Steve Rothery: o lado B do Marillion e um excelente disco solo em SP

Resenha - Steve Rothery Band (Carioca Club, São Paulo, 06/12/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar Correções  

Eu francamente não esperava muito do show solo do Steve Rothery em São Paulo. Com cara de show de nicho – para fãs, realmente fãs do Marillion – não parecia que traria um grande público para o Carioca Club em plena quarta-feira. Rothery, porém, resolveu superar no som para agradar seus fãs mais hardcore, trazendo músicas que não costumam aparecer nos shows do Marillion e fazendo uma ótima apresentação do seu último disco solo. Confira abaixo os principais detalhes do show, com as imagens de Fernando Yokota.

Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

Aerosmith: Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O público realmente foi baixo, menor do que outros artistas de nicho do progressivo que tocaram recentemente no Brasil, como o Magma e o Adrian Belew. O show começou no horário combinado, com Rothery subindo ao palco com sua banda de apoio para tocar seu álbum solo "Ghosts of Pripyat". Abriu com "Morpheus", em uma belíssima apresentação do guitarrista. Seu som, com um misto de rock progressivo e umas pitadas de blues na guitarra, soou muito bem.

O equipamento da casa estava todo perfeito, e tudo extremamente preparado para entregar um show de extrema qualidade da banda. Foi bonito de ver como a guitarra de Rothery cortava com excelência sua música solo. O som é completamente diferente do estilo do Marillion, mostrando realmente toda a sua técnica e vivacidade no palco. É interessante ver como ele pretendia se desvencilhar do som que esta acostumado e entrar numa área mais técnica, mais virtuosa. Isso fica claro em músicas como "Old Man of the Sea".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seu set próprio terminou rapidamente com o toque blues de "Summer’s End". Teria sido bom que o disco tivesse continuado, pois a apresentação solo de Rothery, apenas no instrumental, foi de excelência. Alguns minutos depois, já com vocalista no palco, a banda começou um set do Marillion com "Slàinte Mhath" e a raridade "Cinderella Search". A banda de apoio mostrou boa qualidade no cover da banda. O vocal se sobressalta, mas infelizmente não se compara a Fish ou Hogarth, deixando o show um pouco a desejar.

Outras músicas que não veem as turnês do Marillion há muito tempo foram "Fugazi", "Incubus" e "Chelsea Monday", todas da era-Fish. A primeira foi muito bem recebida pelo público, e o seu som mais firme nas guitarras e o ótimo trabalho do baterista revelam um Marillion com uma pegada mais forte, puxada pelas guitarras sensacionais de Rothery. "Incubus" ainda teve um potente e lindo solo de guitarra, que levantou o público.

Para o bis, a banda resolveu sacar alguns dos maiores sucessos do Marillion. Primeiro veio com "Kayleigh". O público aplaudiu e cantou junto com a banda, na primeira performance mais próxima dos fãs durante o show. O solo aqui também foi primoroso, extasiante, mostrando como Rothery consegue fazer suas rendições de uma maneira interessante, sem se focar exclusivamente em manter o som original da banda.

"Heart of Lothian" veio com uma bela pegada de heavy metal, em uma excelente sequência musical. A épica "Sugar Mice" veio em seguida, para então o fechamento do show com uma bela e emocionante rendição de "Wish You Were Here", do Pink Floyd. Público cantou junto e aplaudiu com vontade Rothery.

O show, no geral, foi bastante positivo. Rothery não conseguiu se desprender do nome Marillion o bastante para atrair um público mais vasto para o estilo de música solo que ele toca – o que é uma pena, pois seu trabalho solo realmente é muito legal e não tem nada a ver com o que é produzido pelo Marillion. Vale a pena dar uma chance ao "Ghosts of Pripyat" para aqueles que curtem um rock clássico, voltado para as guitarras.

Setlist:
Parte 1 – Ghosts of Pripyat
1. Morpheus
2. Kendris
3. Old Man of the Sea
4. Summer's End
Parte 2 – Marillion
5. Slàinte Mhath (música do Marillion)
6. Cinderella Search (música do Marillion)
7. Fugazi (música do Marillion)
8. Incubus (música do Marillion)
9. Chelsea Monday (música do Marillion)
10. Afraid of Sunlight (música do Marillion)
11. White Russian (música do Marillion)
Bis:
12. Kayleigh (música do Marillion)
13. Lavender (música do Marillion)
14. Heart of Lothian (música do Marillion)
15. Sugar Mice (música do Marillion)
16. Wish You Were Here (cover do Pink Floyd)

Comente: Esteve lá? O que achou?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityGuns e Sabbath
Semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

Aerosmith: Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiroAerosmith
Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280 GooInArt GooLinksQuad