AC/DC: Rock Or Bust é poderoso e traz referências de outras fases

Resenha - Rock Or Bust - AC/DC

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda, Fonte: IgorMiranda.com.br
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Rock Or Bust" é um dos discos mais aguardados do ano. Não só por carregar o peso da marca AC/DC, mas também pelo histórico que antecedeu o trabalho. Neste ano, o mundo soube de algo que já circulava como rumor pelos fã-clubes da banda: o guitarrista Malcolm Young estava sofrendo com problemas mentais e perdas de memória. Ele se aposentou para tratar do problema. Pouco tempo depois, outra baixa: o baterista Phil Rudd, que chegou a gravar o álbum, pode estar fora do grupo após se envolver em problemas com a lei. Chegou a ser preso e, agora, é julgado por supostamente ter contratado um assassino de aluguel para matar dois homens. "Dirty Deeds Done Dirt Cheap", icônica canção dos australianos, nunca fez tanto sentido.
5000 acessosAC/DC: 7 bandas e cantores que tentam a fórmula da banda5000 acessosJason Newsted: "Eu salvei o Metallica quando entrei e quando saí"

Mesmo com todos os problemas, o AC/DC soa firme em "Rock Or Bust". Por um lado, não se deve esperar muitas mudanças na sonoridade da banda, que é conhecida justamente por alterar pouco o estilo de seus trabalhos. Por outro, ouvidos mais atentos podem perceber algumas nuances diferentes no novo álbum.

O antecessor "Black Ice" (2008) parece compilar o melhor feito pelo AC/DC em discos como "Back In Black" (1980) e "The Razors Edge" (1990). Por sua vez, "Rock Or Bust" aposta em estilos de riffs, bases e cozinhas presentes nos primeiros trabalhos da banda, aliados a uma produção e ao estilo de cantar por parte de Brian Johnson que remete aos álbuns lançados na segunda década de 1980. Talvez apenas guitarristas entendam, mas "Rock Or Bust" tem poucos riffs de acordes cheios, tradicionais nos plays do grupo na década de 1980: deram lugar a passagens que utilizam notas, cordas isoladas.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

A mudança de afinação dos instrumentos de corda também trouxe uma oxigenação às melodias. As guitarras e o baixo estão um tom abaixo do padrão. Os riffs e as bases soam diferentes. A alteração também surtiu efeito na voz de Brian Johnson, que, aparentemente, se sentiu mais confortável para soltar o costumeiro vozeirão - xiitas devem me contestar, mas prefiro ele a Bon Scott, vocalista falecido em 1980 que Johnson teve a responsabilidade de substituir.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

O saldo final de "Rock Or Bust" é satisfatório. Não consigo traçar muitas comparações subjetivas com o antecessor "Black Ice": gosto dos dois justamente por serem, ao mesmo tempo, parecidos e levemente diferentes. O trabalho mais atual tem, creio, a vantagem de ser mais curto. Por outro lado, faltou um clássico instantâneo do tamanho de "Rock N' Roll Train". Apesar de creditado nas composições do novo álbum, creio que Malcolm Young pouco tenha colaborado - e não dá para negar que faz falta.

Com a nova afinação, as linhas vocais ficaram mais afiadas e os riffs ganharam poder. Stevie Young não compromete em momento algum. A cozinha é "padrão AC/DC" ao longo de todo o trabalho e Angus Young, mesmo um pouco menos inspirado (provavelmente por carregar mais funções agora), ainda consegue mostrar porque é um dinossauro do rock. Dá para identificar sua palhetada de longe, até no inferno - ou na estrada para tal lugar. "Rock Or Bust" é uniforme, potente e maravilhoso. Não há faixa ruim aqui. Faz, ainda, completa justiça à discografia do grupo e pode acabar sendo a despedida deste.

Leia o faixa-a-faixa completo no link:
http://www.igormiranda.com.br/2014/11/nenhuma-turbulencia-at...

Resenha | AC/DC: "Rock Or Bust"
Lançado em 28 de novembro de 2014

Brian Johnson (vocal)
Angus Young (guitarra solo, backing vocals em 5)
Stevie Young (guitarra base, backing vocals)
Cliff Williams (baixo, backing vocals)
Phil Rudd (bateria)

1. Rock or Bust
2. Play Ball
3. Rock the Blues Away
4. Miss Adventure
5. Dogs of War
6. Got Some Rock & Roll Thunder
7. Hard Times
8. Baptism by Fire
9. Rock the House
10. Sweet Candy
11. Emission Control

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Rock Or Bust - AC/DC

4065 acessosAC/DC: Em meio aos destroços, banda lança bom disco4932 acessosAC/DC: O mesmo de sempre, graças a Deus1835 acessosAC/DC: Mais do mesmo, mas e daí?2396 acessosAC/DC: Longe dos tempos áureos mas ainda muito eficiente

AC/DCAC/DC
7 bandas e cantores que tentam a fórmula da banda

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "AC/DC"

AC/DCAC/DC
Axl diz que namorada obrigava Slash a ouvir a banda

TraduçãoTradução
O clássico Highway To Hell, do AC/DC

Chris SladeChris Slade
Por que ele deixou o AC/DC?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de novembro de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "AC/DC"

Jason NewstedJason Newsted
"Eu salvei o Metallica quando entrei e quando saí"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Por que o príncipe das trevas odeia o sol?

Time MagazineTime Magazine
Os 100 maiores álbuns de todos os tempos

5000 acessosDoentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos5000 acessosGuns N' Roses: contrato de Slash está pior que nos anos noventa?5000 acessosFotos de Infância: Pantera5000 acessosBeatles: montagem mostra como 2016 foi um ano duro para a música5000 acessosAC/DC: Zakk Wylde fala sobre o que acha da parceria com Axl5000 acessosRolling Stone: revista elege sete hinos para sete décadas de rock

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online