Doors: Seriam 6000 fãs da banda ou 6000 curiosos no Rio?

Resenha - Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Seriam 6000 fãs da banda The Doors ou 6000 curiosos para ver o que seria este Doors of 21st Century que lotaram o Claro Hall? Esta é uma pergunta que rondava minha cabeça enquanto acompanhava a entrada do público na casa de shows. Afinal, desde que Ray Manzarek (teclado) e Robbie Kreiger (guitarra) voltaram a se apresentar ao vivo, recrutando Ian Astbury (The Cult) para ocupar o posto imortalizado por Mr. Morrisson, poucos acreditavam que este projeto seria permanente. Mas os mesmos vêm constantemente declarando que este não é um projeto, e sim uma banda, e que 2005 reserva várias surpresas, entre elas um disco de estúdio completo. Soa oportunista? Sim, é claro... mas cá entre nós, quem não gostaria de ver esses caras em ação em pleno século XXI???

The Doors: The Soft Parade será relançado em edição triplaA polêmica origem do termo Heavy Metal

É claro que comparar este Doors of 21st Century com o The Doors é loucura, até porque a rebeldia que hoje é embalada por efeitos de luz e som antigamente era bem mais orgânica, até porque estávamos diante dos percursores e de um Jim Morrison, que não aparece todo dia. Mas isso não parecia afetar o público, que aguardava ansiosamente o começo do show, marcado para 21:30. Por volta de 22hs as luzes se apagaram e pudemos escutar "Carmina Burana" saindo dos PA's. Ou seja, o Doors de hoje sabe muito bem provocar o público, com algo que eles não fariam nos anos 70. A "intro" se encerra com a entrada de Ray, Robbie, o batera contratado Ty Dennis e o baixista Angelo Barbera (sim, desta feita Ray apenas se concentra nos teclados). A banda dá início ao show com "Roadhouse Blues" e Ian entra no palco, pisando num belo tapete colocado no centro do mesmo. Sua atitude é a mais correta possível. Incorpora Jim Morrison em alguns momentos mas procura sempre se lembrar de quem é.... boa pedida. Curiosamente a bateria estampa no bumbo a inscrição "D21C", indicando que de fato esta é uma outra banda, mas que vai executar os clássicos de sua predecessora.

"When the Music's Over" e "Love me Two Times" são executadas em sequência e vemos que a respeito de estarem bem acima dos 50 (sendo bonzinho), Ray e Robbie transbordam energia no palco, enquanto Ian é mais "soturno", mas saindo-se muito bem como vocalista. O público entra em transe com a execução de clássicos como "L'America", "Love Her Madly" e "The Cnageling", cantando em uníssono cada trecho das músicas. Ian não cansa de agradecer e manifestar sua alegria por estar de volta, mas quem parece ser o líder desta banda é Ray, que por várias vezes vai ao microfone e demonstra seu entusiasmo por estar no Brasil.

"Been Down So Long" e "Hyacinth House" continuam o ritual que tomou conta do Claro Hall naquela noite e que deixaria Jim orgulhoso, mas um pecado seria cometido. A bateria de uma escola de samba carioca (não me perguntem qual é... nem quis saber) entra no palco e começa uma "Jam" com a banda. Ruim? Não.... o arranjo ficou bem montado... mas executar "Break on Through (To The Other Side)" neste esquema foi macular um clássico. Os gringos definitivamente ficaram contagiados pelo SAMBA!!! (como Ray gritou a plenos pulmões). Mas esse seria um pecado pequeno perto dos elogios que os senhores merecem. Algumas músicas se transformam em competentes "jams" aonde a banda mostra todo seu talento. Ian demonstrou ser o cara correto para o posto, embora ainda precise dosar mais suas investidas no "estilo Morrison de ser".

"The WASP" e "Riders on the Storm" são executadas, dando sequência a "LA Woman", que novamente faz o Claro tremer e emociona a todos. A banda se retira, e retorna, junto com a escola de samba para novamente macular mais um clássico: "Light My Fire" é executada no mesmo esquema, e "Soul Kitchen" encerra o show em grande estilo. Muitos fãs pediam insistentemente por "The End" (e eu mesmo achava que este seria o "gran finale"), mas Ray foi ao microfone para dizer que "esta é uma música de Jim, muito pessoal, por isso não a tocamos". Seria um grande momento para encerrar o show, se Ray, no meio de sua empolgação não citasse o famoso "Mama I want to F* you!" de maneira quase displicente (só Jim Morrison poderia fazer isso), e se retirasse em seguida.

No final das contas foi um grande show. O Doors of 21st Century mostrou ser uma banda com pique e muita lenha para queimar, e permitiu que muita gente pudesse ouvir ao vivo clássicos que só poderiam ser conferidos em vídeo ou DVD. Resta ver o que um novo álbum pode oferecer, mas se for no nível do show ainda vamos ouvir falar muito nestes novos velhos garotos do rock and roll.


Outras resenhas de Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

Doors: Ian Morrison estava muito parecido com o Jim Astbury




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Doors"


The Doors: The Soft Parade será relançado em edição tripla

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Jim Morrison: aparecendo como fantasma na Virgínia?Jim Morrison
Aparecendo como fantasma na Virgínia?

Rock e cinema: veja grandes astros e seus intérpretes no cinemaRock e cinema
Veja grandes astros e seus intérpretes no cinema


A polêmica origem do termo Heavy MetalA polêmica origem do termo Heavy Metal
A polêmica origem do termo Heavy Metal

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Drogas: As melhores músicas sobre o temaDrogas
As melhores músicas sobre o tema

Hit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revistaSlipknot: "pastor" detecta mensagens subliminares nas capasDJ Ashba: relatando como foi que entrou no Guns N' RosesMetallica: Análise vocal de James Hetfield

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.