Resenha - Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por RAC
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Originalmente publicado no Blog RAC N'Roll

5000 acessosFace App: capas famosas trolladas com o aplicativo5000 acessosBandas Novas: como vocês NÃO devem tratar o técnico de som

Ray Manzarek usava meias quadriculadas, Robby Krieger está mais velho do que eu imaginava, Ty Dennis e o baixista-coroa-que-substituiu-o-Angelo Barbera ficaram lá atrás e nem atrapalharam e Ian Morrison estava muito parecido com o Jim Astbury.

O show foi impressionante em vários aspectos.

O primeiro deles é a semelhança de Ian com Jim. Até nos movimentos Ian tenta lembrar Jim. Estava mais recatado no palco, agarrado ao microfone, como Jim fazia, e não soltava tanto a voz, como no The Cult e ainda ensaiou a dança indígena de Morrison. Totalmente diferente daquele careca saltitante que eu presenciei há alguns anos, com o The Cult. Fato este que, na época, me decepcionou, já que eu o imaginava mais cool no palco.

Ray Manzarek e Robby Krieger são maravilhosos. Solos intermináveis, teclado tocado com o pé, português mal falado, solo de música flamenca, declarações de amor ao Rio, à praia e à cachaça. Uma maravilha!

No repertório, só teve clássicos. Começando com Roadhouse Blues e terminando com Soul Kitchen, passando por L.A. Woman, Light My Fire, Break On Through, Alabama Song, Moonlight Drive, When The Music Is Over, Five To One (dedicada ao Bush), Love Me Two Times, Touch Me e Riders On The Storm (com direito a som de tempestade e tudo).

Outro fato que me chamou a atenção foi a receptividade do público. Eu nunca tinha visto um público de rock aplaudir sambistas, mesmo quando eles estragam o ritmo de um clássico da banda ou ficam sambando na frente do palco após um chatíssimo solo de tamborim. Até mesmo as menininhas que entraram no palco no final pra fazerem sabe-se lá o quê, foram pouco xingadas.

Parecia que o tempo que a banda levou pra aparecer por aqui contribuiu pra isso. Depois de trinta anos de espera não seria um bando de batuqueiros ou menininhas que iam estragar esse momento mágico.

Sim, mágico.

Ver Ray e Robby a alguns metros de distância do palco foi mágico, assim como foi ver John Kay e seu Steppenwolf, o Deep Purple de Ian Gillan, Ian Paice e Roger Glover ou o Creedence Clearwater Revisited de Stu Cook e Doug Clifford.

Se você não ama o Rock N' Roll, não entende o que estou falando. Não entende como eu pude gastar cem reais e me espremer no meio de uns drogados suados pra ver uma banda velha e remendada tocar as mesmas músicas do passado.

Se você não entende como pude achar tudo isso mágico, eu lamento, não há nada que eu possa dizer pra fazê-lo entender a não ser citar uma frase do folclórico Serguey:
"Dizem que eu parei no tempo, mas eu parei numa época linda."

Que venham mais bandas do passado nos deliciar com os grandes clássicos do Rock.

Vida longa ao bom e velho Rock N' Roll!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

1040 acessosResenha - Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

Face AppFace App
Capas famosas trolladas com o aplicativo

168 acessosThe Doors: "TOP 10" on Fingerstyle by Fabio Lima0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Doors"

BeatBeat
Um termo conhecido mas que poucos conseguem definir

Ultimate Classic RockUltimate Classic Rock
As Top 10 músicas para o fim do mundo

Face AppFace App
Capas famosas trolladas com o aplicativo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Doors"

Bandas NovasBandas Novas
Como vocês NÃO devem tratar o técnico de som

The DoorsThe Doors
A mais famosa foto do fantasma de Jim Morrison

Dave MustaineDave Mustaine
"Há bandas cujo nome me ofende"

5000 acessosRodolfo: 100% arrependido das letras dos Raimundos5000 acessosLemmy Kilmister: a música, as drogas, a família e a morte5000 acessosO Heavy Metal nos Limites da Simples Filosofia - Parte I5000 acessosPrince: cantor foi encontrado dentro de elevador em sua casa5000 acessosMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda5000 acessosEric Singer: "Eu nunca quis ser mais rápido que ninguém!"

Sobre RAC

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online