RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA influente banda que acabou causando a "separação" do Guns N' Roses

imagemFatboy Slim confessa ter se arrependido de conhecer David Bowie pessoalmente

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemO megahit dos Beatles inspirado em desenho de amiguinha do filho de John Lennon

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemOzzy Osbourne é contemplado com dois Grammy na edição de 2023 do evento

imagemAs 5 bandas confirmadas no Summer Breeze Brasil que não tocarão em outras cidades

imagemO hit da Legião Urbana que Renato Russo considerava "pretensioso e babaca"

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemAs polêmicas escolhas do Nirvana para o "MTV Unplugged in New York"

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemNovo álbum do Angra será o melhor da era Fabio Lione, segundo Felipe Andreoli

imagemLendário empresário do Kiss se manifesta sobre acusações de playback de Paul Stanley

imagemBeatles: O processo de gravação do "Let It Be", segundo o produtor George Martin

imagemIan Anderson se arrepende de ter recusado pedido de Frank Zappa no leito de morte


Def Leppard Motley Crue 2

Arandu Arakuaa: Para o desespero dos puristas

Resenha - Kó Yby Oré - Arandu Arakuaa

Por Vicente Reckziegel
Postado em 02 de novembro de 2013

Nota: 9

Hoje em dia, com a profusão de redes sociais e fóruns de discussão, as frases que surgem com maior frequência nestes lugares são: "Faz tempo que não aparece nada de novo no Rock/Metal, tudo é cópia das bandas antigas, por isso que prefiro as mesmas" e "Odeio essas bandas que incorporam novidades em sua sonoridade, tentando ser diferentes, o legal é as bandas antigas, que nunca tentaram inventar e por isso são clássicas". Uma incrível contradição, não concordam?

Começo esta resenha dessa forma, pois a banda em questão é daquelas que ousaram incorporar novos estilos, uma nova concepção em sua música. Deixaram de lado a mesmice e, com isso, trilharam um caminho perigoso, onde poucos sobrevivem (ou sobreviveram) no sempre sisudo mundo do Metal.

E a melhor critica que pode ser feita do Arandu Arakuaa em seu debut "Kó Yby Oré" é que simplesmente não pode ser feita comparação com nenhuma outra banda em nosso país ou lá fora. Não há como dizer que a música deles se pareça com a banda A ou B. O Arandu é Thrash, é Death, é Heavy e é Rock. É tudo isso e ao mesmo tempo algo completamente diferente. Foge do lugar-comum, como poucos conseguem.

O Arandu é a mistura do peso da cozinha de Saulo Lucena (Baixo) e Adriano Ferreira (Bateria), da bela voz de Nájila Cristina, mas é principalmente concepção da mente do "faz-tudo" Zândhio Aquino (Guitarra, vocal, teclado e mais uma série de instrumentos tribais), que assina como compositor das músicas em "Kó Yby Oré".

Cantando em Tupi-Guarani, e utilizando muito de uma sonoridade que nos remete aos indígenas, tudo isso é feito com conhecimento de causa, e não por simples moda, como muitas bandas fizeram, principalmente na década de 90. É a vivencia da banda que faz com que essas inserções soem naturais, e não deslocadas. E, justamente por isso, o som do Arandu Arakuaa é de difícil assimilação em uma primeira audição, mas que, com o passar do tempo se torna uma grande e prazerosa viagem musical.

Difícil citar destaques individuais, mas eu diria que a soturna "Tupinambá", a bela "A-KaiT-atá" e Gûyrá, que virou um ótimo vídeo que mostra a junção do Metal com a música indígena, merecem uma atenção especial. "Kó Yby Oré" é um disco imprescindível, mesmo que apareçam pessoas que irão utilizar as manjadas frases do inicio da resenha.

Tracklist:

01. T-atá îasy-pe
02. Aruanãs
03. Kunhãmuku’i
04. A-kaî T-atá
05. O-îeruré
06. Tykyra
07. Tupinambá
08. îakaré ‘y-pe
09. Auê!
10. A-î-Kuab R-asy
11. Kaapora
12. Gûyrá
13. Moxy Pee Supé Anhangá


Outras resenhas de Kó Yby Oré - Arandu Arakuaa

Resenha - Kó Yby Oré - Arandu Arakuaa

Resenha - Kó Yby Oré - Arandu Arakuaa

Resenha - Kó Yby Oré - Arandu Arakuaa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.
Mais matérias de Vicente Reckziegel.