Dark Slumber: Um convite a todas criaturas da noite

Resenha - Dead Inside - Dark Slumber

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar Correções  

8

Sei que este já é um termo batido, usado tantas e tantas vezes (inclusive por mim), mas é gratificante quando ouvimos algo do qual não criamos muitas expectativas, e o resultado final é sensacional. Com toda a sinceridade não conhecia o trabalho da Dark Slumber até ouvir este "Dead Inside", e não tenho qualquer receio em dizer que este disco foi uma das melhores surpresas que tive nos últimos tempos.

Kiko Loureiro: ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD solo

O Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Dead Inside", o quarteto carioca nos presenteia com um Dark Metal mais voltado para o Black/Doom Metal, o que já é facilmente perceptível na capa do disco, onde o clima de angústia e melancolia dá uma amostra do que encontraremos em sua sonoridade.

A introdução "Reverberating Emptiness", com seu inicio com sons de raios e chuva (vai começar Black Sabbath?) e conduzida ao piano, não prepara o ouvinte para "Sorrowful Winter Breeze", que mescla sonoridades mais Dark com outros riffs mais clássicos de Metal, além de possuir um belo refrão, uma música que traz uma aura meio My Dying Bride em sua execução. Após temos "Vomiting Upon the Cross" (título simpático, não acham?), que apesar do tradicional nome Death/Black Metal, não possui muitas similaridades com os estilos citados, sendo mais voltado para um Paradise Lost antigo, no período "Gothic" deles. Talvez a música que soe mais crua aqui é "Dying Inside", pois até mesmo a gravação dessa faixa em especial parece ter saído de um disco do início dos anos 90, uma música mais veloz e pesada que as anteriores.

"Dark Slumber", apesar de manter em sua essência a sonoridade Doom/Black Metal, possui em sua metade alguns riffs a lá Megadeth, mostrando que o Thrash/Heavy Metal são igualmente bem-vindos as suas influências. "Lucifer" mantém o ritmo infernal do disco (desculpe o trocadilho, impossível evitar) e "All the Lights Fade Away" encerra o álbum da melhor maneira possível, pois é uma música totalmente Doom Metal, arrastada e melódica na medida certa, para mim a melhor música do Dark Slumber.

Indico "Dead Inside" a todos os admiradores de um som mais soturno, daqueles para se escutar na calada da noite sempre com um olho aberto, pois nunca se sabe o que tal melancolia, angústia e peso podem atrair. Um banquete para as criaturas das trevas, e estão todos convidados...

Formação:
Guilherme Corvo - Vocal/guitarra
Sandro Leite - Guitarras
Hayder Fonseca - Baixo
Jorge Zamluti - Bateria

7 Faixas – 31:47

Tracklist:
1. Reverberating Emptiness
2. Sorrowful Winter Breeze
3. Vomiting Upon the Cross
4. Dying Inside
5. Dark Slumber
6. Lucifer
7. All the Lights Fade Away


Outras resenhas de Dead Inside - Dark Slumber

Resenha - Dead Inside - Dark Slumber




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Kiko Loureiro: ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD soloKiko Loureiro
Ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD solo

O Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídicaO Clube dos 27
17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor