Marillion: Duas horas cravadas de música da melhor qualidade

Resenha - Marillion (HSBC Brasil, São Paulo, 09/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Poucos estilos de rock souberam incorporar novos elementos à sua sonoridade tão bem quanto o rock progressivo. E dentre as bandas da velha guarda, talvez o melhor exemplo disso seja o Marillion. Com seus mais de 30 anos de existência, presenciar uma apresentação do quinteto britânico é presenciar uma verdadeira palheta de cores e sensações diferentes, uma experiência única que só a boa música pode proporcionar.

819 acessosMarillion: Mais um grande registro dos ingleses5000 acessosNargaroth: "Brasileiros, deixem meus músicos em paz!"

Talvez a síntese perfeita deste ecletismo todo seja justamente "Gaza", a mais longa faixa do último trabalho do grupo ("Sounds That Can't Be Made"), escolhida para abrir as apresentações desta "Best Sounds Tour". De um começo que flerta abertamente com o prog metal, passando por diversas variações, foi um pontapé inicial ousado, para se dizer o mínimo. Algo marcante desde esse começo era o prazer estampado na cara de cada um dos músicos em estar ali no palco.

Talvez no mundo da música o Marillion seja uma das poucas bandas antigas em atividade que estampe tão bem a máxima de Steve "Apple" Jobs: "A única maneira de se fazer um bom trabalho é amando o que você faz". E é exatamente essa sensação escancarada de prazer de tocar que torna os shows desse quinteto tão especiais - ver profissionais que estão ali, fazendo o que gostam e porque gostam, e não por obrigação ou para cumprir contrato.

Que o diga Steve Hogarth. O homem é o êxtase encarnado em cima do palco. Incorpora personagens, representa os sentimentos passados pelas letras das músicas, interage com a plateia o tempo todo. A ponto de pegar um copo de bebida de um fã e tomar um gole ou deixar que estes toquem em seus instrumentos... Até mesmo o sisudo Steve Rothery se mostra mais solto, caminhando pelo palco e sorrindo entre um e outro de seus solos classudos... O fantástico Mark Kelly, um dos tecladistas mais subestimados da história, era uma simpatia só, assim como Pete Trewavas e Ian Mosley, uma das cozinhas mais eficientes do progressivo.

O repertório desta apresentação em São Paulo foi perfeitamente de acordo com o título da turnê, que pretende fazer um desfile de alguns dos melhores momentos de sua extensa carreira. Teve para todos os gostos. As mais emocionais, como "No One Can" e "Beautiful", as mais animadas ("Man Of A Thousand Faces", com uma interação sensacional do público, "Cover My Eyes" e "Hooks In You"), momentos mais viajantes com "Power" e "This Strange Engine". E, claro, os momentos de maior êxtase, com alguns dos maiores clássicos da banda. Se "Easter" já foi de cara a segunda música da noite, o melhor ainda estava por vir...

A dobradinha "Warm Wet Circles/That Time Of The Night", no México foi revezada no bis com a trinca "Kayleigh/Lavender/Heart Of Lothian". Eis que naquela noite para deleite dos milhares ali presentes, houve a grata surpresa da execução das duas primeiras ainda na primeira parte do set, arrancando arrepios e lágrimas de muita gente, num dos momentos mais marcantes do show.

Obviamente a tríade do álbum "Misplaced Childhood" foi guardada para a volta ao palco. E foi durante "Lavender" que a interação público/banda atingiu seu auge, com milhares de vozes cantando na íntegra esse clássico.

De alma lavada, os fãs ainda teriam um segundo bis, com a ótima "Neverland", e Steve Hogarth reproduzindo seus ecos fielmente, além da guitarra sentimental de Steve Rothery e suas marcantes linhas sonoras. Pronto! Duas horas cravadas de música da melhor qualidade, ainda melhor e mais empolgante do que a já excelente apresentação de dois anos atrás. Coisas que somente quem gosta de seu trabalho e o faz com prazer é capaz de transmitir...

Vida longa ao Marillion!

Setlist:
1. Gaza
2. Easter
3. Beautiful
4. Power
5. Man of a Thousand Faces
6. No One Can
7. Warm Wet Circles
8. That Time of the Night (The Short Straw)
9. Cover My Eyes (Pain and Heaven)
10. Hooks in You
11. This Strange Engine

1° Bis:
12. Kayleigh
13. Lavender
14. Heart of Lothian

2° Bis:
15. Neverland

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Marillion (HSBC Brasil, São Paulo, 09/05/2014)

1552 acessosMarillion: Ostentando um ótimo e atual progressivo no show em SP

819 acessosMarillion: Mais um grande registro dos ingleses0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Marillion"

Mike PortnoyMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo

Classic RockClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Iron MaidenIron Maiden
Conheça outras capas do criador de The Book Of Souls

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de maio de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Marillion"

NargarothNargaroth
"Brasileiros, deixem meus músicos em paz!"

TraduçãoTradução
O clássico Fear Of The Dark, do Iron Maiden

Kerry KingKerry King
"Não acho que Jeff e eu éramos melhores amigos."

5000 acessosRacismo: Gritar "Black Power" não é a mesma coisa que gritar "White Power"5000 acessosDeep Purple: As mais de cem bandas dos integrantes5000 acessosJimi Hendrix: 12 coisas que talvez você não saiba sobre ele5000 acessosA Flauta no Progressivo5000 acessosMelhores de 2014: as escolhas do redator Samuel Coutinho5000 acessosPink Floyd: Dark side of the... rainbow?

Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online