RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemBruce Dickinson explica por que não recebeu créditos em "The Number Of The Beast"

imagemO hit da Legião Urbana com triste frase que resume a profunda solidão de Renato Russo

imagemJames Hetfield relembra o momento em que teve que decidir entre o metal e o futebol

imagemOs comentários que staff gringa do Rock in Rio 1985 fizeram a Rita Lee e Lulu Santos

imagemA atitude de fã brasileiro do HIM que deixou baixista chateado no Rio de Janeiro

imagemIron Maiden repete setlist no segundo show de sua nova turnê

imagemQuem foi a primeira grande paixão de Cássia Eller?

imagemVeja o último ensaio de Nick Menza, David Ellefson e Dave Mustaine juntos

imagemA referência direta ao King Crimson que Legião Urbana deixou em capa de disco clássico

imagemFã pergunta por que familiares do Nightwish não estão na internet e recebe resposta direta

imagemIron Maiden: conheça 5 curiosidades incríveis sobre Alexandre, o Grande

imagemMarcelo Barbosa explica os defeitos de design do modelo Les Paul de guitarra

imagemJoão Gordo revela único dos projetos de Andreas Kisser que ele não gosta de jeito nenhum

imagem25 álbuns de rock sem nenhuma música ruim, segundo a Loudwire

imagemPróximo disco da banda Crypta será lançado em agosto; confira capa e música nova


Stamp

Hypocrisy: Um som forte e melódico com muita maestria

Resenha - Hypocrisy (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 22/04/2014)

Por Ulisses Araujo
Postado em 25 de abril de 2014

Até agora ainda não consegui achar as palavras certas para descrever o que foi o show do HYPOCRISY na ultima terça feira no ótimo teatro odisséia, mais tentarei relatar aqui nesse espaço da melhor maneira possível.

Não vou deixar de frisar a qualidade do som da casa que foi de primeira como é de costume em shows no teatro odisséia. Logo que os mestres do Death metal melódico subiram ao palco já foi um turbilhão de distorções, gritos e muito ódio urrado pelo o mestre Peter Tägtgren.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Começaram o show com a nova "End of Disclosure" do disco homônimo lançado em 2013 que já mostrou o que seria essa noite, em um clima sombrio e pesado seguiram com "Tales of The Spineless" também do recente trabalho.

Não demorei muito a notar que a casa que tinha um bom público já era dominada pelos suecos, que seguiram com sua "desgraceira" sonora ao som de "Fractured Millennium" e "Killing Art". Também temos que falar da qualidade do baixista Mikael Hedlund que com suas linha precisas ditava o ritmo como um maestro em uma opera.

Nas músicas "The Eye" e "Valley of The Damned" a linha melódica da banda ficou nítida, cada nota era cantada e gritada em coro por todos ali presentes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

A banda percebendo o calor da platéia e sua empolgação aproveitava disso e não perdia tempo falando aquelas mesmices de sempre e atacava um petardo após o outro. Seguiram com "Fire In The Sky" e a trinca "Pleasure Of Molestation","Oscolum Obscenum" e "Penetralia".

A galera realmente foi a loucura quando vieram as clássicas "Buried" e "Elastic Inverted Visions", logo em seguida voltaram com mais uma do trabalho atual "44 Double Zero" que teve ótima recepção da platéia, até porque para o que vos escreve é uma das melhores desse álbum.

Bom, como tudo que é bom dura pouco, o show estava chegando ao final, Peter e sua trupe escolheram bem esse final com as ótimas "War-Path" e "The Final Chapter".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

E outra tradição mantida foi a volta para o bis, e essas foram as matadoras da noite "Roswell 47" , "Adjusting The Sun e a maravilhosa "Eraser" fechando de vez a participação dos suecos na cidade maravilhosa.

Uma coisa tem quer ser dita, os suecos do HYPOCISY tem que voltar logo ao Brasil e especialmente ao Rio, porque nós não merecemos ficar muito tempo sem ver um show com um som tão forte e melódico assim, que esses caras com certeza fazem com muita maestria.

Set List:

End of Declosure
Tales of Thy Spineless
Fractured Millennium
Killing Art
The Eye
Valley of The Damned
Fire in The Sky
Pleasure of Molestation/Osculum Obscenum/Penetralia
Buried
Elastic Inverted Visions
44 Double Zero
War-Path
The Final Chapter

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Encore:

Roswell 47
Adjusting The Sun
Eraser

Line-up
Peter Tägtgren – Vocal & Guitarra
Mikael Hedlund – Baixo
Reidar "Horgh" Horghagen – Bateria

Músico de apoio:
Tomas Elofsson – Guitarra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Suécia: 20 bandas de metal que não são nem de Gotemburgo, nem de Estocolmo

Lindemann: Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surra


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Facchini Medeiros | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ulisses Araujo

Ulisses Araujo é um carioca da gema, amante do melhor estilo musical já criado em todos os tempos, mas voltado para o Heavy Metal e os Clássicos do Rock dos anos 60, 70,80 e 90. DJ Nas horas vagas, e agora um dos colaboradores do Whiplash. Tudo começou no final dos anos 90, quando uma dupla de irmãos apresentou dois discos: "Better Than Raw", do HELLOWEEN, e o outro foi o primeiro disco do THE DOORS, aí começou toda a loucura.
Mais matérias de Ulisses Araujo.