The Cure: show com mais de 3 horas e 40 músicas em SP

Resenha - Cure (Arena Anhembi, São Paulo, 06/04/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jorge A. Silva Junior
Enviar Correções  

Os fãs esperaram 17 anos por uma apresentação da banda inglesa The Cure em São Paulo. O grupo liderado por Robert Smith não dava as caras por aqui desde o extinto festival Hollywood Rock (1996). E assim como prometeu o vocalista em diversas entrevistas durante a semana, a banda compensou esse tempo com um show de 3h20 e 40 músicas neste sábado (6), na Arena Anhembi, em São Paulo.

Behemoth: banda anuncia EP e divulga improvável cover de música do The Cure

Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileira

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A segunda apresentação do Cure no Brasil em 2013 - a primeira aconteceu no Rio de Janeiro na quinta-feira (4) - levou cerca de 30 mil pessoas ao Anhembi, segundo informações da organização. Robert Smith e sua trupe iniciaram a maratona musical às 20h10 em meio à escuridão e fumaça que tomavam conta do palco.

"Open" e "High", ambas do álbum 'Whish' (1992), abriram o show que ainda demoraria um pouco para engrenar, visto que grande parte do público não demonstrava o mesmo interesse dos poucos, porém fiéis fãs da banda.

Com 53 anos e usando o mesmo visual da década de 1980 - cabelos armados, maquiagem dark e trejeitos característicos -, Smith continua com o mesmo timbre de voz e notável competência como frontman.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sinal de euforia entre os presentes, no entanto, só apareceu na sétima música da noite, "Just Like Heaven", e em alguns momentos depois, durante "Pictures Of You", "Lullaby" e "Fascination", trinca do álbum 'Disintegration' (1987):

Com mais de duas horas sem intervalo, a primeira parte da apresentação ainda contou com os singles "The Walk" (Japanese Whispers, 1983) e "Wrong Number" (Galore, 1997), além do hit radiofônico "Friday I'm Love", o ponto alto para o público até o momento.

No primeiro bis, o Cure alterou as três canções em relação ao que foi tocado no Rio dois dias antes. Na capital paulista entraram no repertório "The Kiss", "If Only Tonight We Could Sleep" e "Fight", todas do álbum 'Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me' (1987).

Quando a última parte do show começou, às 22h50, muita gente deixava pista premium como se a noite já tivesse terminado. Ledo engano, afinal o Cure ainda tinha nada menos que 10 músicas engatilhadas.

Fato curioso aconteceu nas primeiras notas de "Boys Don't Cry", maior sucesso da carreira do grupo. Praticamente todos que deixavam o local voltaram correndo para pular, dançar e cantar a música que, para eles, resumiu a noite. Há controvérsias.

"Nos vemos em breve", disse Robert Smith ao sair do palco.

The Cure em São Paulo
Data: 06 de abril de 2013 (sábado)
Local: Arena Anhembi
Duração: 3h20

SET LIST:

1. Open (Wish, 1992)
2. High (Wish, 1992)
3. The End Of The World (The Cure, 2004)
4. Love Song (Disintegration, 1989)
5. Push (The Head On The Door, 1985)
6. In Between Days (The Head On The Door, 1985)
7. Just Like Heaven (Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, 1987)
8. From The Edge Of The Deep (Wish, 1992)
9. Pictures Of You (Disintegration, 1989)
10. Lullaby (Disintegration, 1989)
11. Fascination Street (Disintegration, 1989)
12. Sleep When I’m Dead (4:13 Dream, 2008)
13. Play For Today (Seventeen Seconds, 1980)
14. A Forest (Seventeen Seconds, 1980)
15. Banana Fishbones (The Top, 1984)
16. Shake Dog Shake (The Top, 1984)
17. Charlotte Sometimes (Single, 1981)
18. The Walk (Japanese Whispers, 1983)
19. Mint Car (Wild Mood Swings, 1996)
20. Friday I'm In Love (Wish, 1992)
21. Doing The Unstuck (Wish, 1992)
22. Trust (Wish, 1992)
23. Want (Wild Mood Swings, 1996)
24. The Hungry Ghost (4:13 Dream, 2008)
25. Wrong Number (Galore, 1997)
26. One Hundred Years (Pornography, 1982)
27. End (Wish, 1992)

BIS 1

28. The Kiss (Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, 1987)
29. If Only Tonight We Could Sleep (Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, 1987)
30. Fight (Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, 1987)

BIS 2

31. Dressing Up (The Top, 1984)
32. The Love Cats (Japanese, 1983)
33. The Caterpillar (The Top, 1984)
34. Close To Me (The Head On The Door, 1985)
35. Hot Hot Hot (Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, 1987)
36. Let’s Go To Bed (Whispers, 1983)
37. Why Can’t I Be You (Kiss Me, Kiss Me, Kiss Me, 1987)
38. Boys Don´t Cry (Single, 1979)
39. Saturday Night (Three Imaginary Boys, 1979)
40. Killing An Arab As Another (Single, 1978)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Behemoth: banda anuncia EP e divulga improvável cover de música do The Cure


Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Ultimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os temposUltimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos


Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileiraVeraneio Vascaína
Uma ácida crítica à polícia brasileira

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaSlash
Guitarrista fala sobre a origem da sua cartola


Sobre Jorge A. Silva Junior

Jorge Junior é paulistano, jornalista diplomado e colaborador do Whiplash.Net desde 2009. Tem mais de 400 matérias e notas publicadas, que somam aproximadamente um milhão e meio de acessos. Também realizou a cobertura de shows de grande porte, entre eles Ringo Starr, Eric Clapton, Deep Purple, System Of A Down, Red Hot Chili Peppers e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no Twitter: @jorgejunior85.

Mais matérias de Jorge A. Silva Junior no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline WhipDin