Paradise Lost: em 2002, a tentativa de reconciliação

Resenha - Symbol Of Life - Paradise Lost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

No ano de 1995, o Paradise Lost lançou aquele que é seu maior trabalho, "Draconian Times". Apesar de ser aclamado, o disco fez com que alguns fãs mais radicais da banda virassem as costas para o Paradise, por conta do som mais acessível. Os lançamentos posteriores, "One Second" (1997), "Host" (1999) e "Believe In Nothing" (2001), igualmente inovadores, só deixaram seguidores mais antigos e banda mais longe um do outro. Por outro lado, a mistura de heavy metal com batidas eletrônicas e pitadas de bandas góticas oitentistas fez com que a popularidade do Paradise aumentasse entre outro tipo de público.

Paradise Lost: guitarrista confirma que a banda está trabalhando em novo discoSeparados no nascimento: Steven Tyler e Márcia Goldsmich

Com o lançamento de "Symbol Of Life", em 2002, as coisas ficaram um pouco mais tranquilas, e os fãs mais antigos sentiram no disco uma espécie de "volta para casa". Porém, as influências modernas continuavam presentes, e de forma alguma o Paradise permaneceu parado no tempo.

Desde "Isolate", a grudenta, marcante e pesada faixa de abertura, é notável o talento que o Paradise tem em juntar melodia com peso, além da facilidade extrema em unir elementos do passado e do presente. De fato, uma grande maneira de se abrir o trabalho, e de fixar na cabeça do ouvinte, já que é quase automático repetir a faixa por vezes seguidas.

Outro grande sucesso do disco vem na sequência, a primorosa "Erased". Os vocais femininos caíram como uma luva, vale ressaltar.

"Two Worlds" é um dos momentos mais pesados do álbum, e sintetiza muito bem a mistura entre o peso e as influências modernas que o Paradise adotou. Com o perdão do trocadilho, é uma bela mostra dos dois mundos que a banda conhece como poucas.

Uma das músicas mais apoteóticas do disco, "No Celebration", ironicamente, é um dos temas para ser celebrados no disco. Grande música, que poderia figurar facilmente em "Draconian Times", como uma irmã mais nova de "Forever Failure".

A faixa título, "Mistify", "Pray Nightfall", "Channel For The Pain" (que tem passagens próximas do punk rock), "Self Obsessed" e "Perfect Mask merecem destaque, e seguem a linha moderna e competente do disco.

A grande "Smalltown Boy", originalmente escrita pelo Bronski Beat, mostra o tamanho da influência que o synthpop tinha no som do Paradise Lost. Um dos covers mais legais e inusitados já gravados por uma banda de metal, além de ser um dos pontos altos do disco, já seria suficiente para fazer valer o investimento.

O Paradise está longe de ser uma banda acomodada, e 'Symbol Of Life" mostra muito bem isso. Um disco pesado, moderno, mas acima de tudo, honesto, uma vez que a banda misturou todas as suas influências, e não tentou apenas "jogar para a torcida" para conseguir recuperar o respeito dos fãs antigos.

Um grande trabalho, que figura entre os mais respeitáveis e representativos de toda carreira do grupo inglês.

Ano de lançamento: 2002

Faixas:

"Isolate"
"Erased"
"Two Worlds"
"Pray Nightfall"
"Primal"
"Perfect Mask"
"Mystify"
"No Celebration"
"Self-Obsessed"
"Symbol of Life"
"Channel for the Pain"

Formação:

Nick Holmes - vocal
Gregor Mackintosh - guitarra
Aaron Aedy - guitarra
Steve Edmondson - baixo
Lee Morris - bateria


Outras resenhas de Symbol Of Life - Paradise Lost

Resenha - Symbol Of Life - Paradise LostParadise Lost: Um disco que reconquistou a confiança dos fãsResenha - Symbol of Life - Paradise Lost




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Paradise Lost"


Paradise Lost: guitarrista confirma que a banda está trabalhando em novo discoParadise Lost
Guitarrista confirma que a banda está trabalhando em novo disco

Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresaBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa

Capas: mais feias e ridículas feitas por artistas dos quadrinhosCapas
Mais feias e ridículas feitas por artistas dos quadrinhos


Separados no nascimento: Steven Tyler e Márcia GoldsmichSeparados no nascimento
Steven Tyler e Márcia Goldsmich

Thrash Metal: 10 novas promessas - incluindo uma brasileiraThrash Metal
10 novas promessas - incluindo uma brasileira

Overkill: mandando recado ao Avenged SevenfoldOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

Metal: Mapa revela os países com mais bandas do estiloMetal
Mapa revela os países com mais bandas do estilo

Separados no nascimento: Ian Hill e Stênio GarciaSeparados no nascimento
Ian Hill e Stênio Garcia

Judas Priest: a importância do British Steel para o MetalJudas Priest
A importância do "British Steel" para o Metal

Metallica: Hulk Hogan quase entrou na banda?Metallica
Hulk Hogan quase entrou na banda?


Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adGooILQ