Matérias Mais Lidas

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemJoão Gordo relembra proposta de fazer propaganda de calmante com Dado Dolabella

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRegis Tadeu expõe como Spotify e YouTube fazem falcatrua para fraudar views

imagemJoão Guilherme, filho do Faustão, critica atual falta de interesse dos jovens pelo rock

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemMichael Sweet posta nude cristão para satirizar foto de Tommy Lee com a baqueta de fora

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemVídeo de clássico do Kiss é disponibilizado no canal oficial da banda

imagemPrika diz que fez "tudo errado" na primeira turnê da Nervosa, mas aprendeu lição


Dream Theater 2022

Pop Javali: Excelente em todos os aspectos

Resenha - Resilient - Pop Javali

Por Victor Freire
Fonte: Rock'N'Prosa
Em 30/05/17

Nota: 9

Após o lançamento do álbum Live in Amsterdam (2016), que capturou a performance do Pop Javali em um dos shows em sua turnê europeia, o ano de 2017 marca o lançamento do seu mais novo trabalho de estúdio, Resilient (2017). O álbum, lançado pela Voice Music, é o terceiro álbum da banda formada por Marcelo Frizzo (baixo e vocal), Loks Rasmussen (bateria) e Jaeder Menossi (guitarra).

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O instrumental A New Beginning abre o álbum, que dá logo lugar à cativante e pesada Hollow Man. Gostei muito da composição, os intrumentos estão todos muito bem coesos. O peso da guitarra, acompanhado do pedal duplo na bateria e da saturação no baixo unem velocidade e contrastam com um refrão mais lento. Drying the Memories possui introdução no baixo adicionada de um excelente riff na guitarra, no melhor estilo heavy metal anos 80. Além disso, a música varia bastante as melodias — característica que aparece muito no Resilient (2017).

Algo que chama muito a atenção são os timbres escolhidos para os instrumentos, principalmente a guitarra. É possível sentir o peso e mesmo assim entender tudo o que está sendo tocado.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O Pop Javali, além do peso, explora também o lado mais clássico do rock em composições como Reasonable, Turn Around e Shooting Star. Tudo funcionou muito bem no álbum, as músicas mais lentas são contrastadas com músicas mais pesadas e velozes como We Had it Coming, além das já citadas no início do álbum. Um lado mais técnico é mostrado em Broken Leg Horse, lembrando um pouco o Judas Priest. Novamente, variações no andamento da música podem ser percebidas, com a inclusão de um excelente solo sob uma base veloz e pesada.

O Resilient (2017), na verdade, é o primeiro trabalho de estúdio que escuto do Pop Javali — o primeiro foi o Live in Amsterdam (2016). O que chamou a atenção na sonoridade é como a banda funciona bem executando músicas pesadas e melódicas. E já que fiz esse comentário, Undone é a composição que une muito bem esses dois elementos — ela balanceia peso e passagens melódicas. Essa música mostrou, de fato, que o Pop Javali não é qualquer coisa. O álbum é encerrado com a pesada Resilient, arrisco a dizer que possui uma linha quase "thrash", abrindo espaço até para um vocal mais agressivo de Marcelo; e com a calma Renew our Hopes.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Na física, a resiliência descreve a capacidade de um material retomar ao seu formato original após ser submetido a uma deformação; já na psicologia, descreve um indivíduo capaz de suportar mudanças. Puxando o assunto para o álbum, temos músicas pesadas, leves, clássicas, melódicas, etc. Tudo em unidade, remetendo a um único formato, um álbum. Não achei o conceito forçado, traduziu bem o sentimento que ficou após concluir a audição do Resilient (2017).

O trabalho gráfico do álbum está à altura das músicas. A arte da capa é assinada por João Duarte e a gravação ocorreu no Busic Studio, em São Paulo/SP.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

O Pop Javali pratica um heavy metal, mas também explora a vertente mais clássica do rock, algo como o Uriah Heep. As músicas conseguem se comunicar muito bem entre si — na unidade do álbum. As variações melódicas são evidentes nas composições, e isso é algo que levo bastante em consideração quando escuto um trabalho.

#Tracklist:
1.A New Beginning
2.Hollow Man
3.Drying the Memories
4.Reasonable
5.We had it Coming
6.Shooting Star
7.Turn Around
8.Broken Leg Horse
9.Undone
10.Show you the Money
11.Resilient
12.Renew our Hopes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars


Sobre Victor Freire

Professor universitário e mestre em Engenharia Mecânica pela UFRN. Nascido no deserto de Mossoró/RN. É fã e colecionador de itens relacionados ao rock'n'roll. Editor-chefe do blog Rock'N'Prosa e guitarrista do Godhound. Acessa o Whiplash! desde a infância e colabora com o site sempre que possível.

Mais matérias de Victor Freire.