Machine Head: Um "Master Of Puppets" da nova era

Resenha - Blackening - Machine Head

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Noé de Souza
Enviar Correções  

10

Se existe um disco que definiu a década do século 21, com certeza foi o The Blackening. Vamos aos fatos: o Machine Head vivia numa fase bem decadente da sua carrreira, quando lançou o Supercharger (2001). Era pra ser o começo do fim. Porém, Robb Flynn e seus companheiros resolveram relembrar seus tempos em que tocavam com grupos, como Sepultura, Biohazard e Pantera e compuseram Through The Ashes of Empire (2004).

Machine Head: drumcam de "A Thousand Lies" ao vivo em Oakland (vídeo)

Iron Maiden: a música "Wasting Love" é um Plágio?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com esse disco, a banda que, além do Robb, contavam com Adam Duce (baixo/vocal), Dave McClain (bateria) e Phil Dammel (guitarra), estavam mais confiantes e inspirados. É aí que a coisa ficou mais séria para o Machine Head. Inspirados por tudo o que acontecia na época, como a estúpida guerra no Iraque e da morte trágica de Dimebag Darrell, foram para o estúdio e conceberam The Blackening.

Com a produção de Robb Flynn e a mixagem de Colin Richardson, o disco possui oito faixas de tirar o fôlego. A começar pela faixa Clenching The Fists Of Dissent, com uma introdução acústica belíssima, para a partir daí a pancadaria comer solta. Bealtiful Morning possui riffs animalescos e um refrão melódico. Aesthetics Of Hate é um protesto contra o jornalista William Grim, que fez um artigo criminoso contra o Dimebag. Essa faixa bem que poderia ser dedicada ao Arnaldo Jabor e William Waack.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em se tratando de groove e melodia, Now I Lay Thee Down não fica atrás, com direito a duelos de solos e as quebradas de bateria. Slanderous tem riffs que os levam à estratosfera. Já a Halo tem elementos progressivos de cair o queixo. Vale destacar a técnica absurda dos integrantes, especialmente os guitarristas Robb Flynn e Phil Dammel, relembrando seus tempos do Vio-Lence.

Wolves bem que poderia ser tocada pelo Metallica, pois a rifferama é impressionante. E pra fechar com chave de Metal, A Farewell To Arms cospe ódio contra o governo Bush. Um épico em forma de música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Considero The Blackening um Master Of Puppets da nova era. Até James Hetfield disse em uma entrevista que adorou o disco. Durante a turnê das duas bandas, James foi até o camarim do Machine Head e fez uma jam com os integrantes tocando Aesthetics Of Hate (com Hetfield na bateria).

Isso sim é o que podemos classificar como um trabalho Clássico. E o Machine Head continua crescendo mais ainda no cenário metálico.

Formação:

Robb Flynn – vocal/guitarra
Phil Dammel – guitarra
Adam Duce – baixo/vocal
Dave McClain – bateria

Tracklist:

1. Clenching The Fists Of Dissent
2. Beautiful Mourning
3. Aesthetics Of Hate
4. Now I Lay Thee Down
5. Slanderous
6. Halo
7. Wolves
8. A Farewell To Arms

Confiram os vídeos abaixo.

Aesthetics Of Hate:

Halo:

Now I Lay Thee Down:


Outras resenhas de Blackening - Machine Head

Machine Head: em 2007, a perfeita junção entre peso e melodia

Machine Head: peso e melodias inspiradas

Machine Head: um álbum que nasceu clássico

Machine Head: "The Blackening" nasceu clássico?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Machine Head: drumcam de "A Thousand Lies" ao vivo em Oakland (vídeo)

Machine Head: banda divulga show com Burn My Eyes na íntegraMachine Head
Banda divulga show com "Burn My Eyes" na íntegra

Machine Head: lançado lyric video oficial de BulletproofMachine Head
Lançado lyric video oficial de "Bulletproof"

Machine Head: Robb Flynn afirma que Burn My Eyes mudou sua vidaMachine Head
Robb Flynn afirma que Burn My Eyes mudou sua vida

Metal Hammer: os 10 melhores álbuns de 1994Metal Hammer
Os 10 melhores álbuns de 1994

Machine Head: Robb Flynn homenageia o falecido baterista Tony CostanzaMachine Head
Robb Flynn homenageia o falecido baterista Tony Costanza

Machine Head: morre aos 52 anos Tony Costanza, primeiro baterista da bandaMachine Head
Morre aos 52 anos Tony Costanza, primeiro baterista da banda

Machine Head: banda cancela tour pela Europa e adia demais datas de turnêMachine Head
Banda cancela tour pela Europa e adia demais datas de turnê

Machine Head: Robb Flynn não se preocupa em lançar um disco novo a cada 3 anosMachine Head
Robb Flynn não se preocupa em lançar um disco novo a cada 3 anos

Linkin Park: Robb Flynn posta cover de In The End para relembrar Chester BenningtonLinkin Park
Robb Flynn posta cover de "In The End" para relembrar Chester Bennington


Phil Anselmo: resposta às críticas de Robb Flynn e Scott Ian por racismoPhil Anselmo
Resposta às críticas de Robb Flynn e Scott Ian por racismo

Machine Head: a tarefa inglória de abrir pro SlayerMachine Head
A tarefa inglória de abrir pro Slayer


Iron Maiden: a música Wasting Love é um Plágio?Iron Maiden
A música "Wasting Love" é um Plágio?

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium


Sobre Rodrigo Noé de Souza

Nasci em 1984. Esse ano não é só o início de uma nova democracia, mas também é o ano em que vários discos foram lançados, como Powerslave (IRON MAIDEN), Stay Hungry (TWISTED SISTER), W.A.S.P., Don't Break The Oath (Mercyful Fate), Slide It In (WHITESNAKE), 1984 (VAN HALEN), The Last In Line (DIO) e, o meu favorito de todos, Ride the Lightning (METALLICA). Sou um aficcionado por Metal, desde AC/DC e ZZ Top, até Anaal Nathrakh e Krisiun.

Mais matérias de Rodrigo Noé de Souza no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280