Roger Waters: Uma sociedade demasiadamente entretida

Resenha - Amused To Death - Roger Waters

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Fraga Jr, Fonte: Mark Blake, Press-Release
Enviar Correções  

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

"Doctor Doctor what is wrong with me"
(Roger Waters – Amused To Death)

Entre o final dos anos oitenta e o início da década de noventa, o lendário baixista e ex-líder do Pink Floyd amargava um ressentimento sem precedentes pelo fato de seus ex-colegas de banda terem resolvido voltar à ativa mesmo após o furioso, arrogante e genial músico ter avisado que a banda progressiva mais famosa e bem sucedida do mundo tinha, de fato, terminado após o lançamento do álbum Final Cut (1983) que, curiosamente, inicialmente seria lançado como um projeto solo de Waters. Os executivos da gravadora desaprovaram a ideia e mesmo tendo sido lançado como um álbum do Pink Floyd, o resultado nas vendas e críticas foi muito aquém das expectativas, situação que enfureceu ainda mais Waters. O baixista acabou culpando seus ex-companheiros pelo fiasco, valendo registrar que o tecladista Richard Wright já havia sido limado como membro da banda logo após o lançamento do álbum The Wall (1979), permanecendo como musico contratado na respectiva turnê. Durante a gravação de The Final Cut, Roger demitiu definitivamente o tecladista, o qual acabou sendo substituído pelo saudoso maestro Michael Kamen, responsável pelos arranjos orquestrais em The Wall e The Final Cut.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por volta de 1985/86, os membros remanescentes do Floyd (Gilmour e Mason) deram sinais que iriam gravar um novo álbum e Waters tentou, em vão, impedi-los de usar o nome da banda. A situação acabou ficando difícil para o baixista junto aos tribunais britânicos. Ao perceber uma derrota iminente, Waters viu-se obrigado a jogar a toalha e costurar um acordo com David Gilmour (guitarra e vocal) e Nick Mason (bateria), deixando seus ex-companheiros, novamente acompanhados por Wright (naquele momento participando apenas como musico contratado), tocando o barco sem o seu comando.

Waters seguiu em frente e lançou o irregular Radio Kaos (1987), o qual acabou sendo obscurecido pelo retorno triunfal do Pink Floyd com o novo e controverso "A Momentary Lapse of Reason" (1987). Para a infelicidade de Roger, a novidade tornou-se um sucesso absoluto de vendas, fomentado por uma gigantesca campanha publicitária que resultou numa mega turnê lotando estádios pelo mundo afora, enquanto o ex-líder do Floyd viu-se obrigado a cancelar shows por falta de público. Ironicamente, o nome da banda parecia ser mais importante que o novo conteúdo musical, assim como havia ocorrido no lançamento de The Final Cut.

Em 1990, logo após a queda do muro de Berlin, Waters patrocinou uma ousada encenação de sua famosa opera rock ao lado de ícones do rock-pop como Scorpions, Paul Carrack, Van Morrison, Bryan Adams, dentre outros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Logo em seguida, Waters lançou terceiro álbum de sua carreira solo, intitulado Amused to Death (1992), diretamente influenciado pela obra Amusing Ourselves to Death: Public Discourse in the Age of Show Business, lançada em 1985 pelo educador Neil Postman. O livro em questão trata do impacto midiático sobre o comportamento humano, aliado a questões relacionadas com o excesso de informações, baixa qualidade e credibilidade das mesmas, dando enfoque no poder da TV entorpecer e alienar as pessoas, fazendo um paralelo com a célebre obra de George Orwell (1984) e o Admirável Mundo Novo (Aldoux Huxley). Após terminar a leitura, Waters teve o vislumbre de um futuro sombrio aonde um visitante alienígena chegaria ao nosso planeta defrontando-se com esqueletos sentados diante dos aparelhos de TV. Após muitas análises, os antropólogos alienígenas chegariam à inevitável conclusão que nossa espécie moribunda teria se divertido até a morte.

"And when they found our shadows grouped round the tv sets
they ran down every lead, they repeated every test
they checked out all the data on their list and then the alien anthropologist admitted they were still perplexed
but on eliminating every other reason for our sad demise
they logged the only explanation left
this species has amused itself to death"

Do livro anteriormente referido surgiu o título do álbum, cuja capa original mostrava um gorila contemplando um aparelho de TV exibindo a imagem de um olho tomando toda a tela (o grande irmão que tudo vê). Coincidência ou não, se tem a nítida impressão que havia outra mensagem subliminar naquela imagem. O espectador estaria assistido o clipe de uma das musicas de maior sucesso do primeiro álbum do Pink Floyd após a saída de Waters (On The Turning Away)?

É importante levar em consideração que, naquele momento (1992), a internet engatinhava. Nos início dos anos noventa ainda não havia mídia capaz de competir com o poder de influência da TV sobre a sociedade. Partindo de tal premissa, Waters criou uma obra onde explorou de forma magistral o conceito das informações massificadas, destilando fel, ironia e sátira principalmente sobre questões como guerra, religião, alienação, consumismo, política e entretenimento. A verborragia de Waters emula uma metralhadora giratória que não poupa americanos, judeus ou árabes. Ninguém poderia imaginar a profunda transformação que ocorreria nos meios de comunicação com o crescimento exponencial da internet nos últimos vinte anos. Assim, a importância da obra de Waters ganhou contornos ainda mais relevantes, situação que também contribuiu para o relançamento, no final de julho de 2015, do álbum remasterizado por James Guthrie. Waters alegou que queria dar um maior destaque a guitarra de Jeff Beck e melhorar a mixagem original que já era primorosa, mas ele deve ter percebido que o momento atual se tornou propício para retomar suas considerações sobre a potencialização do poder de alienação/influência das mídias sobre a sociedade. As mensagens de Waters e Neil Postman conseguem ser ainda mais impactantes no contexto atual com a força da internet e das redes sociais, dando a impressão que, pelo rumo que as coisas andam tomando, não parece ser muito difícil imaginar que a sombria previsão narrada nas estrofes finais da música que fecha o álbum possa se tornar realidade num futuro não muito distante.

"…no tears to cry, no feelings left
the species has amused itself to death."

O àlbum foi lançado em vários formatos (cd, dvd e blu-ray), sendo os dois últimos com as opções de audio estéreo e audio 5.1, dando uma nova dimensão à obra de Waters, ressaltando nuances sonoras não percebidas no formato convencional.

Nunca antes na história a humanidade divertiu-se tanto.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Jason Newsted: revelando porque ele deixou o MetallicaJason Newsted
Revelando porque ele deixou o Metallica

Cinema: o melhor e o pior dos rockstars em filmesCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes


Sobre Roberto Fraga Jr

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline