Matérias Mais Lidas

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemCinco álbuns que serão lançados no segundo semestre de 2022 e merecem a sua atenção

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemDepeche Mode divulga a causa oficial da morte de Andy Fletcher


Stamp

Dave Grohl: "Eu era próximo de Kurt Cobain como sou de Taylor Hawkins? Não!"

Por Igor Miranda
Em 03/02/21

Os dois grandes trabalhos da carreira de Dave Grohl são com o Nirvana, como baterista, e Foo Fighters, como vocalista e guitarrista, assumindo a liderança do projeto. O músico, hoje, consegue enxergar diferenças profundas entre ambas as bandas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista à revista The Big Issue, Grohl apontou uma das grandes diferenças do Nirvana em comparação ao Foo Fighters. Segundo ele, a banda capitaneada por Kurt Cobain tinha uma "disfunção" que os Foos não possuem.

Inicialmente, o frontman do Foo Fighters disse que sua parceria com Kurt e o baixista Krist Novoselic era "um casamento feito nos céus". Porém, segundo ele, rolavam alguns momentos estranhos às vezes.

"Claro que amávamos uns aos outros, éramos amigos, mas, sabe, havia uma disfunção no Nirvana que uma banda como o Foo Fighters não tem. É importante observar que desde quando me juntei ao Nirvana até o fim da banda, foram 4 anos. Não foi um período tão longo. Eu era próximo de Kurt como sou de Taylor Hawkins (baterista do Foo Fighters)? Não", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, Dave Grohl relembrou que ficou mais próximo de Krist Novoselic após a morte de Kurt Cobain, em 1994. Todavia, como os dois ainda eram jovens, era difícil se comunicar de fato sem os instrumentos.

"Quando vejo Krist agora, eu o abraço como se fosse da minha família, mas na época em que éramos jovens, o mundo era tão estranho. Só que esse sentimento disfuncional do Nirvana era aliviado quando pegávamos os instrumentos. Se a música não funcionasse, não teríamos ficado juntos", disse.

Na visão de Grohl, é possível que algumas pessoas só se comuniquem com as outras de forma musical. Às vezes, segundo ele, é um tipo de comunicação "ainda maior e mais profunda".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Há pessoas com quem me sinto um pouco desconfortável de conversar, mas assim que pegamos os instrumentos, é como se elas fossem o amor da minha vida", afirmou.

Por fim, o músico comentou que quando o Nirvana chegou ao fim, ele pensou em nunca mais tocar novamente. "Isso durou por um tempo, mas acho que o amor pela música que eu tinha quando eu era criança cobriu tudo isso e eu percebi que a música iria me tirar da depressão. [...] A música sempre foi a coisa que mais amei na vida. Após o Nirvana, eu precisei disso para me manter vivo. Por isso eu nunca parei", concluiu.

"Medicine at Midnight", o novo álbum do Foo Fighters, será lançado nesta sexta-feira (5).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.