O futuro das bandas: rentável e artisticamente rico?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cássio Leal Moraes, Fonte: Blog do Moral
Enviar correções  |  Ver Acessos

As bandas estão se ferrando à esquerda e à direita. Ponto. E o motivo disso é tão simples como a afirmação anterior. Simplesmente não ganham mais dinheiro. Ok, antigamente só algumas ganhavam dinheiro, mas isso era suficiente para que puxasse todo o underground. Hoje em dia, as bandas que ganham dinheiro de verdade, isto é, vendendo disco, são bandas com uma base de fãs sólida e fiel, criada ao longo de ao menos uma década. E, mais importante, ao longo de uma década onde efetivamente se comprava discos, mais precisamente dos anos 40 até os anos 90. Tenho boas novas para aqueles que querem montar uma banda, gravar um disco e fazer sucesso com ele: não vai rolar, seja você o músico mais talentoso e carismático do mundo. A não ser que você seja uma LADY GAGA ou um JUSTIN BIEBER, e mesmo essa galera não ganha grana com disco! Eles ganham com aparições na mídia mainstream e com a publicidade que geram para esta. Mas já que o papo se volta mais ao rock e suas vertentes menos "televisivas", não tem para onde correr. Na verdade até tem, mas parece que a maioria dos artistas está se esquecendo que o dinheiro é que possibilita se dedicar ao árduo trabalho de produção musical. Sem ele, é hobby, com menos tempo, menos qualidade, menos comprometimento e menos construção.

Iron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?Rock: A história dos primórdios aos anos 90

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este porto seguro, a Internet, inicialmente foi um vilão. E na mente de muitos ainda é, pois estes, esclarecidos em parte, pensam na grana. Porém, em vez de pensar na grana e na internet juntos, soltam aquelas pérolas que, se por um lado me desanimam, me alegra pensar que não há muitas pessoas afim de competir por dinheiro e publicidade num negócio promissor e praticamente inexistente. Bom para quem quiser. Perólas do tipo "não baixem música! Comprem o CD para apoiar o rock nacional!". Ahã. Como se os ouvintes estivessem realmente preocupados. Como se antigamente as pessoas não tivessem que ferir seu orçamento só para ouvir música, pois 30 reais num CD não é pouca coisa para quem ouve centenas de artistas, cada um destes com dezenas de álbuns. Apelar para esse tipo de coisa é caridade, não uma base de negócios, necessaria à sobrevivência da música como um todo.

Existe o outro lado. Aqueles que começaram a ver a internet como um aliado. E alguns até foram mais longe, vendo a internet como o futuro do músico. Postam vídeos no yout.., disponibilizam som no mysp..., e com isso ganham visibilidade e popularidade. Porém, parece que eles são um bando de herdeiros de fortunas, pois, em termos de negócios, dão um tiro no próprio pé. Você vai no site duma banda dessas, com sucesso e público consistente no youtube e myspace, e vê eles promovendo um CD! Parece lógico, sensato, até óbvio, mas é uma das maiores incongruências possíveis.

Vou fazer um paralelo fanasioso. Imagine que fosse possível, por tecnologia de teletransporte, "baixar" gratuitamente uma peça de roupa duma grife, que iria aparecer direto na sua casa. Agora, vamos supor que esta grife tivesse um site que disponibilizasse o download grátis de roupas. E que neste mesmo site, houvesse um anúncio: Passe na nossa loja e compre algumas roupas. Você compraria a roupa na loja, podendo baixar de graça? Alguém compraria? Certamente a loja iria à falência em menos de um mês.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agora, falemos de música. Não é fantasia, você realmente pode baixar uma música gratuita e ouvi-la no seu computador! Agora, suponhamos que o artista em questão tenha um site, onde se pode ouvir ou baixar as músicas gratuitamente. E neste mesmo site, certamente haverá uma anúncio "Compre aqui o novo álbum da banda, por 30$". De repente, a fantasia absurda e até hilária se confirmada na realidade. O artista só não fale pois a visibilidade que ele ganha na web o permite fazer shows e mais shows. Pobres, porém ativos. Mas sem horizontes de expansão financeira. Ou seja, vai ter que acabar esse negócio de 200 shows por ano quando o cabeludo tiver uma família para sustentar e tiver que fazer um concurso público, ou, para aqueles que deixaram tudo para viver de rock, ser frentista de posto de gasolina. As bandas estão nadando em uma popularidade que, segundo a lógica antiga do mercado musical, lhes renderia dinheiro. Mas, adivinhem só, a lógica morreu. Se não morreu, está em seu epitáfio, em seus últimos suspiros.

Mas visibilidade sempre gera dinheiro, popularidade sempre gera dinheiro. Então para onde está indo a renda que estas bandas geram com seu trabalho? Ah, enfim o novo vilão surge, mascarado na forma de propagador dos artistas e de democratizador. E ele concentra em si não só um, mas vários artistas. E, ao contrário da velha indústria fonográfica, não dá nem um centavo para o músico.

Seu nome é Yout... . Seu nome é Myspa... . E alguns outros que catalogam o conteúdo criado pelos músicos, vêem suas plataformas com um movimento astronômico de usuários que buscam estes mesmos músicos, e fazem dinheiro da única forma possível para aqueles que vivem de produzir conteúdo gratuito, desde a época do surgimento da imprensa: propaganda. Pois sua música está na plataforma myspa... e yout..., e é pra eles que os anunciantes pagam. Eles popularizam o artista e, ao mesmo tempo, ficam com os ganhos.

A principal dificuldade que os músicos têm na hora de se dar conta disso é justamente o fim da produçao musical que eles almejam. E este fim é o produto-álbum, seja CD, vinil, K7 ou DVD. E a própria estrutura da música está adaptada para isso. A banda é o símbolo derradeiro da música feita a fim de se produzir um objeto, que deve ter milhões de cópias vendidas. Mas agora o conteúdo deste objeto é gratuito. E, pior ainda, muitos artistas vêem sua arte impossibilitada de voar livre pela web por contratos de gravadoras, detentoras do direito de cópia. O tiro no pé aqui é propagar gratuitamente seu som (que hoje vale mais a pena do que se reduzir ao CD, até porque seus próprios fãs farão isso por você) com a finalidade de propagar um produto. E, pasmem, o mesmo produto que se está oferecendo gratuitamente naquele exato momento. É só se lembrar da anedota do download de roupas que eu escrevi acima. O que se deveria fazer é pensar no conteúdo. E em ganhar com esse conteúdo. E ganhar com conteúdo significa ganhar com anúncios. E ganhar com anúncios significar estar em posse, ou pelo menos ser um funcionário oficial, do espaço onde este conteúdo é veiculado. E para que isso ocorra, é preciso uma mudança ainda mais profunda, na própria forma como a música é produzida e executada. Pois a música-produto, mesmo que seja de uma banda de ultra-prog-gore, tem o sentido de cópia. Cópia de albuns. O pote de ouro ficará com aqueles que direcionarem sua música a um sentido de conteúdo: gratuito, variado, em grande quantidade e, o mais importante, sediado num espaço publicitário densamente visitado. Espaço este, por sua vez, em contato direto com o produtor do conteúdo, seja numa relaçao de posse ou numa relação empregatícia.

No outro lado da moeda, está o sonho, o desejo de ser o METALLICA, o GUNS'n ROSES, de tirar seu dinheiro dos CDs, ficar rico com isso, emplacar músicas consagradas, de ter um álbum seu na mão de cada adolescente rockeiro. Pois é, eu gostaria de ter sido um pioneiro na exploração do petróleo e fundar a US Oil, eu gostaria de ter uma colônia na África para produzir cana-de-açúcar com trabalho escravo. Tem que ser realista, deixar seu sonho apenas na sua própria realização musical, que, ao fim, é o que importa, mesmo para aqueles que ficaram milionários com suas vendas de álbuns.

Agora, se você acha que eu não estou falando nada com nada, é melhor deixar a franja crescer e bater na porta da MTV, da Globo, pois o meio termo é para aqueles que herdaram uma fortuna e não têm que tirar da música autoral seu pão de cada dia.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Iron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?Iron Maiden
O que a equipe consome quando vai a um pub?

Rock: A história dos primórdios aos anos 90Rock
A história dos primórdios aos anos 90


Sobre Cássio Leal Moraes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline