Dinossauros na Terra: sagração do culto à memória

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nino Lee
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Se vivo, o que Lester Bangs diria do atual panorama do GUNS N’ROSES e das bandas que hoje ainda resistem ao tempo?

5000 acessosChester Bennington: Slash comenta a morte do vocalista5000 acessosRolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revista

Conhecido por defender o rock em seu estado mais bruto e visceral, Lester quando quis foi honesto e impiedoso ao disparar sua ferocidade até mesmo contra seus próprios ídolos por não aceitar transformações que em sua visão os afastavam da essência que fez com que eles fossem dignos de sua reverencia.

Não sei e nunca saberei o que ele pensaria a respeito da explosão do GUNS N' ROSES em sua época dourada, talvez ele preferisse o NIRVANA, mas certamente se pudesse escolher um momento entre a fase áurea e a atual da banda de Axl, com certeza ficaria com o que representava a banda em seu estado mais brutal e selvagem, o espirito mais puro, a novidade e o frescor de algo que ali rompia barreiras, um mito transgressor e delinqüente, mesmo que logo em seguida essa transgressão acabasse envolta em toda pompa que ele tanto detestava no rock, as garras da indústria que ao seu ver matou a pureza da música que ele mais admirava, o sentido de uma obra de arte maldita mas irresistível e de impacto irreversível no cérebro das pessoas.

Hoje Axl ainda está ali vestido em seu manto de excentricidade e as pessoas que lotaram os shows da turnê na América Latina também estavam lá, mas será que estavam lá pelo que o "Guns" é hoje?

Pensando como Lester eu diria que todos que estavam diante de Axl e sua nova banda vibrando com clássicos que moldaram uma geração, ali se encontravam porque o rock está morto, de certa forma.

Antes de me crucificarem por estas palavras deixem que eu possa explicar meu pensamento, afinal em bem pouco tempo tivemos antológicas apresentações de OZZY OSBOURNE, ACDC, METALLICA, IRON MAIDEN, MOTORHEAD... o que gera certa incoerência em minha teoria, mas uma coisa é certa, todos nós estávamos lá pelo que eles passaram a representar um dia em nossas vidas e a partir dali eternamente.

Temos nestes grandes expoentes do rock algo a nos apegar com unhas e dentes e não é nada relativo ao que as bandas são nos dias de hoje em termos de criatividade, elas são o que representam por fazerem parte de todo nosso insconsciente popular, se fôssemos como Lester, na época de Lester, teriamos razões de sobra para nos dividir em inúmeras opções e críticas, sua época pariu todas as vertentes divisórias e vibrantes do rock, do beat à psicodelia, do hard ao folk rock, da chegada da música pesada à New Wave Of British Heavy Metal, a explosão do Punk Rock, da New Wave, do Progressivo, do Glam Rock e consequentemente todas as cagadas que um dia muitos destes artistas cometeram, por estarem acorrentados a uma posição no ranking de vendagens.

Mas, afinal, porque dar a cara a tapa ao concordar com a opinião de Lester de que o rock está morto?

Porque, assim como ele, concordo com o fato de que a indústria o matou, afinal que chances temos de ver a história de alguma destas bandas acontecer novamente com o impacto que tiveram, que chance há?

Para nós se tornou irrelevante apontar falhas, formas físicas caóticas, não ver as bandas em seu estado original, suportar atrasos dantescos, chiliques, hipocrisia, grana, caça níquel, ou seja lá o que for que possamos desconfiar não estar certo, isso pouco nos importa quando há a chance de vermos algo que ainda carregue algum sentido da palavra rock em si mesmo, mesmo que seja na celebração da memória.

Talvez Lester estivesse em algum porão assistindo a algo transgressor se ainda fosse vivo nos dias de hoje, mas transgressor a que?

Tudo o que há, por mais radical e indiferente que possa ser, carrega fortemente o DNA de alguém impresso em uma personalidade que acaba comparada, portanto Lester também acabaria se contradizendo se estivesse em nossos dias, não há nada novo realmente no front, nada realmente revolucionário parece estar a caminho.

Para finalizar, termino dizendo que não sou e nem chego perto de ser como Lester Bangs e sendo o que sou vou selar aqui minha nova tese e que é a realidade de milhões, o rock sempre estará vivo em nossa memória enquanto mantivermos vivo o culto em sua homenagem e enquanto tudo se pareça realmente como uma grande, imbatível e emocionante religião.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Chester BenningtonChester Bennington
Slash comenta a morte do vocalista

1800 acessosGuns N' Roses: os 30 anos de Appetite na capa da nova Kerrang!2682 acessosWagner Nascimento: Tocar como o Slash?? Muito fácil!!0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Gusn N RosesGusn N' Roses
Em vídeo de 1993, Axl Rose detona o Metallica

Axl RoseAxl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

Lars UlrichLars Ulrich
Vomitando no camarim do Guns N' Roses

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "AC/DC"0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"

Rolling StoneRolling Stone
As 500 melhores músicas segundo a revista

Câncer na línguaCâncer na língua
Outros cinco músicos que sofreram deste mal

Mr CatraMr Catra
Uma lista das suas maiores influências no rock

5000 acessosGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viu5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosReligião: Top 10 citações sobre Deus e o Diabo5000 acessosMikkey Dee: "O Motorhead acabou, claro. Lemmy Era o Motorhead."5000 acessosUltimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock5000 acessosRolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruins

Sobre Nino Lee

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online