Alien Weaponry: revelação do thrash metal neo zelandêz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha, Fonte: Esteril Tipo
Enviar Correções  

publicidade

"...Atraídos pelo thrash metal pela sua complexidade!"

Jovem banda da Nova Zelândia que desponta como revelação no cenário do Thrash Metal mundial. Com uma carreira em meados dos seus 10/12 anos de idade, os garotos eram inspirados pelos ícones locais do hard rock Devilskin. Por volta dos 12/14 anos, já abririam para outra lenda local, o lendário SHIHAD. Em 2016 venceram duas das principais competições de música do país: Smokefreerockquest e Smokefree Pacifica Beats.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em setembro de 2017, eles ganharam o prestigiado prêmio APRA Maioha pela canção 'Raupatu' - um protesto em forma de thrash metal sobre o ato de parlamento de 1863 que permitiu ao governo colonial confiscar vastas áreas de terra dos indígenas Māori. Em 16 de novembro, eles tomaram seus lugares entre a elite musical da NZ como candidatos no Vodafone New Zealand Music Awards.

O power trio surpreendeu o público em vários níveis. Suas composições são complexas, desenvolvidas e altamente políticas. Sua energia de performance ao vivo é surpreendente, tendo dois frontman de apenas 15 anos de idade comandando o público de forma tão efetiva quanto os similares veteranos. Mas talvez o mais surpreendente de tudo, seja o fato de que muitas de suas músicas estão na língua nativa da Nova Zelândia, Te Reo Māori.

De fato, o guitarrista / vocalista Lewis de Jong (15) e seu irmão, o baterista Henry (17), são descendentes de Ngati Pikiāo e Ngati Raukawa - eles se auto proclamam "Malthus furtivo". Eles participaram de uma imersão total kura kaupapa Māori (Māori escola de idiomas) até os sete anos de idade, onde waiata cantar e realizar haka eram uma rotina diária [Nota do Editor: coisas da cultura daquele país].

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Também fez parte de suas primeiras aprendizagens a história da Nova Zelândia de uma perspectiva maori - dando origem a músicas como 'Raupatu', 'Urutaa' (sobre um início de contato de idioma maori e europeu que resultou em um surto de doença e a posterior vingança - a queima do navio The Boyd e o massacre de sua tripulação); e 'Rū Ana te Whenua' (que conta a história da poderosa batalha em 'Pukehinahina / Gate Pa' em 1864, onde seus antepassados, Te Ahoaho, perdeu a vida).

A combinação de thrash metal com a história dos 'Maori' se mostrou popular entre os jovéns daquele país. Nas seis semanas que se seguiram, o vídeo de Rū Ana Te Whenua teve ¾ de um milhão de visualizações no Facebook, passou 2 semanas no topo do 'NZ Viral' do Spotify e no 2º lugar na parada de 'global metal' do iTunes (apenas atrás de 'Run to the Hills' do Iron Maiden). A música da banda foi reproduzida em estações na Nova Zelândia e em todo o mundo - da Escócia ao Brasil, bem como dos EUA, Austrália e Alemanha.

Suas primeiras performances no exterior ocorreram em Sydney e Melbourne, Austrália, em dezembro de 2017, e eles assinaram recentemente um contrato de 3 anos com a agência alemã Das Maschine, que os levará para a Europa em 2018 para um swag de festivais de verão.

"Nós ouvimos todos os tipos de música quando éramos mais jovens", diz o vocalista e guitarrista Lewis de Jong, "mas fomos atraídos pela complexidade musical do thrash metal porque essa música é muito complexa, e é um ótimo veículo para expressar nossas histórias e emoções." "Também funciona com Te Reo Māori", acrescenta Henry. "Tanto o estilo musical quanto as mensagens têm muitas semelhanças com haka, que é muitas vezes brutal, furioso e conta histórias de grande coragem ou de perdas pessoais".

Outras influências musicais iniciais incluíram Red Hot Chili Peppers, Rage Against the Machine e Metallica; e os irmãos escreveram sua primeira música juntos quando tinham apenas entre 8 e 10 anos de idade. O nome da banda foi decidido pelos irmãos com inspiração no filme District 9.

O baixista Ethan Trembath e o guitarrista Lewis se conheceram durante o curso para aperfeiçoavam de suas habilidades unicycling numa escola de Waipu, Northland, onde os irmãos de Jong se mudaram para 2012. Ele entrou para a banda porque assim poderia tocar o [instrumento] ukulele e (aos 10 anos) ele era o único entre os amigos que sabia tocar baixo.

A prestigiada revista Metal Hammer, com sede no Reino Unido, incluiu o trio em sua linha "Dez melhores faixas de metal da Nova Zelândia" em outubro de 2016, descrevendo-os como "revelação" e, em agosto de 2017, acompanhou um recurso completo na banda.

E não é apenas a comunidade de metal que está tomando conhecimento. A cultura juvenil e a instituição de moda de Londres 'iD' utilizaram uma das músicas da banda num evento em 2017. Mais recentemente, a Alien Weaponry apresentou uma história intitulada "Pode uma banda de Thrash Metal ajudar a salvar a língua maori?", Publicada no respeitado New York Politics jornal cultural, The Atlantic.

Na Nova Zelândia, eles apareceram em tudo o que havia de programas nas mídias televisivas, desde os programas de TV infantil Pukana! e Sticky TV até o painel de comédia política da noite.

"Esses caras podem ser maiores do que Lorde em termos de arte musical para exportação!"
 
Referências: Alien Weaponry, YouTube




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


System Of A Down: Daron Malakian ensina como ser músicoSystem Of A Down
Daron Malakian ensina como ser músico

Bruce: Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!Bruce
"Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline