RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Def Leppard Motley Crue 2

Resenha - Hot Tuna (Greenwich Village, Nova York, 08/01/2001)

Por Marcio Ribeiro
Postado em 08 de janeiro de 2001

Hot Tuna: Atum Quente. Alguém lembra quem são? Pois bem, o guitarrista e baixista do Jefferson Airplane, respectivamente Jorma Kaukonen e Jack Casady resolvem explorar sozinhos sua paixão pelo blues. Passam a abrir os shows do J. Airplane a partir de 1968 e depois se lançam aos seus próprios vôos. Durante a metade final da década de 70 já estavam com uma banda completa, totalmente elétricos. Já nos anos 90, novamente de bem com e fazendo parte da formação do Jefferson Starship, a dupla passou um período voltando a fazer um set entre os sets da banda "mãe". Agora, pela primeira vez em muito, muito tempo, a dupla volta a excursionar pelos Estados Unidos, novamente se apresentando de forma acústica.

Ao entrar no palco, a imagem dos dois não sugere serem os músicos brilhantes que são. Jack Casady, de casaco preto que não tirou em momento algum, calça e sapatos pretos, com seus óculos de aros de roda, lembra um professor de física ou outra matéria "casca grossa" dessas. Já portando seu baixo Epiphone cor dourada, e um leve sorriso na face, já se enxerga o músico que mora lá dentro dele. Jorma Kaukonen também todo de preto, camiseta, calça, e botas (de cowboy); usa uma tatuagem no antebraço esquerdo e um dente dourado, bem no pivô superior. Agora de cabelos raspados em máquina 1, leve barba e bigode, musculoso feito marombeiro, mais parece o estereótipo do motoqueiro mal encarado, do que um dos melhores músicos que já empunhou um violão.

Muito humildemente agradecem a recepção de um público que praticamente lota a casa. Sem mais delongas, sentam cada um em sua cadeira e começam logo a tocar. Se você conhece o disco de estréia da dupla, intitulado simplesmente "Hot Tuna", digo-lhes que o timbre tanto do violão Gibson de Jorma, como do baixo de Casady soaram nesta noite exatamente igual ao disco. Jorma começa com "How Long Blues" deste álbum, e logo o ambiente da casa era só sorrisos, bem relaxante e amistoso. O show todo foi como uma seresta caseira e a atitude dos estrelas foi da mais simplória e simpática possível, como amigos de fora da cidade que estão felizes por continuar a serem bem recebidos.

Foram quase duas horas de show, onde a dupla passou basicamente pelo repertório lançado, com uma só música nova, "Bad Operation" que, repleta de trocadilhos e insinuações, gera algumas risadas. Entre outras executadas estão "Winin' Boy Blues", "Parchman Farm", "Don't Leave Me There", "Know Your Rider", "Genesis" e "Death Don't Have No Mercy". Ao terminar, foram aplaudidos de pé pela casa toda; o duo retornando em seguida para um bis onde executaram "Manns Fate" eximiamente bem. Jorma é realmente um talento no violão. Utilizando três palhetas de banjo nos dedos, tem enorme agilidade e um bom gosto ao exercitá-la. Jack também, embora não fale muito, só sorri e, quando dado à chance para aparecer um pouco mais, o faz não com agilidade, mas com técnica, tirando sons diferentes, tocando por vezes com a unha.

Hot Tuna foi uma apresentação extraordinária em técnica e simplicidade. No mais, posso lhe dizer apenas que a dupla de sexagenários continua totalmente em forma e que merecem ser vistos, não pelo o que já foram, mas pelo o que ainda são capazes de executar. Atum quente foi o melhor remédio para uma segunda-feira chuvosa, com neve caindo no final da noite.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal