Kiss: uma verdadeira celebração Rock N' Roll em São Paulo

Resenha - Kiss (Arena Anhembi, São Paulo, 17/11/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em sua quinta passagem em terras brasileiras (as outras foram em 1983, 1994, 1999 e 2009), o KISS também se apresentaria pela quinta vez em São Paulo - única cidade a receber shows de todas as turnês brasileiras da banda. Com energias renovadas após o recém-lançado Monster, vigésimo trabalho de estúdio do grupo, bem como uma nova estrutura de palco a ser apresentada, a noite do dia 17 de novembro de 2012 tinha tudo para ser inesquecível.

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneLed Zeppelin: a inspiração por trás de "Kashmir"

O Viper deu início aos trabalhos. A banda, reunida com Andre Matos para comemorar os vinte e cinco anos do lançamento do debut Soldiers Of Sunrise, se apresentou muito bem. Atrações de abertura sempre contam com a difícil tarefa de envolver o público mesmo com recursos limitados, como iluminação básica - o tempo inteiro seguindo apenas Andre - e baixa qualidade de som - as guitarras de Felipe Machado e Hugo Mariutti se embolavam com a voz principal e o baixo de Pit Passarell estava mais alto que tudo.

Há quem critique, mas a banda fez bonito no geral. As três músicas de encerramento se destacaram - positivamente ou negativamente. Na ordem: "Living For The Night", com bela intro e boa execução instrumental; "Rebel Maniac", sempre energética e única representante da fase sem Andre no repertório; e "We Will Rock You", na péssima versão que o grupo já deveria ter deixado de lado há um bom tempo. Na última, o público chegou a cantar "I Love It Loud" durante o icônico início na bateria. Infelizmente, a reunião teve um aspecto meramente comemorativo e termina no mês que vem.

A apresentação de abertura teve fim por volta das 21:00h e a expectativa consumiu os milhares de fãs presentes até por volta de 21:45h. Com poucos minutos de atraso, cortina quase sendo levantada pelo vento frio da capital paulista e a voz ensurdecedora do clássico anúncio "you wanted the best", o KISS começou mais um de seus espetáculos.

Me recuso a dizer que o KISS fez um show, uma apresentação ou um concerto. O quarteto comandado por Paul Stanley e Gene Simmons providenciou um verdadeiro espetáculo, com iluminação de primeira categoria, telões gigantescos (um deles em configuração HD posicionado no próprio palco), lança-chamas em cima do palco, explosões, momentos teatrais e muitos, mas muitos fogos de artifício.

"Detroit Rock City" abre a noite com muita classe. Paul Stanley não faz mais contorcionismos com a voz como antigamente, mas também não desafinou como em outras recentes apresentações. "Shout It Out Loud" deu sequência e tirou todo mundo do chão, com sua atmosfera altamente festiva e proposta digna de levantar arenas. Não conferi a transmissão feita pelo Terra, mas me disseram que os microfones falharam. Provavelmente só no livestream, pois ocorreu tudo tranquilamente para quem assistia no Anhembi.

"Calling Dr. Love" permite que Gene Simmons tome as rédeas da situação. O entrosamento da banda é cada vez mais nítido. Os instrumentistas sequer se olham. Dádiva de Tommy Thayer e Eric Singer, muitíssimo competentes. Escolhas totalmente acertadas para o KISS do século XXI. Duas novas canções, diretamente de Monster, seguem: "Hell Or Hallelujah" e "Wall Of Sound". A primeira obviamente contou com maior participação da plateia, por ter sido o single inicial do registro.

"Hotter Than Hell" deixou o local, de fato, mais quente que o inferno. Aqueles que estavam mais próximos do palco sentiam o calor das chamas. Animações no telão estavam repletas de fogo. Ao fim, Simmons executou o seu clássico número de sopro de fogo. "I Love It Loud", clássica, deu continuidade ao espetáculo, conduzindo o coro dos milhares de fãs. Tommy Thayer deu uma de frontman em "Outta This World", terceira e última nova canção a ser executada. Cantou bem e teve boa interação com o público, apesar de sua natureza ser de guitarrista e não de líder de banda.

Emendado à canção, tivemos o momento solo de Thayer e Eric Singer. Inicialmente, em dupla. Posteriormente, com destaques respectivamente para Tommy, que soltou fogos do headstock de sua guitarra Les Paul, e Eric, que disparou um tiro de bazuca e tentou dar uma de Paul Stanley ao berrar o nome da cidade na qual estava no momento. Cada vez mais desenvoltos e carismáticos em cima do palco, os dois se destacaram incrivelmente durante o espetáculo.

Depois dos "empregados", era a vez de um dos "chefes". Em mais um ato clássico e espetacular, Gene Simmons levou os fãs à loucura ao executar o seu solo de baixo, que, intencionalmente, tem mais teatralidade do que instrumento mesmo. Primeiramente, o Demon "cospe sangue" para depois "voar" para o topo do palco. A produção de palco é simplesmente incrível. Todo esse prelúdio serve para deixar todos no clima de "God Of Thunder" - talvez a música que tenha ficado mais adequada com a afinação em D (um tom abaixo do padrão), que passou a ser adotada durante a The Tour com o Mötley Crüe, ainda neste ano.

Duas das maiores surpresas do repertório, na minha opinião, vieram a seguir. Não por ineditismo, pois soube que já estavam sendo executadas em datas anteriores. No entanto, são duas músicas que deveriam ter cadeira cativa nos setlists do KISS desde seus lançamentos. "Psycho Circus" conseguiu a façanha de nascer clássica. Foi pouco tocada após a turnê Farewell, que na verdade era uma grande pegadinha do Mallandro. Canção grandiosa que colocou o Anhembi abaixo. O mesmo com "War Machine", música pesada e incrível, que também teve a mudança de afinação jogando em seu favor.

"Love Gun" seguiu o espetáculo com o excelente momento em que Paul Stanley embarca em um teleférico para cantar/tocar em um pequeno palco posicionado ao meio da pista. Mais uma demonstração de que a voz do Starchild está melhorando, se compararmos com os registros anteriores da turnê. Stanley continuou em evidência ao fazer seu momento solo. O carismático frontman tocou um trecho de "Stairway To Heaven" e instigou a plateia, perguntando: "vocês querem ouvir uma música do KISS?". Após a óbvia resposta afirmativa, teve início a clássica "Black Diamond", na voz de Eric Singer. Mais uma vez, como durante o tiro de bazuca, a bateria do Catman se ergueu.

O espetáculo principal encerrou-se por aí e uma pequena pausa antecedeu o retorno dos mascarados ao palco para o encore. "Lick It Up", com direito a interlúdio de "Won't Get Fooled Again" (The Who), foi a primeira do bis. A única representante da fase sem máscaras (mas ainda com bastante maquiagem) da banda é infalível em sua missão de levantar a plateia.

"I Was Made For Lovin' You", um pouco mais arrastada do que de costume, encaminha o espetáculo para o fim. Assim como o icônico ex-guitarrista Ace Frehley, nunca gostei muito da canção. Mas até a música menos empolgante na opinião do fã se torna incrível naquele momento. A clássica "Rock And Roll All Nite" encerrou a noite com chuva de papeis picados, explosões e bastante gelo seco, também contando com o ato final de Paul Stanley: quebrar uma guitarra. O espetáculo foi finalizado de fato com uma série de explosões de fogos de artifício de dar inveja a qualquer festa de Réveillon por aí.

O saldo foi positivo tanto para fãs de primeira viagem, que nunca tinham acompanhado a um espetáculo do KISS (como eu); quanto para os veteranos que já estavam lá para presenciar a matadora performance dos mascarados pela terceira, quarta ou milésima vez. Repito o que foi dito inicialmente: a banda não fez um show, uma apresentação ou um concerto. Fez um espetáculo.

Os vídeos e as fotografias presentes neste post foram realizadas por mim.

Paul Stanley (vocal, guitarra)
Gene Simmons (vocal, baixo)
Tommy Thayer (guitarra, vocal)
Eric Singer (bateria, vocal)

01. Detroit Rock City
02. Shout It Out Loud
03. Calling Dr. Love
04. Hell Or Hallelujah
05. Wall of Sound
06. Hotter Than Hell
07. I Love It Loud
08. Outta This World
09. Tommy Thayer & Eric Singer solos
10. Gene Simmons solo
11. God of Thunder
12. Psycho Circus
13. War Machine
14. Love Gun
15. Black Diamond

Bis:
16. Lick It Up
17. I Was Made for Lovin' You
18. Rock and Roll All Nite


Outras resenhas de Kiss (Arena Anhembi, São Paulo, 17/11/2012)

Kiss: um espetáculo único em São PauloKiss: um espetáculo sem precedentes ou sucessoresKiss: uma hora e quarenta de puro Rock'n'Roll em São PauloKiss: eles ainda entregam muito, apesar do tempo passandoKiss: uma espetacular apresentação em São PauloKiss: grupo extasia público em São PauloKiss: diversão garantida ou seu dinheiro de volta




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Kiss"


Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Kiss: as camisetas feitas a mão pelo jovem Gene SimmonsKiss
As camisetas feitas a mão pelo jovem Gene Simmons

Resenha - Alive II - Kiss

Kiss: Orações e empatia não são suficientes, diz Paul Stanley sobre tiroteiosKiss
"Orações e empatia não são suficientes", diz Paul Stanley sobre tiroteios

Kiss: camisetas vendidas em show estavam com o nome da cidade escrito erradoKiss
Camisetas vendidas em show estavam com o nome da cidade escrito errado

Rodz Online: 25 Anos de Philips Monsters of Rock 1994 (vídeo)

Kiss: Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempreKiss
Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempre

Kiss: esposa de Gene Simmons faz imitação hilária do músico em seu dia a diaKiss
Esposa de Gene Simmons faz imitação hilária do músico em seu dia a dia

Kiss: Gene Simmons é parabenizado no palco pelos seus 70 anos; veja vídeoKiss
Gene Simmons é parabenizado no palco pelos seus 70 anos; veja vídeo

Kiss: confira a capa do tributo brasileiro Brazil Rock CityKiss: assista show da banda realizado em Charlotte, nos EUAPokémon: novos personagens devem ter sido inspirados pelo Kiss

Kiss: Gene Simmons inspirou novo Pókemon?Kiss
Gene Simmons inspirou novo Pókemon?

Bruce Kulick: o guitar hero do Kiss fala sobre sua trajetóriaOs anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estilo

Kiss: em 1983, o deslocado primeiro show sem as maquiagensKiss
Em 1983, o deslocado primeiro show sem as maquiagens

Kiss: baterista de 12 anos toca com a banda - e manda muito bemKiss
Baterista de 12 anos toca com a banda - e manda muito bem

Kiss: Lady Gaga é a única estrela atual do rock, diz GeneKiss
"Lady Gaga é a única estrela atual do rock", diz Gene


Led Zeppelin: a inspiração por trás de KashmirLed Zeppelin
A inspiração por trás de "Kashmir"

Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia PillarSeparados no nascimento
Robert Plant e Patrícia Pillar

MMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy MetalMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

David Coverdale e a palavra "Love" - Parte IHeavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasDave Mustaine: "Taekwondo mudou a minha vida"Bruce Dickinson: deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldia

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336