Música: seis desafios para bandas autorais independentes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Moraes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Compor música em banda não é fácil, pois envolve muito talento e habilidade dos músicos, bem como inspiração para escrever letras que traduzam a voz de um público. Mas isso está longe de ser o principal desafio de um artista ou de uma banda autoral independente. Com a experiência de quase 5 anos com a Rota Ventura, depois de um EP gravado e caminhando para um novo single, podemos listar alguns deles.

Led Zeppelin: tudo sobre o hit "Stairway To Heaven"Rockstars: Tatuagens que possivelmente geram arrependimento

Produção

Uma coisa é compor uma música, outra é gravá-la e produzi-la. Os instrumentos principais e adicionais que são escolhidos, os timbres cuidadosamente testados, os backing vocais ou até corais e como mixar tudo isso dá um trabalho danado. Já percebi que não existe uma só maneira de desenvolver o processo. Assim, a dica é: a melhor forma de produzir o som é aquele que dá certo na sua banda.

Partindo para o autoral

É normal que, no início, até por questões de influências às vezes óbvias, o público comece a associá-lo a determinados artistas do mainstream e pedir covers deles. Mas, a partir do momento em que você lança uma proposta autoral, talvez o interesse não seja o mesmo. E aí está um dos grandes desafios: como prender a atenção deste público. Não dá pra concorrer com a mídia de massa, que sempre vai tocar o que é ou o que já foi "sucesso". Então, o jeito é, na oportunidade que conseguir, tocar o seu som, bem como divulgá-lo nos posts que faz nas redes sociais.

Fidelizar o público

O primeiro passo para fidelizar um público é saber o que ele quer ouvir, onde ele costuma ouvir e que eventos ele é capaz de ir para ver uma música como a sua. Se o caminho dos shows é restrito, apostar nas redes sociais ou canais virtuais pode ser uma estratégia muito válida. Em outras palavras, se não te dão espaço, crie o seu.

Shows e circuitos

A vida é boa para bandas que tocam em bailes, formaturas, aniversários, bares de classic rock, etc. Mas para quem faz autoral, é sempre um trabalho a mais, já que as oportunidades para shows são reduzidas. Para conseguir shows com a pegada autoral, o jeito é se juntar com outras bandas que compartilham as mesmas cenas e, na maioria das vezes, se envolver na organização dos eventos.

Distribuição da música

Há diversas plataformas para você disponibilizar online, isso é fácil. O difícil é fazer com que as músicas sejam compradas ou baixadas. É nesta hora que vai precisar do público que fidelizou para distribuir sua música. É muito legal quando alguém faz uma viagem e te diz, depois, que foi curtindo seu som. Seja qual for o canal escolhido para distribuir seu som, o que conta muito é a criatividade. Por exemplo, para lançarmos o single "Não existem mais heróis", criamos uma edição limitada de uma cerveja artesanal da banda, que vendemos no dia do lançamento desse som, no show em uma festa de aniversário de um motoclube.

Manter o foco

Discussões, divergências, birras, brigas. Tudo isso faz parte de qualquer relacionamento, inclusive em bandas, em que a criatividade de cada um acaba por vezes se chocando com o da proposta da banda. O segredo aí é levar de boa - não que eu seja o melhor exemplo para isso rs, mas sempre tem a galera paz e amor da banda que é quem é responsável por manter a união do grupo. E se o foco é fazer um bom trabalho, o bom ambiente é fundamental. Na Rota Ventura brigamos, mas um membro sabe o quanto o outro é importante não apenas para a banda, mas para a vida de cada um, pois a amizade fala mais alto.
Como disse, estamos fazendo cinco anos de Rota Ventura, passamos por altos e baixos, mas sempre há novidades que a banda está disposta a explorar. E é isso que faz a vida em uma banda autoral independente valer a pena, sempre ter algo significativo para criar.

Até a próxima!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Opiniões

Led Zeppelin: tudo sobre o hit Stairway To HeavenLed Zeppelin
Tudo sobre o hit "Stairway To Heaven"

Rockstars: Tatuagens que possivelmente geram arrependimentoRockstars
Tatuagens que possivelmente geram arrependimento

Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasHeavy Metal
O Diabo e personagens bíblicas nas capas

Slash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritosSlash
Guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos

Cristina Scabbia: Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!Cristina Scabbia
"Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"

Ronnie James Dio: quando os heróis são imortaisRonnie James Dio
Quando os heróis são imortais

Avenged Sevenfold: A mudança no visual com o passar dos anosAvenged Sevenfold
A mudança no visual com o passar dos anos


Sobre Fernando Moraes

Jornalista e Relações Públicas, Fernando Moraes é também músico independente, vocalista e guitarrista da banda paulista Rota Ventura. Amante de Rock, de música de qualidade e entusiasta dos artistas autorais, seus artigos falam sobre o cenário do novo Rock Nacional e os desafios daqueles que fazem de tudo para que grandes bandas continuem surgindo e mantendo vivo o estilo de som mais amado de todos os tempos.

Mais matérias de Fernando Moraes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336