Dream Theater: Comentários sobre os dois dias de show em Tokyo, em Jan

Resenha - Dream Theater (Kokusai Forum, Tokyo, 12 e 13/01/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Altaf
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

E chegava a hora do Dream Theater visitar Toquio mais uma vez. O Japão já presenciou inúmeros shows da banda, mas de alguma forma cada vinda ao país adiciona uma nova página marcante na trajetória do grupo.

Lars Ulrich: e se ele tocasse em uma banda country?Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock

Na tour de divulgação de Octavarium, um trabalho cheio de influências acumuladas por cada membro ao longo dos anos, a banda decidiu tocar pelo menos uma música de cada álbum em todos os shows, e continuou com a tradição de tocar um álbum clássico do rock na íntegra cada vez que fizer dois shows seguidos na mesma cidade. Para isso, a idéia de não contar com bandas de abertura e adotar o formato "an Evening with Dream Theater", com shows chegando a durar três horas e meia, parecia ideal.

O primeiro show começa com a primeira música do novo álbum, The Root of All Evil. Depois disso, datas de lançamento dos seus outros trabalhos e as suas respectivas capas aparecem no telão na ordem inversa, e assim toda a história do Dream Theater é repassada, desde o primeiro trabalho, When Dream and Day Unite, até os tempos mais recentes. O que se vê é uma banda precisa e afiada na medida, e é notavel o quão empolgados os músicos estão em tocar juntos, apesar do silêncio da platéia do Kokusai Forum. Músicas como Under a Glass Moon e Caught in a Web, tocadas à exaustão pela banda ao longo dos anos, amadureceram bem, e pareceram tão atuais quanto o novo material. E para mostrar o cuidado com a escolha das músicas para essa nova tour, a banda ainda tirou do armário Another Won, de uma época distante em que eles ainda se chamavam Majesty.

Uma coisa que não se pode acusar o Dream Theater de fazer é renegar suas influências. Ao contrário, o grupo insere em shows pedaços de músicas das suas bandas favoritas sempre que possível. Nessa noite, em particular, foram tocadas partes de Necromancer, do Rush, Wish You Were Here do Pink Floy e Wherever I May Roam e Enter Sandman do Metallica, todas misturadas na lenta Peruvian Skies. E quando a faixa titulo do novo álbum foi executada, todos os artistas citados na letra foram representados no telão, de Dave Lee Roth a Peter Frampton, de Genesis a Nuclear Assault.

O show do dia 12 de Janeiro terminou com uma versão impecável de Metropolis Part I, mas o melhor ainda estava por vir: ao final da ultima música, o vocalista James LaBrie anunciou que a próxima noite seria especial, com a banda recriando na íntegra um album muito importante da história do rock.

Por falar em LaBrie, é notável o quanto ele melhorou ao longo dos anos. Após sofrer uma intoxicação alimentar há mais ou menos dez anos atras, e arruinar suas cordas vocais, ele está de volta a sua melhor forma, e sua voz está atingindo notas nunca imaginadas em outras tours. Ele já foi muitas vezes apontado como o elo fraco da banda, inclusive pelos fãs, mas esse com certeza não é mais o caso.

Na guitarra e no baixo, os amigos de longa data John Petrucci e John Myung foram perfeitos, e mostraram que a prática constante é importantíssima, mesmo quando a sua banda já está no mercado há vinte anos.

No segundo show, é mostrado um pouco mais do novo album, com as músicas Panic Attack e Never Enough, que empolgaram a galera. Uma surpresa desse setlist foi a inclusão de Raise the Knife, outra das músicas que só os fãs conhecem, que havia sido deixada de fora do álbum Falling Into Infinity por razões comerciais. Home fechou a primeira parte desse show, com os duelos de guitarra e teclados arrancando aplausos da platéia, que normalmente fica bastante quieta.

Para a segunda parte desta noite, a banda tocou sua versão para o álbum Made in Japan, do Deep Purple. Cada detalhe foi recriado com perfeição, desde as microfonias até o ato dos integrantes de afinarem seus instrumentos juntos antes de cada música. Alguns números funcionaram bem, como Highway Star, Lazy e Smoke on the Water, mas houve algumas escorregadas em Child In Time. Foi divertido ver Jordan Rudess recriar sons de orgão Hammond em seu teclado hiper moderno, e Mike Portnoy fazer suas viradas lembrando o Ian Paice, inclusive em seu solo. Foi uma boa escolha de álbum a ser "coverizado", e a platéia japonesa respondeu bem, ja que o Deep Purple é uma das bandas mais queridas na Terra do Sol Nascente.

As duas últimas músicas foram a emocionante The Spirit Carries On e o primeiro sucesso do grupo, Pull Me Under. Após o show, ficou provado que o Dream Theater tem uma qualidade muito rara na música atual: nunca se sabe qual vai ser o próximo passo dessa banda. A platéia deixou o teatro inegavelmente satisfeita, e percebia-se que cada pessoa no local se perguntava qual seria a próxima direção a ser tomada pelo quinteto novaiorquino.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dream Theater"


Lars Ulrich: e se ele tocasse em uma banda country?Dream Theater: em 1994, o Dream Theater cravava seu nome na cena

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Dream Theater: banda lança vídeo animado de Barstool Warrior; assistaDream Theater
Banda lança vídeo animado de "Barstool Warrior"; assista

Dream Theater: banda confirma turnê no Brasil

Dream Theater: datas da turnê brasileira e início das vendasDream Theater
Datas da turnê brasileira e início das vendas

Dream Theater: banda vai executar Scenes From a Memory na íntegraDream Theater
Banda vai executar Scenes From a Memory na íntegra

Mike Portnoy: Um santuário na perna para seus artistas favoritosMike Portnoy
Um santuário na perna para seus artistas favoritos

Mike Portnoy: trolls de internet tem culpa no suicídio de Cornell e ChesterMike Portnoy
Trolls de internet tem culpa no suicídio de Cornell e Chester

Dream Theater: a história dos Official BootlegsDream Theater
A história dos Official Bootlegs


Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

Zodíaco True: Os perfis de cada signo em versão HeadbangerZodíaco True
Os perfis de cada signo em versão Headbanger

Iron Maiden: quinze canções que definem a bandaIron Maiden
Quinze canções que definem a banda

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGNGuns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityMax Cavalera: "O único presidente bom do Brasil foi morto"Woodstock: O famoso casal da capa do disco

Sobre Rodrigo Altaf

Mineiro nascido em 1974, esse engenheiro civil que vive e trabalha no Canadá começou a ouvir heavy metal aos dez anos, após acompanhar o Rock in Rio I pela televisão. Após vários anos sem colaborar pro Whiplash.Net, está em busca de todos os shows possíveis em Toronto. Entre suas influências estão Iron Maiden, Van Halen, Rush, AC/DC e Dream Theater.

Mais matérias de Rodrigo Altaf no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336