Carniça: para colocar os gaúchos como grandes do Thrash/Death

Resenha - Nations of Few - Carniça

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio Neto
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A Carniça é uma banda veterana, foi formada na cidade de Novo Hamburgo-RS no ano de 1991. No mesmo ano lançou uma demo autointitulada, seguida de mais quatro nos anos seguintes e finalmente, de forma independente, solta no ano de 1999 seu aguardado debut intitulado "Rotten Flesh", que teve uma ótima aceitação no underground, rendendo à banda muito espaço na mídia (revistas e zines) e shows em várias partes do país.

Journey: o famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"Luís Mariutti para Nando Moura: "Estádio não se lota com views ou likes"

Seguem na ativa até 2004, quando devido a uma série de fatores eles encerram as atividades da banda. Acontece que após um hiato de quatro anos eles retornam revigorados e em 2011 sai o "Temple's Fall... Time to Reborn" que rendeu até uma tour na Argentina e no final de 2012 sai este "Nations of Few" em parceria com a Voice Music, que veio para consolidar de vez a carreira do grupo como um nome forte na cena Thrash/Death brasileira.

Seu som é um Thrash Metal, com flertes que vão do Death e mostra um som mais direto e cru, sem muitas concessões a melodias. Este novo play traz uma Carniça ainda altamente influenciada pelo Slayer, mas cada vez definindo a sua própria identidade e com uma sonoridade mais extrema.

O repertório deste disco conta com sete faixas, que são curtidas em trinta e seis minutos que passam muito rápido. Nivelado por cima, complica para apontar uma música em destaque. Ouça todo o álbum e curta riffs matadores de guitarra, vocais agressivos e uma cozinha ultra pesada com bumbos a toda velocidade! As letras falam de um tema muito atual e que não envelhece nunca, a corrupção que apodrece a política.

Vale comentar a participação mais que especial de Claudio David, da saudosa Overdose de Minas Gerais, no solo da faixa "Prayers Before The Death", e o final do CD com o cover do W.A.S.P. "I Wanna Be Somebody" que ficou uma porrada!

A parte gráfica acompanha o alto nível de composições, com uma ilustração do Anderson Neves e o encarte conta com as letras no original em inglês e a sua tradução para o nosso português. A gravação e produção ficaram a cargo da própria banda e estão ótimas, com o som limpo, cru e pesado que o estilo pede.

Que este retorno da Carniça seja em definitivo, pois a evolução a cada trabalho é espantosa e continuando assim, é conquistar o mundo. Há pouco retornaram a Argentina e tendo uma boa divulgação, "Nations of Few" com certeza abrirá muitas portas para o grupo. Fazendo com que tenham o reconhecimento merecido.

Line Up:

Parahim Neto - Guitar
Mauriano Lustosa - Vocals/Bass
Marlo Lustosa - Drums

Faixas:

01 - The Protester
02 - Liars
03 - Nations of Few
04 - Corruption
05 - Diablo Politician
06 - Prayers Before The Death
07 - I Wanna Be Somebody (W.A.S.P. Cover)

http://www.carnicaband.com/
http://www.facebook.com/CarnicaMetal


Outras resenhas de Nations of Few - Carniça

nullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Carniça"


Journey: o famoso erro geográfico em Don't Stop Believin'Journey
O famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"

Luís Mariutti para Nando Moura: Estádio não se lota com views ou likesLuís Mariutti para Nando Moura
"Estádio não se lota com views ou likes"

Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscaraBuckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Motorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhiceInstagram: as fotos mais legais do perfil de James HetfieldSlash: tremeu na primeira vez que esteve sóbrio no palcoSteven Tyler: cantor revela que já deu em cima de Cameron Diaz

Sobre Júlio Neto

Ligado ao Heavy Metal há mais de 25 anos. Zineiro, produtor de shows underground. Colecionador voraz de CDs, vinil e livros. Fã incondicional do metal nacional, sempre apoiando as bandas e não deixando de adquirir seus materiais. Mora no sul da Bahia e apesar da distância, sempre a par do que acontece no underground.

Mais matérias de Júlio Neto no Whiplash.Net.