Gotthard: banda apresenta novo álbum em show em Zurique

Resenha - Gotthard (Volkshaus, Zurique, 11/04/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Juliana Mourisca
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

No dia 11 de Abril os suíços do Gotthard apresentaram seu novo álbum Bang com um show em Zurique na casa de show Volkshaus.

346 acessosGotthard: banda lança vídeo de "Miss Me"5000 acessosDuff McKagan: "Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"

Depois de ter visto o Gotthard em 3 shows, onde em nenhum era headliner (Live in Louder, ainda com Steve Lee em 2006, com Unisonic em SP e no Hellfest - França em 2012), vê-los tocar um show completo em sua terra natal foi interessante.

Antes de ir ao show, me preparei ouvindo o novo álbum várias vezes (graças ao Spotify) e confesso que a primeira vez que ouvi (ou segunda, terceira) quase nada me chamou a atenção. Não sabia muito o que esperar daquelas músicas ao vivo. Algumas deram certo outras não.

O show começou com 15 minutos de atraso. A casa estava lotada de pessoas de todas as idades. Desde a criança de 12 anos com os pais (todos com camisetas do Wacken) até o “gerente da empresa”. Imagino que o Gotthard seja para a Suíça o que o Angra é para o Brasil.

A casa de shows é do mesmo tamanho do Carioca Club em São Paulo. Cerca de 1200 pessoas presentes. O palco é um pouco maior e tinha como fundo um telão de leds com imagens relativas as músicas passando o tempo todo.

O show começou com a intro do novo álbum “Let Me in Katie” e a música título “Bang!”. Essa música foi uma das que queria muito ver ao vivo e ela deu muito certo. O refrão fica na cabeça e você sai do show cantando “Bang Bang Bangin’ around Bangin’ around the world”.

Em seguida veio “Get Up ’N’ Move On” e “Feel What I Feel” também do novo álbum. A primeira não é a mais criativas das músicas. Tirando o refrão, parece que eu já ouvi a mesma música com outras bandas de Hard Rock. Já “Feel What I Feel” é um pouco mais criativa mas não tem aquela animação bacana. Não é uma música pra pular e curtir loucamente mas também não é balada. Ela fica no limbo.

Logo depois veio a tradicionalíssima Hush, que até hoje eu achava ser um cover de Deep Purple (para os desavisados como eu, a do Deep Purple já é cover; a original é de Billy Joe Royal). Essa todo mundo sabia cantar e levantou o público um pouco.

As duas seguintes são do álbum anterior e de estreia do vocalista Nic Maeder que substituiu Steve Lee (1963-2010): “Right On” e “Remember It’s Me”. A próxima foi outra balada do álbum Homerun “Heaven”.

Antes de apresentarem a próxima música, Leo Leoni entra com um acordeom no palco e tenta tocar alguma coisa. Nada sai e isso me assusta um pouco. Logo entra o músico original (que infelizmente não sei o nome) pega o acordeom de volta e senta ao lado de Nic Maeder. Não fazia idéia do que viria, quando começa a nova balada “C’est la Vie”. Ficou linda e foi uma apresentação maravilhosa.

Seguindo vem “Mountain Mama” do álbum Dial Hard e “Spread Your Wings” de Bang. Essa última não deu muito certo ao vivo. Por mais que eu goste de ouvi-la, no show ficou faltando algo. Não animou.

Vem então as clássicas “Lift You Up” e “Anytime Anywhere”. Se o show tivesse sido no Brasil, provavelmente o local teria ido abaixo com essas duas, mas o público suíço é comportado até demais. O público só “canta” junto. Eles não “gritam” junto, que é o que faz dos shows brasileiros serem muito mais divertidos.

Pensei que esse fosse o fim do show e estava desapontada por não terem tocado “One Life, One Soul”. Eu deveria ter mais fé. Logo voltam para o primeiro bis e começam com ELA: “One Life, One Soul”. Lindíssima como sempre. Esta foi então seguida por “Sister Moon” e “Starlight”.

Achei estranho terminarem com “Starlight”. Ela é relativamente nova, longe de ser uma clássica, mas eles voltam para o segundo bis com “Top of the World” e finalizam, depois de quase duas horas com o terceiro bis e outro cover: “The Mighty Quinn”.

Foi um bom show. O som começou meio estranho pois a voz de Nic Maeder estava muito baixa. Em princípio achei que ele estava “fraco”, mas depois deram um jeito no som e a voz dele melhorou consideravelmente e apesar de não ser um Steve Lee, ele dá conta do recado.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Setlist:

1. Let Me in Katie 
(Intro)
2. Bang! 

3. Get Up 'n' Move on 

4. Feel What I Feel 

5. Hush 
(Billy Joe Royal cover)
6. Right On 

7. Remember It's Me 

8. Heaven 

9. C'est La Vie 

10. Mountain Mama 

11. Spread Your Wings 

12. Lift U Up 

13. Anytime Anywhere 

Bis:
14. One Life, One Soul 

15. Sister Moon 

16. Starlight 

Bis 2:
17. Top of the World 

Bis 3:
18. Quinn the Eskimo (The Mighty Quinn) 
(Bob Dylan cover)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 13 de abril de 2014

346 acessosGotthard: banda lança vídeo de "Miss Me"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Gotthard"

AdeusAdeus
O último show de 10 rockstars que morreram nesta década

Top 10Top 10
Músicas boas "escondidas" em discos não tão bons

Rock And Roll Hall Of FameRock And Roll Hall Of Fame
10 bandas elegíveis para 2018

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Gotthard"

Duff McKaganDuff McKagan
"Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"

Sexo e SatãSexo e Satã
As mensagens subliminares em capas de Rock

Iron MaidenIron Maiden
Conheça o West Ham, time do coração de Steve Harris

5000 acessosSpin Magazine: as maiores baixarias da história do rock5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss5000 acessosCornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas canções5000 acessosMetallica: e se a banda usasse uma afinação mais baixa?5000 acessosJason Newsted: ele nunca teve chance no Metallica5000 acessosNikki Sixx: "um conselho, tente não cheirar a Colômbia"

Sobre Juliana Mourisca

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online