Metallica: O auto-resgate em um disco feito sob medida para fãs

Resenha - Hardwired ... To Self-Destruct - Metallica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Com 35 anos de carreira, o Metallica chega em 2016 apenas ao seu décimo álbum de estúdio. Um número que parece pequeno, mas que toma outra dimensão ao mensurarmos a importância e o impacto da obra de James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammett e Robert Trujillo (sucessor de Cliff Burton e Jason Newsted) para a história do heavy metal.

Metallica: os cinco solos que mudaram a vida de Kirk HammettJason Newsted: revelando porque ele deixou o Metallica

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Hardwired ... To Self-Destruct" foi produzido por Greg Fidelman junto com Hetfield e Ulrich. Detalhe curioso: Fidelman foi o engenheiro de som de "Death Magnetic" (2008), último álbum do quarteto, produzido por Rick Rubin e cuja mixagem foi bastante criticada desde então - no novo disco, essa reclamação não deve ocorrer. São doze faixas dispostas em dois CDs, totalizando pouco mais de 77 minutos em um álbum duplo que põe fim a oito anos sem material inédito - com exceção das sobras mostradas no EP "Beyond Magnetic" (2011) e de "Lords of Summer", nova canção disponibilizada em 2014.

O Metallica, que sempre foi uma banda inovadora, inquieta e nunca teve medo de experimentar novos caminhos e sonoridades, soa diferente em "Hardwired ... To Self-Destruct". O grupo está mais fiel às suas próprias tradições e aos seus próprios clichês no novo disco, o que acaba resultando em uma audição sem sustos para o ouvinte. Parece que a sede por experimentalismo foi saciada na parceria com Lou Reed em "Lulu" (2011), com a banda não sentindo a obrigação de reinventar a roda mais uma vez. Quem acompanha a carreira do grupo perceberá com facilidade, ao longo das faixas, elementos vindos da própria mitologia que a banda construiu, saídos principalmente de discos como "Kill 'Em All" (1983), "Black Album" (1991) e da dobradinha "Load" (1996) e "Reload" (1997).

Outro ponto digno de nota é a retomada da influência da New Wave of British Heavy Metal, fundamental lá no início do thrash metal, quando foi unida à energia do punk e à inspiração de ícones como Motörhead para criar um novo gênero. Em "Hardwired ... To Self-Destruct", a herança do clássico metal inglês, que sempre foi uma grande inspiração para o Metallica desde sempre, retorna com força e é sentida em inspiradas melodias e duetos de guitarras presentes em várias faixas, ajudando a tornar o som ainda mais atraente.

Em suma, o que temos em "Hardwired ... To Self-Destruct" é o Metallica brincando e explorando o seu próprio legado, transformando a inspiração em sua própria história em um disco feito sob medida para quem estava, há anos, à espera do "velho e verdadeiro" Metallica. Tem metal, tem thrash, tem riffs e tem refrãos agradáveis e que incitam a bateção de cabeças. São canções descomplicadas e despretensiosas, despidas da grandeza, do clima épico e da arrogância que acompanhou a banda em uma parcela considerável de sua história. É tudo mais simples e próximo do ouvinte, como se o Metallica, ao buscar inspiração em sua própria trajetória, se voltasse para o seu público pela primeira vez em décadas.

Há certos momentos, certas horas, em que a única coisa que você quer é ouvir um bom disco. Que você quer apenas sentir prazer em ouvir música, deixando de lado análises acrobáticas e pseudo-intelectuais. Para a geração da qual eu faço parte, que hoje está com quarenta e tantos anos e acompanha o Metallica desde o início, é legal perceber esse retorno às origens proposto pelo grupo, o que torna a identificação com as canções quase que imediata. Enquanto o primeiro disco é mais direto e com mais pancadaria, o segundo traz uma quantidade maior de canções com passagens mais contemplativas, como dois lados distintos de uma mesma personalidade. É claro que nem todas funcionam, mas a quantidade de acertos é bastante alta, o que justifica os comentários entusiasmados - e apressados - de quem está considerando o novo disco o melhor do grupo deste o auto-intitulado álbum lançado em 1991 e que transformou o Metallica em mega banda.

Concluindo, "Hardwired ... To Self-Destruct" é o auto-resgate do Metallica. É a banda percebendo a força de sua história, o tamanho de sua importância e bebendo em sua própria fonte de ideias, clichês e fórmulas. E isso é feito de uma forma tão autêntica, sem buscar pretensas (e muitas vezes pretensiosas) inovações, que faz o resultado ser algo verdadeiro, como a banda não soava há anos. "Hardwired ... To Self-Destruct" não vai mudar o curso do heavy metal (como a própria banda fez algumas vezes ao longo de sua carreira, diga-se de passagem), não é o melhor disco do Metallica e nem vai ser presença constante nas listas de melhores do ano, mas é um álbum que traz o grupo trilhando novamente um caminho já desbravado ao longo dos anos e aprovado pelos fãs.

Em um mundo cada vez mais complicado, é bom ter algo familiar para servir de apoio.

Fonte:
http://www.collectorsroom.com.br/2016/11/review-metallica-hardwired-to-self.html -




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Metallica"


Metallica: os cinco solos que mudaram a vida de Kirk HammettMetallica
Os cinco solos que mudaram a vida de Kirk Hammett

Metallica: filmagem profissional de "The Four Horsemen" em show na ÁustriaMetallica: Creeping Death ao vivo na Áustria

Metallica: quando Kirk Hammett ouviu o Wah Wah pela primeira vezMetallica
Quando Kirk Hammett ouviu o Wah Wah pela primeira vez

Michael Jackson: filha faltou à formatura para ir assistir o MetallicaMichael Jackson
Filha faltou à formatura para ir assistir o Metallica

Metallica: vídeo oficial de "One" ao vivo na RomêniaEm 18/11/1997: Metallica lançava o álbum Reload

Em 18/11/1962: nascia Kirk HammettEm 18/11/1962
Nascia Kirk Hammett

Metallica: em vídeo, como a banda sabotou a carreira do Jason NewstedMetallica
Em vídeo, como a banda sabotou a carreira do Jason Newsted

Metallica: filmagem profissional de "Harvester Of Sorrow" ao vivo em Moscou

Metallica: Kirk Hammett escorrega e leva tombo graças ao wah wah; assistaMetallica
Kirk Hammett escorrega e leva tombo graças ao wah wah; assista

Metallica: mudando rotina de trabalho para priorizar saúde física e mentalMetallica
Mudando rotina de trabalho para priorizar saúde física e mental


Jason Newsted: revelando porque ele deixou o MetallicaJason Newsted
Revelando porque ele deixou o Metallica

Mötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à bandaMötley Crüe
A ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336