Airbourne: ao-vivo na Finlândia, carisma e diversão

Resenha - Airbourne (Klubi, Tampere, Finlândia, 18/03/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Petri da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois de quase 2 anos do formidável show no Sauna Open Air, o Airbourne voltou para a Finlândia e dessa vez com dois shows 'sold out', esse em Tampere e um outro em Helsinki no dia anterior. A popularidade da banda tem crescido muito desde aquele show no Sauna Open Air, com isso também as comparações com o AC/DC continuam, mas no final das contas quem realmente se importa com isso? Essa noite foi uma prova do poder, da energia, do carisma e da diversão que a banda proporciona ao vivo, ingredientes necessários para qualquer banda boa de rock'n'roll.

Airbourne: banda lança vídeo de "Boneshaker" com cenas do WackenSeguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo

A abertura do show ficou a cargo do Taking Dawn, uma banda norte americana novata que acabou de lançar o seu debut "Time to Burn" pela Roadrunner, a mesma gravadora do Airbourne. A banda estava marcada para tocar as 21.30, mas por alguns problemas técnicos o show começou 20min atrasado. O som da banda lembra muito bandas dos anos 80, uma mistura de hard rock à la Mötley Crüe e Bon Jovi, com metal tradicional. Boa parte do público não parecia muito interessado na banda, mas tenho certeza que no fim das contas, mesmo com um set list muito curto, o Taking Dawn consegui novos fãs.

Uma vez que os roadies do Airbourne entraram no palco e começaram a prepar o palco para a banda, os fãs foram chegando mais perto do palco para ter uma boa visão. Esse local escolhido para o show, Klubi, não é o melhor para som mas o legal dele é que da uma certa sensação intismista entra banda e público já que o local não é tão grande. Com um certo atraso já esperado, a banda entra e manda de cara "Raise The Flag", do novo álbum "No Guts No Glory", uma música que poucos reconheceram (afinal o álbum começou a ser vendido pouco tempo atrás) mas que mesmo assim cativou todos. Logo em seguida, sem muita conversa ou enrolação, a banda foi tocando músicas conhecidas do álbum "Runnin' Wild", como a rápida "Hellfire", "Diamond In The Rough" (nas palavras do vocalista/guitarrista Joel O'Keeffe: "Uma música sobre buceta", causando risadas gerais e muitos aplausos do público), "What's Eatin' You"; e novas como "Chewin' The Fat", "Blonde, Bad and Beautiful" e "Get Busy Livin'".Quando a banda tocou "Girls In Black" (dedicada, obviamente, às garotas de preto) no meio da música Joel foi no meio do público tocando guitarra, passando por todo o clube e subiu no balcão do bar para surpresa de todos. O legal foi ver que o público daqui, mais conhecido por ser um tanto quanto quieto ás vezes, não paravam de agitar e gritar o nome da banda, deixando os australianos extremamentes contentes sobre o show. Era impossível de se conter com toda essa energia a banda tramsmite, mesmo que Joel é a figura mais "marcante" da banda, o peso que David Roads (g), Justin Street (b) e Ryan O'Keeffe (d) demonstram é impressionante. A maratona energética de rock'n'roll continuou com "Born To Kill", "Heartbreaker", a 'bluesy' "Cheap Wine & Cheaper Women" onde Joel ofereceu algumas cervejas para o público, a nova "No Way But The Hard Way" que já se tornou uma das favoritas dos fãs e fecharam com "Too Much, Too Young, Too Fast", com todos cantando o refrão junto com a banda. Era claro que a banda iria voltar para o bis, e depois de poucos minutos a banda voltou e tocou "Runnin' Wild" e um hino moderno de rock'n'roll e já clássico da banda: "Stand Up For Rock'N'Roll". Joel assustou um pouco os fãs ao final dessa música quando ele pulou do kit da bateria para o palco e caiu de costas, os roadies chegaram a entrar no palco para ver se ele estava bem e depois de alguns segundos Joel se levantou e se despediu do público. Em alguns shows a banda chegou a tocar "Blackjack" como segundo bis, mas talvez pelo atraso a banda teve que corta essa música nesse show. O extâse promovido pela banda deixou todos extremamentes satisfeitos e pensando já quando será próxima vez que o Airbourne volta, um show para ficar na memória.

AIRBOURNE SET LIST:

Raise The Flag
Hellfire
Chewin' The Fat
Diamond In The Rough
Blonde, Bad And Beautiful
Girls In Black
Get Busy Livin'
What's Eatin' You
Born To Kill
Heartbreaker
Cheap Wine & Cheaper Women
No Way But The Hard Way
Too Much, Too Young, Too Fast

Bis:
Runnin' Wild
Stand Up for Rock 'N' Roll




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Airbourne"


Airbourne: banda lança vídeo de "Boneshaker" com cenas do WackenAirbourne: faixa título do novo álbum, "Boneshaker" ganha videoclipe; assista

Wacken 2019: assista a todos os shows do festival que tiveram transmissãoWacken 2019
Assista a todos os shows do festival que tiveram transmissão

Wacken 2019: assista shows de Opeth, Demons & Wizards e mais da quinta e sextaWacken 2019
Assista shows de Opeth, Demons & Wizards e mais da quinta e sexta

AC/DC: 7 bandas e cantores que tentam a fórmula da bandaAC/DC
7 bandas e cantores que tentam a fórmula da banda

Ultimate Guitar: 12 bandas que nunca mudamUltimate Guitar
12 bandas que nunca mudam


Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Morbid Angel: banda satânica, eu jamais voltaria, diz SandovalMorbid Angel
"banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaGaleria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Iron Maiden: clássicos da banda em versões sinfônicasSlipknot: obituário da filha de Clown faz menção à luta contra as drogas

Sobre Petri da Costa

Fanático por cinema e música, colaborou como correspondente na Finlândia para a RockHard-Valhalla de 2002 até 2008, escrevendo reviews de shows e cds. Tem colaborado com a whiplash desde 2007.

Mais matérias de Petri da Costa no Whiplash.Net.