Machine Head: um álbum que nasceu clássico

Resenha - Blackening - Machine Head

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ronaldo Costa
Enviar Correções  

10


Não é todo dia que você pode ouvir um álbum recém-lançado e dizer que ele já nasceu clássico. Geralmente, só o tempo e o correr dos anos têm o poder de transformar um disco em algo digno de ser classificado como tal. Bem, o Machine Head conseguiu lançar um trabalho onde não se tem a menor dificuldade ou pudor em dizer: "este álbum nasceu clássico".

publicidade

Quando o Machine Head soltou o álbum "Supercharger" em 2001, poucas pessoas apostariam num futuro promissor para a banda a partir daquele ponto, mesmo com todos os bons álbuns que o antecederam. O ótimo "Through the Ashes of Empire", de 2003, veio para mostrar que o grupo ainda não respirava com a ajuda de aparelhos. Todavia, é provável que nem o mais otimista dos fãs imaginasse que o disco seguinte da banda seria uma obra-prima. É sem medo de parecer exagerado que afirmo que "The Blackening", novo petardo da banda, não é apenas o melhor disco de sua carreira, ele é também um dos melhores trabalhos lançados dentro do heavy metal em anos. Se alguém chegar em 2010 e fizer um apanhado sobre os melhores discos lançados na década, este é um que deverá ser presença obrigatória na suposta lista.

publicidade

O início sombrio com "Clenching the Fists of Dissent" já dá a idéia do misto de brutalidade, agressividade, ‘feeling’ e melodia que se fará presente em todas as oito faixas do álbum. "Beautiful Mourning" é outra que mescla fúria com melodias bem elaboradas. A terceira, "Aesthetics of Hate", traz o entrosamento perfeito entre letra e riffs raivosos, terminando com um verdadeiro pesadelo sonoro em seu desfecho. Mas se as três primeiras músicas já valem o preço do disco, ele ainda fica melhor na seqüência, como pode-se observar em "Now I Lay Thee Down", canção onde o Machine Head lança mão de toda a sua musicalidade e criatividade. A verdadeira surra que atende pelo nome de "Slanderous" e a fantástica "Halo" não ficam atrás. Entretanto, os dois pontos mais altos desse trabalho são guardados para o seu final. "Wolves" é uma combinação da mais pura técnica com uma pegada que impressiona, além de uma rifferama que beira a perfeição, enquanto que a inspiradíssima "A Farewell to Arms" é uma obra-prima digna de encerrar um disco que merece essa mesma classificação.

publicidade

Todos os integrantes entregam os melhores trabalhos individuais de suas carreiras, inclusive Robert Flynn, com suas melhores execuções vocais até hoje. Além disso, o guitarrista Phil Demmel acrescentou demais no som da banda.

Se existe alguma justiça nesse mundo, "The Blackening" consistirá num daqueles álbuns que serão citados como influência por dezenas de bandas que estão surgindo ou que ainda irão aparecer. Lembra do ‘clássico’ lá no começo da resenha? Acredito que você nem precisará ouvir o disco tantas vezes assim até me dar razão. Um trabalho realmente indispensável. Palmas para Robert Flynn e seus companheiros.

publicidade

Tracklist:
01. Clenching the Fists of Dissent
02. Beautiful Mourning
03. Aesthetics of Hate
04. Now I Lay Thee Down
05. Slanderous
06. Halo
07. Wolves
08. A Farewell to Arms


Outras resenhas de Blackening - Machine Head

Machine Head: em 2007, a perfeita junção entre peso e melodia

Machine Head: Um "Master Of Puppets" da nova era

Machine Head: peso e melodias inspiradas

Machine Head: "The Blackening" nasceu clássico?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Eddie Van Halen: Robb Flynn, do Machine Head, toca Eruption em homenagem ao guitarristaEddie Van Halen
Robb Flynn, do Machine Head, toca Eruption em homenagem ao guitarrista

Machine Head: drumcam de "A Thousand Lies" ao vivo em Oakland (vídeo)

Machine Head: banda divulga show com Burn My Eyes na íntegraMachine Head
Banda divulga show com "Burn My Eyes" na íntegra

Machine Head: lançado lyric video oficial de BulletproofMachine Head
Lançado lyric video oficial de "Bulletproof"

Machine Head: Robb Flynn afirma que Burn My Eyes mudou sua vidaMachine Head
Robb Flynn afirma que Burn My Eyes mudou sua vida

Metal Hammer: os 10 melhores álbuns de 1994Metal Hammer
Os 10 melhores álbuns de 1994

Machine Head: Robb Flynn homenageia o falecido baterista Tony CostanzaMachine Head
Robb Flynn homenageia o falecido baterista Tony Costanza

Machine Head: morre aos 52 anos Tony Costanza, primeiro baterista da bandaMachine Head
Morre aos 52 anos Tony Costanza, primeiro baterista da banda

Machine Head: banda cancela tour pela Europa e adia demais datas de turnêMachine Head
Banda cancela tour pela Europa e adia demais datas de turnê

Machine Head: Robb Flynn não se preocupa em lançar um disco novo a cada 3 anosMachine Head
Robb Flynn não se preocupa em lançar um disco novo a cada 3 anos


Nightwish: Floor Jansen começou a curtir metal com Pantera e Machine HeadNightwish
Floor Jansen começou a curtir metal com Pantera e Machine Head

Machine Head: os álbuns da banda, do pior para o melhorMachine Head
Os álbuns da banda, do pior para o melhor


Pra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metalPra convencer
Dez álbuns de metal para quem não gosta de metal

Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine


Sobre Ronaldo Costa

Nascido na capital paulista em meados dos anos 70, teve a sorte de, ainda bem jovem, descobrir por meio de um primo o debut do Iron Maiden. Quando ouviu "Prowler" pela primeira vez, logo entendeu que aquilo passaria a fazer parte de sua vida. Gosta sobretudo dos clássicos, como Maiden, Judas, Sabbath, Purple, Zeppelin, Metallica, AC/DC, Slayer, mas ouve desde um hard bem leve até um bom death metal. Além da paixão pelo metal e pelo rock em geral, também adora cinema e um bom futebol.

Mais matérias de Ronaldo Costa no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin