:07
8. Ode to Battle - 00:39
9. Legends of Fire and Ice - 04:24

Demonaz - Vocals
Ice Dale - Guitars and Bass
Armagedda - Drums


Outras resenhas de March Of The Norse - Demonaz

Resenha - March Of The Norse - DemonazResenha - March of the Norse - Demonaz



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Abbath: Reunião com o Immortal sim, é claro; mas tem que ser algo especialAbbath
Reunião com o Immortal "sim, é claro; mas tem que ser algo especial"

Power Metal: autor de inúmeras capas de discos acusado de matar e estripar o paiPower Metal
Autor de inúmeras capas de discos acusado de matar e estripar o pai


Immortal: fotos de Horgh se divertindo no BrasilImmortal
Fotos de Horgh se divertindo no Brasil

Luís Ricardo: rockstars mostram como se cospe fogo de verdade!Luís Ricardo
Rockstars mostram como se cospe fogo de verdade!


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1984Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1984

Heaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbumHeaven & Hell
Mistérios e autocensura na capa de álbum


Sobre Renato Spacek

Brasiliense e amante do Metal, reside no exterior e tem preferência pelos subgêneros Folk, Power e Groove, mas não se limita a isso, pois também aprecia outros estilos tais como Thrash Metal, Hard Rock, Glam Metal, Death Metal e Black Metal, mas é bem seletivo com os dois últimos. É baixista e conheceu o Rock através do KISS, em 1999, entretanto sua banda preferida é o Dream Theater. Fã de Tolkien, adora os Estados Unidos e a Suécia.

Mais matérias de Renato Spacek no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin