RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words


Gilby Clarke: guitarrista faz show morno em Uberlândia

Resenha - Gilby Clarke, Dr. Sin, Killer Klowns (Rock'n Beer, Uberlândia, MG, 16/11/2013)

Por Igor Miranda
Fonte: Revista Cifras
Postado em 17 de novembro de 2013

O festival Uberlândia Riff aconteceu neste final de semana prolongado, em Uberlândia (MG). A cidade do interior de Minas Gerais contou com apresentações gratuitas de bandas locais na quinta (14) e sexta (15). No primeiro dia, tocaram Arnaldo Terra e Black Jack 21. Já no segundo, os shows foram de Muñoz e SkyHell.

No sábado (16), data a qual este texto se refere, o evento contou com shows do guitarrista Gilby Clarke (ex-Guns N' Roses) acompanhado dos irmãos Andria e Ivan Busic, do Dr. Sin - banda que também se apresentou. A abertura ficou por conta dos uberlandenses do Killer Klowns.

Na ocasião, foi cobrado um valor de R$ 30 pelo ingresso - mais barato do que nos outros concertos da turnê brasileira de Clarke e irmãos Busic, que também passou por Goiânia, São Paulo e Rio de Janeiro. Em Uberlândia, no entanto, o evento contou com incentivo da Prefeitura Municipal.

Após atraso de mais de 1h para abertura da casa de shows Rock'n Beer, o evento teve início, com alteração no cronograma: o Dr. Sin, que faria a abertura, teve de ser a segunda banda, enquanto o Killer Klowns iniciou os trabalhos.

Conheço e acompanho de perto o trabalho do Killer Klowns desde o início e posso garantir que a evolução que a banda vem tendo ao longo dos anos é notável. O quarteto, que mudou de vocalista e baixista durante sua trajetória, começou com dois EPs bastante orientados para o hard rock.

Mas desde seu primeiro álbum full-length, "Rollercoaster Ride", é possível perceber a ampliação do leque de influências, com flertes ao rock clássico e, principalmente, ao heavy metal. Agora, mais do que nunca, eles soam pesados, e isso tem se refletido nos palcos - o que, pra mim, é ótimo.

O Dr. Sin veio em sequência, com mais atrasos e alguns problemas de som na guitarra de Edu Ardanuy. Nada disso, porém, tirou o brilho do show da banda, que foi reduzido e contou com apenas cinco músicas: "Animal", "Lady Lust", "Time After Time", "Fire" e "Emotional Catastrophe".

O curto show, no entanto, foi bastante para deixar o público eufórico. Novamente, foi comprovando que, juntamente do Sepultura, o Dr. Sin é a melhor banda brasileira de metal em atividade.

Dois terços do Dr. Sin retornaram ao palco com Gilby Clarke: Andria e Ivan Busic, respectivamente no baixo e na bateria. O aguardado show, no entanto, não me convenceu. A performance foi bastante morna. Não sei se aconteceu nas outras cidades que receberam Clarke, mas ele parecia estar cumprindo tabela. Andria e Ivan, já não estavam tão empolgados como no concerto anterior.

A plateia, de início, parecia não entender muito o que acontecia - justamente pelo repertório constituído majoritariamente com músicas da carreira solo do ex-GNR. É fato que muitos compareceram e fizeram alarde pela "grife" do guitarrista. Clarke também não fez muito esforço para animar o público. Depois, com alguns covers mais consagrados de "It's So Easy" (Guns N' Roses) e "Dead Flowers" (Rolling Stones), o pessoal se localizou.

[an error occurred while processing this directive]

A apresentação de Clarke, ao meu ver, decepcionou. As músicas de sua carreira solo são boas, mas dependem de energia ao vivo para realmente funcionarem. Justamente porque fazem o tipo de "arena rock", com riffs fáceis, guitarras ao estilo rock clássico e melodias grudentas.

Para ajudar, o ex-GNR também teve problemas com seu equipamento. Um dos momentos aconteceu durante uma terrível versão de "It's Only Rock N' Roll", curiosamente da banda que Clarke diz ser a sua predileta: os Stones.

[an error occurred while processing this directive]

O evento em si não foi uma completa decepção, mas além dos atrasos, contou com um local mal escolhido: o Rock'n Beer não tem capacidade para receber este tipo de evento, por ser pequeno, contar com um palco minúsculo, não ter telões e ter a pista reta - quem ficou a 5 metros do palco, não conseguiu ver muito. Para quem estava próximo, como eu, houve o contraponto: ver os shows de tão perto foi uma experiência positiva.

É provável que exista a segunda edição do Uberlândia Riff, no ano que vem. O evento tem meu total apoio, pela iniciativa de trazer grandes atrações para uma cidade de médio porte, do interior - que provou ter bom público, porém pouco explorado por produtores. Mas as críticas construtivas em relação à realização deste precisam ser absorvidas.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.