Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Crobot: excelente hard com toques de southern rock e muito groove

Resenha - Motherbrain - Crobot

Por Ricardo Seelig
Em 15/11/19

publicidade

Fundada em 2011 na Pensilvânia, o Crobot é uma das bandas mais interessantes da atual cena pesada norte-americana. O quarteto já chamou a atenção com o seu disco de estreia, "Legend of the Spaceborne Killer" (2011), e seguiu atraindo os holofotes com "Something Supernatural" (2014) e "Welcome to Fat City" (2016). Após três anos de silêncio o grupo retorna com "Motherbrain", que acaba de ser lançado no Brasil pela Hellion Records.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O som do Crobot pode ser definido como um hard pesadíssimo, com alguma influência de grunge aqui e ali, sempre adornado por uma aura de southern rock e por bases que não escondem o groove. Percebe-se ecos de nomes como Alice in Chains (ouça "Drown") ao mesmo tempo em que a banda às vezes soa como uma espécie de Lynyrd Skynyrd super turbinado ("Burn" vai nessa linha). O destaque vai para a dupla formada pelo vocalista Brandon Yeagley (que também toca harmônica) e para o guitarrista Chris Bishop. Enquanto o primeiro possui um timbre que agrada sem esforço e entrega interpretações viscerais, o segundo vem com riffs muito bem feitos e que sustentam a densa parede sonora do grupo. Completam o time o baixista Eddie Collins e o baterista Dan Ryan.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

As onze músicas de "Motherbrain" preservam uma das principais qualidades do Crobot, que é a capacidade de "viciar" o ouvinte com composições fortes e sempre cativantes, que equilibram como poucos uma dose enorme de peso com melodias e linhas vocais que facilitam a assimilação. Isso faz com que o disco desça como uma cerveja bem gelada, sem esforço. A produção, com timbres espessos, graves e gordurosos, é outro ponto que chama a atenção de maneira positiva. Entre as músicas destaque para "Burn", "Drown", "Low Life" e "Gasoline".

Parabéns pela Hellion por lançar a banda aqui no Brasil – este é o primeiro disco dos caras a ganhar edição nacional -, equilibrando o seu catálogo com nomes clássicos mas sem perder o foco em artistas que estão levando o legado do hard e do metal em frente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compre!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.