Resenha - Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por RAC
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Originalmente publicado no Blog RAC N'Roll

358 acessosThe Doors: banda relança vídeo de "Strange Days"5000 acessosBlack Metal: o lado mais negro da cena brasileira

Ray Manzarek usava meias quadriculadas, Robby Krieger está mais velho do que eu imaginava, Ty Dennis e o baixista-coroa-que-substituiu-o-Angelo Barbera ficaram lá atrás e nem atrapalharam e Ian Morrison estava muito parecido com o Jim Astbury.

O show foi impressionante em vários aspectos.

O primeiro deles é a semelhança de Ian com Jim. Até nos movimentos Ian tenta lembrar Jim. Estava mais recatado no palco, agarrado ao microfone, como Jim fazia, e não soltava tanto a voz, como no The Cult e ainda ensaiou a dança indígena de Morrison. Totalmente diferente daquele careca saltitante que eu presenciei há alguns anos, com o The Cult. Fato este que, na época, me decepcionou, já que eu o imaginava mais cool no palco.

Ray Manzarek e Robby Krieger são maravilhosos. Solos intermináveis, teclado tocado com o pé, português mal falado, solo de música flamenca, declarações de amor ao Rio, à praia e à cachaça. Uma maravilha!

No repertório, só teve clássicos. Começando com Roadhouse Blues e terminando com Soul Kitchen, passando por L.A. Woman, Light My Fire, Break On Through, Alabama Song, Moonlight Drive, When The Music Is Over, Five To One (dedicada ao Bush), Love Me Two Times, Touch Me e Riders On The Storm (com direito a som de tempestade e tudo).

Outro fato que me chamou a atenção foi a receptividade do público. Eu nunca tinha visto um público de rock aplaudir sambistas, mesmo quando eles estragam o ritmo de um clássico da banda ou ficam sambando na frente do palco após um chatíssimo solo de tamborim. Até mesmo as menininhas que entraram no palco no final pra fazerem sabe-se lá o quê, foram pouco xingadas.

Parecia que o tempo que a banda levou pra aparecer por aqui contribuiu pra isso. Depois de trinta anos de espera não seria um bando de batuqueiros ou menininhas que iam estragar esse momento mágico.

Sim, mágico.

Ver Ray e Robby a alguns metros de distância do palco foi mágico, assim como foi ver John Kay e seu Steppenwolf, o Deep Purple de Ian Gillan, Ian Paice e Roger Glover ou o Creedence Clearwater Revisited de Stu Cook e Doug Clifford.

Se você não ama o Rock N' Roll, não entende o que estou falando. Não entende como eu pude gastar cem reais e me espremer no meio de uns drogados suados pra ver uma banda velha e remendada tocar as mesmas músicas do passado.

Se você não entende como pude achar tudo isso mágico, eu lamento, não há nada que eu possa dizer pra fazê-lo entender a não ser citar uma frase do folclórico Serguey:
"Dizem que eu parei no tempo, mas eu parei numa época linda."

Que venham mais bandas do passado nos deliciar com os grandes clássicos do Rock.

Vida longa ao bom e velho Rock N' Roll!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)

1046 acessosResenha - Doors of 21st Century (Claro Hall, Rio de Janeiro, 30/10/2004)


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


358 acessosThe Doors: banda relança vídeo de "Strange Days"302 acessosMinuto Indie: 8 bandas das antigas para você escutar363 acessosThe Doors: "Strange Days" sairá em versão comemorativa de 50 anos674 acessosThe Doors: "Strange Days", a banda em uma faceta mais sombria418 acessosThe Doors: coletânea reúne versões raras de singles e B-sides1385 acessosAlice Cooper: falando sobre Cornell, Bennington e Jim Morrison0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Doors"

ListedListed
TV americana elege os maiores bad boys da música

Jim MorrisonJim Morrison
Aparecendo como fantasma na Virgínia?

The DoorsThe Doors
A mais famosa foto do fantasma de Jim Morrison

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Doors"


Black MetalBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

WallpapersWallpapers
Papéis de parede da banda Iron Maiden

Marc Ferr?Marc Ferr?
A música "Wasting Love", do Iron Maiden, é um Plágio?

5000 acessosRock In Rio: "O cara que quer ver o Metallica ou o Iron Maiden ama repetição"5000 acessosQueen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody5000 acessosAs tatuagens de Rob Halford5000 acessosMichael Kiske: "nunca fui chamado para o Iron Maiden"5000 acessosWikimetal: Seis motivos para gargalhar ouvindo Heavy Metal4894 acessosBeatles: Paul McCartney conta sua única experiência com heroína

Sobre RAC

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online