Arandu Arakuaa: Para o desespero dos puristas

Resenha - Kó Yby Oré - Arandu Arakuaa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar Correções  

9


Hoje em dia, com a profusão de redes sociais e fóruns de discussão, as frases que surgem com maior frequência nestes lugares são: "Faz tempo que não aparece nada de novo no Rock/Metal, tudo é cópia das bandas antigas, por isso que prefiro as mesmas" e "Odeio essas bandas que incorporam novidades em sua sonoridade, tentando ser diferentes, o legal é as bandas antigas, que nunca tentaram inventar e por isso são clássicas". Uma incrível contradição, não concordam?

Arandu Arakuaa: banda de metal indígena lança novo videoclipeMetal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Começo esta resenha dessa forma, pois a banda em questão é daquelas que ousaram incorporar novos estilos, uma nova concepção em sua música. Deixaram de lado a mesmice e, com isso, trilharam um caminho perigoso, onde poucos sobrevivem (ou sobreviveram) no sempre sisudo mundo do Metal.

E a melhor critica que pode ser feita do Arandu Arakuaa em seu debut "Kó Yby Oré" é que simplesmente não pode ser feita comparação com nenhuma outra banda em nosso país ou lá fora. Não há como dizer que a música deles se pareça com a banda A ou B. O Arandu é Thrash, é Death, é Heavy e é Rock. É tudo isso e ao mesmo tempo algo completamente diferente. Foge do lugar-comum, como poucos conseguem.

O Arandu é a mistura do peso da cozinha de Saulo Lucena (Baixo) e Adriano Ferreira (Bateria), da bela voz de Nájila Cristina, mas é principalmente concepção da mente do "faz-tudo" Zândhio Aquino (Guitarra, vocal, teclado e mais uma série de instrumentos tribais), que assina como compositor das músicas em "Kó Yby Oré".

Cantando em Tupi-Guarani, e utilizando muito de uma sonoridade que nos remete aos indígenas, tudo isso é feito com conhecimento de causa, e não por simples moda, como muitas bandas fizeram, principalmente na década de 90. É a vivencia da banda que faz com que essas inserções soem naturais, e não deslocadas. E, justamente por isso, o som do Arandu Arakuaa é de difícil assimilação em uma primeira audição, mas que, com o passar do tempo se torna uma grande e prazerosa viagem musical.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Difícil citar destaques individuais, mas eu diria que a soturna "Tupinambá", a bela "A-KaiT-atá" e Gûyrá, que virou um ótimo vídeo que mostra a junção do Metal com a música indígena, merecem uma atenção especial. "Kó Yby Oré" é um disco imprescindível, mesmo que apareçam pessoas que irão utilizar as manjadas frases do inicio da resenha.

Tracklist:

01. T-atá îasy-pe
02. Aruanãs
03. Kunhãmuku’i
04. A-kaî T-atá
05. O-îeruré
06. Tykyra
07. Tupinambá
08. îakaré ‘y-pe
09. Auê!
10. A-î-Kuab R-asy
11. Kaapora
12. Gûyrá
13. Moxy Pee Supé Anhangá




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Arandu Arakuaa: banda de metal indígena lança novo videoclipe

Metal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempoMetal
101 motivos para perceber que você ouve há muito tempo

Rolling Stone: Os 500 melhores álbuns da história em lista da revistaRolling Stone
Os 500 melhores álbuns da história em lista da revista


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280