Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemPrika Amaral diz que fica feliz com o sucesso alcançado banda Crypta

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemDavid Ellefson diz que você conhece seus amigos quando a m*rda bate no ventilador

imagemA opinião de Marcelo Barbosa sobre cancelamento de Metallica e Pantera por racismo

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemGuitarrista do Skid Row diz que não fala com Sebastian Bach e não pensa em fazer pazes

imagemArtigo na Far Out Magazine aponta James Hetfield como pior letrista da história do metal

imagemFloor Jansen diz que achou que não fosse conseguir cantar nova música do Avantasia

imagemResenha - Max e Iggor Cavalera (Audio, São Paulo, 07/08/2022)

imagemAnthrax cancela mais um show que seria realizado no Texas


Dream Theater 2022

Rush: eles são três; descubra por que parecem mais

Por Alexandre BSide
Fonte: Minuto HM
Em 27/08/12

publicidade

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Resolvi escrever esse artigo tentando mostrar em detalhes um pouco do trabalho da banda Rush, pois sempre que qualquer pessoa começa a conhecer o conjunto, há um comentário que parece recorrente, na verdade normalmente isso é quase uma indagação por esses que estão se familiarizando com o mundo do power-trio canadense: são três mesmo? Parecem muito mais...

E a coisa começa a encontrar contornos mais reais quando se percebe que eles conseguem reproduzir ao vivo sem o uso de músicos convidados praticamente tudo que gravam em estúdio.

A explicação tem dois combinados fatores até óbvios de elucidação: a categoria dos músicos em questão aliado ao uso da tecnologia à disposição do meio musical. O que não é nada óbvio é a maneira com que esses autênticos "nerds musicais" fazem a coisa acontecer, e para isso trago aqui talvez o melhor exemplo do que é o objetivo desse post : Xanadu, música do álbum A Farewell to Kings, de 1977 é pra mim onde eles parecem pelo menos uns dez....

A versão acima, encontrada no álbum e home-vídeo ao vivo Exit...Stage Left é a prova inconteste das multi-funções que Neil Peart (bateria), Alex Lifeson (guitarra) e Geddy Lee (baixo e vocal) acabam por desempenhar em suas canções, e pra isso vai uma análise separada de cada um da banda abaixo.

Considero Neil Peart o melhor músico que já se sentou em uma bateria, isso por que além de grande instrumentista percussivo, Neil é o principal letrista da banda. Abro um parênteses aqui para convidar todos que se interessam pela parte lírica das bandas a conhecerem um pouco da poesia de suas letras, podendo citar canções como The Trees, Spirit of the Radio e Freewill como pontapé inicial, todas muito acima de um texto trivial. Voltando para Xanadu, a letra é baseada num poema de Samuel Taylor Coleridge (que entre outros textos, escreveu um que inspirou a letra de uma música bem conhecida: trata-se de Rime of the Ancient Mariner, do Iron Maiden). Xanadu é uma terra esplendorosa que fez parte do império asiático dominado por Kubla Khan , tirano que construiu seu reinado no século 13, sendo visitado inclusive por Marco Pólo. Mas trazendo a parte estritamente musical, o que se vê no vídeo acima é Neil transformando-se em um autêntico polvo tocando além de uma bateria monstruosa, vários elementos percussivos, como Xilofone, Carrilhões, Sinos Tubulares, Cow-bells, Triângulos e Blocos Sonoros. Para quem quiser conhecer mais do que são esses diversos artefatos, eu posso indicar entre outros sites, dois no Brasil: aqui e aqui.

O momento mais sublime de Peart na música, isso já considerando que todo o instrumental percursivo é de extrema complexidade, está em aproximadamente em 05:49 minutos, onde Neil após um malabarismo jogando a baqueta pro alto, faz uma virada de bateria invertida, ou seja, tocando os tons tons em sequência da direita para a esquerda, algo que um baterista destro tem maior dificuldade de executar de forma perfeita. Podemos então considerar, no mínimo, que Neil Peart é responsável por dois instrumentos na música: bateria e percussão. Durante seu anos no Rush, Peart foi transformando sua bateria até o ponto de hoje em dia ter duas que se revezam numa plataforma giratória. Os elementos percursivos foram pouco a pouco substituídos por simulações eletrônicas, mas confesso que gosto mais de ver Neil tocando os instrumentos originais que usava na década de 70.


Alex Lifeson sempre foi por muitos considerado a peça "normal" nesse mundo canadense de virtuosismo. Isso por que o trabalho dos outros dois salta aos olhos de imediato. O trabalho de Lifeson certamente é tão valoroso quantos dos demais, mas muitas das vezes é preciso observá-lo em detalhes. O guitarrista fez durante toda sua carreira na banda vários solos memoráveis, como o belo momento de A Passage to Bangkok ou a velocidade demonstrada no solo de Freewill. Muitas vezes ele faz a coisa funcionar harmonicamente enquanto a "cozinha" resolve improvisar. Lifeson fez também ótimo uso do violão durante seus anos no Rush, como na linda introdução clássica de The Trees ou no uso de um violão de 12 cordas em Closer to the heart. Em Xanadu, Lifeson usa uma doubleneck, guitarra eternizada por Jimmy Page nos seus anos de Led Zeppelin. O instrumento na verdade é uma espécie de 2 em 1, pois o guitarrista pode revezar o uso da guitarra tradicional (o braço mais abaixo) com a dinâmica e sonoridade de uma outra de 12 cordas, utilizando o braço superior do instrumento. É exatamente o que Lifeson faz aqui, além do uso de um foot pedal, para sons de teclado durante a execução da canção. O instrumento em questão faz sons de teclado através de seu acionamento através dos pés do músico, conforme pode ser visto nesse vídeo demonstrativo abaixo dos vários modelos disponíveis no mercado.


Podemos então considerar que Lifeson se reveza entre três instrumentos na música, os dois braços do instrumento principal e o foot pedal. Talvez o momento mais bonito de Lifeson em Xanadu seja justamente o início, onde de forma brilhante o guitarrista faz uso do volume de seu instrumento principal através de um pedal de volume de sua pedaleira, protoganizando o viajante início da canção. Isso pode ser visto em detalhe por volta de 01:40 minutos.

Bem, se a coisa até agora já não era nada trivial, chegou o momento dela descambar de vez, pois vou trazer o uso de nada menos que cinco instrumentos por Geddy Lee. Posso considerar Geddy talvez o mais completo músico que tenho conhecimento considerando por si só o seu desempenho habitual, pois ele já se divide entre os teclados, baixo e voz, em várias vezes tudo ao mesmo tempo, uma vez que também se utiliza do foot-pedal acima demonstrado. É até desnecessário, mas vou citar algums momentos de extremo brilhantismo daquele que considero seu instrumento principal, o baixo: os solos em Driven e Red Barchetta (onde ele também usa ao mesmo tempo o foot-pedal) e as linhas de baixo no meio de Freewill e durante toda a canção YYZ. Em Xanadu, no entanto, encontro o maior momento de brilhantismo desse excepcional músico, pois além dos 4 instrumentos acima trazidos (vocal, baixo, foot-pedal e teclados), Geedy através de um raríssimo instrumento doubleneck feito pela Rickembacker, além do baixo também toca guitarra, no braço inferior do mesmo. O uso dessa guitarra pode ser percebido no trecho final da música, a partir do décimo primeiro minuto. Dali em diante, Geedy troca o baixo pela guitarra, mas acrescido de teclados, como se isso não fosse o bastante.

Entre os 5 instrumentos utilizados, vou trazer um impressionante uso do footpedal por Lee no vídeo abaixo, da mesma Xanadu, mas em 2004, durante a tournê de 30 anos da banda. Ele simplemesmente faz um pequeno solo com o pé, que não pode ser apreciado no vídeo de 1981. Nada menos do que fantástico, como se pode ver a partir de 2:09 minutos e mais claramente em 2:20 minutos. O vídeo em questão traz uma versão reduzida da música,sem o trecho final, o que justifica o fato de Geddy não trazer seu instrumento 2 em 1, ele usa um baixo Fender na versão.

Juntemos as diversas multifunções dos canadenses e chegamos ao número incrível de 10 músicos numa única canção, mas tudo está acima explicado, pelo menos essa foi a minha intenção, espero ter com essas linhas ter conseguido trazer a informação de forma minimamente próxima da clareza.

O que não se explica é como esses três extraterrestres nasceram no mesmo país e num espaço de tempo menor do que 1 ano do mais novo (Lifeson) para o mais velho (Peart).

Se alguém souber, por favor comente no post do blog Minuto HM para explicar... certamente, ele será bem mais longo do que este...

Saudações e Parabéns ao Canadá !

Alexandre Bside
Matéria original: Minuto HM

http://minutohm.com/2012/07/22/rush-xanadu-eles-sao-tres-descubra-por-que-parecem-mais/

Comente: Um quarto integrante faria diferença no Rush ou seria totalmente dispensável?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A canção do Rush que tira sarro de balada clássica do Kiss

Eddie Munson faz metaleiros virarem novos crushes da geração TikTok, diz site

Neil Peart sobre perfeccionismo: "Você é apenas tão bom quanto seu último show"

Regis Tadeu: Apresentando o rock as novas gerações

Rush: Geddy Lee conta como o Kiss influenciou música do "Caress of Steel"

Charlie Benante diz que duas lendas da bateria no Rock inventaram o "Air Drumming"

Alex Lifeson sobre "Freewill": "Uma das mais ambiciosas músicas do Rush"

Rush: Geddy Lee comenta as dificuldades da gravação de "Hemispheres"

Geddy Lee e a playlist que ele criou com músicas que o inspiram a tocar baixo

Mike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

Geddy Lee comenta "A Farewell to Kings", terceiro álbum progressivo do Rush

Integrantes do Queen e do Rush participarão de tributo a Taylor Hawkins

Alex Lifeson, guitarrista do Rush, lista cinco de seus álbuns preferidos

Rush: A eclética lista de 22 músicas que inspiraram Geddy Lee como baixista

Rush: Geddy Lee lista e comenta quatro dos baixistas que mais o influenciaram

Guitarras: As mais icônicas do Rock - Parte 1

Rush: o discurso mais criativo e engraçado da música

Rush: Geddy Lee mostra foto de seu primeiro baixo

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Fotos de Infância: Red Hot Chili Peppers