Resenha - Deep Purple (Via Funchal, São Paulo, 07/03/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











São Paulo, sábado, 07 de março de 2009. Aquele calor inacreditável que nos infernizou durante uns quinze dias sem trégua enfim deu um tempo. Que bom! Afinal aguardar na fila do Via Funchal com uma temperatura de 35 graus não ia ser nada agradável.

Embora o clima estivesse excelente, a espera parecia interminável, dada a ansiedade e a extensa coleção de abobrinhas ouvidas até o início do show. Coisas do tipo: “o Jon Lord saiu?”, ou “vocês vão me perdoar, mas eu não suporto ‘Smoke On The Water’”, ou ainda que o baixista se chamava “Roger Gloover” (?)... será que essas pessoas estavam no show certo?

A pontualidade britânica que sempre marcou as passagens do Deep Purple pelo Brasil mais uma vez se fez presente. A casa abriu os portões exatamente às 8 da noite e, após ouvirmos alguns clássicos do rock de Rush, Aerosmith e até Meat Loaf, às 10 em ponto as luzes se apagam e a banda entra botando o teto abaixo com “Highway Star”. Desnecessário dizer como foi a reação da galera... assim como falar sobre o carisma, a simpatia e a excelência dos músicos chega a ser redundância.

Segue o show e vem “Things I Never Said”, uma das melhores composições do Purple na sua fase “Morse/Airey”, do último álbum “Rapture Of The Deep”. E em seguida, para arrebentar de vez, direto do seminal “In Rock” vem “Into The Fire”. A cada momento fica claro como a banda curte cada segundo em cima do palco, a interação com o público, e o porquê de ainda não terem se aposentado. E fica mais claro ainda que o grande responsável por toda essa renovação é Steve Morse.

Morse que, aliás, com a cumplicidade dos demais membros, rouba o show para si. A cada solo perfeito, a cada acorde, a cada sorriso (e como o cara sorri...), ele se torna o dono do palco. E essa alegria, empolgação transborda e contagia os demais músicos e a platéia. Tudo bem, vá lá que Ian Gillan já anda sem voz faz um bom tempo, mas o simples fato de ele estar ali no palco, descalço, com apenas uma camiseta velha, um jeans surrado e todo seu carisma já arrepia qualquer fã. Roger Glover e Ian Paice são uma das cozinhas mais consistentes do rock and roll. E Don Airey cada vez mais prova ser o melhor para preencher o posto do insubstituível Jon Lord.

Voltando ao show, após a clássica “Strange Kind Of Woman”, Gillan brinca dizendo que a próxima música é sobre um conhecido deles que não é mais um mecânico, e vem “Ted The Mechanic”, para delírio dos fãs da fase mais recente, que emenda com a excelente “Rapture Of The Deep”. E vem então a seção instrumental, com a singela “Contact Lost” (que se enquadraria bem em qualquer álbum solo de Morse) seguida por “Well Dressed Guitar” e, com Gillan de volta, “Sometimes I Feel Like Screaming”. Os tocadores de “air guitar” ali de plantão fizeram a festa, principalmente com o início da grande “Lazy”.

Vem então “The Battle Rages On” e um bom solo de teclado de Don Airey em seguida, como sempre citando “Mr. Crowley” e outros clássicos do rock. Pretexto perfeito para encaixar a introdução de “Perfect Strangers”, que veio seguida da contagiante “Space Truckin’” e, claro, “Smoke On The Water”.

Pequeno intervalo e temos a dobradinha “Hush” e “Black Night” para encerrar uma noite perfeita. Na primeira, um rápido solo de bateria de Paice e seu tradicional rufar na caixa com apenas uma das mãos. Na segunda, Morse entretém a galera que repete tudo o que ele faz na guitarra...

Mais um show perfeito de uma banda perfeita, que parece espantar a cada momento de seu vocabulário a palavra “aposentadoria”. Pra quem ainda duvidava de alguma coisa, a apresentação deixou tudo bem claro...

Set List:
Highway Star
Things I Never Said
Into The Fire
Strange Kind Of Woman
Ted The Mechanic
Rapture Of The Deep
Contact Lost
Well Dressed Guitar
Sometimes I Feel Like Screaming
Lazy
The Battle Rages On
Solo de teclado
Perfect Strangers
Space Truckin’
Smoke On The Water
Hush
Black Night

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Deep Purple (Via Funchal, São Paulo, 07/03/2009)

3586 acessosResenha - Deep Purple (Via Funchal, São Paulo, 07/03/2009)1551 acessosResenha - Deep Purple (Via Funchal, São Paulo, 07/03/2009)


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Deep PurpleDeep Purple
Novo vídeo, documentário e vinil triplo ao vivo

1620 acessosDeep Purple: O videoclipe enigmático de "The Surprising"1253 acessosPlayboy: Deep Purple, Grand Funk, Steppenwolf e outros ao vivo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

David CoverdaleDavid Coverdale
"Não consigo evitar o riso quando vejo as gravadoras!"

20162016
Uma retrospectiva do bizarro ano no rock/metal

VH1VH1
As 100 melhores músicas de hard rock

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"


Rock in RioRock in Rio
Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991

Collectors RoomCollectors Room
Coleção de Metallica com 16 versões apenas do "Ride"

DepressãoDepressão
10 músicas que devem ser evitadas

5000 acessosBlack Sabbath: O acidente que tirou as pontas dos dedos de Iommi5000 acessosMetallica: os fantasticos carros de James Hetfield5000 acessosAnette Olzon: "Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"5000 acessosBandas: 12 motivos pelos quais vocês devem demitir um membro5000 acessosDuff McKagan: 'Phil Anselmo me fez gostar do Ghost'5000 acessosNirvana: criticado, goleiro do Chelsea remove cover de "Rape Me"

Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online