David Bowie: o que esperar do 24º álbum de um artista consagrado?

Resenha - Next Day - David Bowie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por David Oaski
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Que David Bowie é um monstro sagrado da música pop mundial ninguém tem dúvida, porém o que esperar do vigésimo quarto álbum de um artista totalmente consagrado e que mora há no mínimo trinta anos no panteão dos grandes nomes da história da música mundial?

David Bowie: Cinco CDs só de material dos anos 1968 e 1969Listed: TV americana elege os maiores bad boys da música

Quase totalmente excluso da grande mídia, desde que teve um infarto em 2004, Bowie tinha um futuro incerto aos olhos de público e crítica. Ele voltaria a lançar discos? Faria turnês? Se sujeitaria a todo o desgaste do show business novamente? Graças aos céus a resposta foi positiva.

David trabalhava há quase dez anos em total sigilo com o produtor Tony Visconti (que já havia trabalhado com o Camaleão em "Space Oddity" e "The Man Who Sold The World") elaborando melodias, compondo canções, testando e desenvolvendo sonoridades até lançar no começo do ano o primeiro single do que viria a ser seu novo álbum, dez anos após "Reality", de 2003, a música lançada através de videoclipe no site oficial do músico pegou a todos de surpresa, pois não havia sido noticiado em nenhum portal de notícias do mundo que Bowie estava na ativa, quanto mais gravando um novo álbum. A música era "Where Are We Now", uma balada arrastada e melancólica, que traz uma dose do que viria no disco cheio.

Lançado em Março desse ano, "The Next Day" foi muito bem recebido por fãs e crítica especializada, pois mostra que o talento intrínseco de Bowie segue presente em cada melodia ao longo das 14 canções do álbum. O camaleão é um daqueles raros artistas que sabem fazer melodias singelas virarem joias pops inesquecíveis.

Além disso, vale destaque a capa que traz um quadro branco com o nome do álbum sobre a capa de "Heroes", álbum de Bowie de 1977.

O disco possui rocks potentes e enérgicos, com melodias cheias de vitalidade e colhão pra botar muitas dessas bandas indie que se acham pesadas no chinelo, como se vê na faixa título, que possui melodia musculosa, cheia de camadas sonoras, com guitarras, teclado e cozinha se entrelaçando numa ótima canção; outros exemplos são a chapada "I'd Rather Be High" e "(You Will) Set The World On Fire", rocks diretos e extremamente competentes.

Também há muito espaço para melancolia, do auge dos seus 66 anos, Bowie confecciona pérolas contemplativas como "Love Is Lost", "You Feel So Lonely You Could Die" e "Heat", esta última poderia ter sido facilmente gravada por Trent Reznor e sua turma no Nine Inch Nails.

O pop oitentista também é celebrado com roupa de gala no funk misturado com jazz "Dirty Boys"; na acelerada "If You Can See Me", que poderia lembrar uma canção do The Killers se eles se levassem a sério; e nas dançantes e deliciosas "Dancing Out In Space" e "How Does The Grass Grow", essa última com um belo solo de guitarra.

Há também espaço para baladas românticas com a bela "Valentine's Day" e a singela "Boss Of Me", além da semi balada e uma das melhores canções que ouvi em 2013, "The Stars (Are Out Tonight)" que possui letra e melodia marcantes, que já a postulam como um clássico da carreira de Bowie.

Bowie é um verdadeiro arquiteto da música, consegue encaixar cada instrumento, cada timbre, cada som no seu devido lugar dentro da melodia e nesse álbum conseguiu mais uma vez espalhar seu brilho no decorrer de toda obra, pois cada faixa revela um pouco mais do talento desse extraordinário músico, a cada audição você encontra um elemento diferente, uma nuance, uma passagem ou um trecho que havia passado batido. É o caso de um disco para se ouvir até o fim da vida, de tempos em tempos sendo degustado.

Torcemos pra que esse não seja o último registro de Bowie em vida, mas se for, trata-se de uma senhora despedida. O camaleão do rock devia um grande disco às gerações mais novas e lhes entregou "The Next Day", cabe a nós desfrutá-lo o máximo possível.

Disponível também em:
http://rockideologia.blogspot.com.br/2013/07/resenha-next-da...


Outras resenhas de Next Day - David Bowie

nullnullnullnullnullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "David Bowie"


David Bowie: Cinco CDs só de material dos anos 1968 e 1969David Bowie: divulgada primeira imagem de ator que faz o músico em filme

Tarantino: diretor faz playlist com melhores músicas de seus filmesTarantino
Diretor faz playlist com melhores músicas de seus filmes

David Bowie: "Space Oddity" ganha novo vídeo para comemorar 50 anos

Capas de álbuns: versões Harry Potter de alguns clássicosCapas de álbuns
Versões Harry Potter de alguns clássicos

John Lennon: o maior ícone dos últimos 60 anos, segundo NMEJohn Lennon
O maior ícone dos últimos 60 anos, segundo NME

Regis Tadeu: Boa viagem de volta ao seu planeta, David BowieRegis Tadeu
Boa viagem de volta ao seu planeta, David Bowie


Listed: TV americana elege os maiores bad boys da músicaListed
TV americana elege os maiores bad boys da música

As regras do Death MetalAs regras do Death Metal
As regras do Death Metal

Fotos de Infância: Avril LavigneFotos de Infância
Avril Lavigne

Slash: uso excessivo de drogas chocou David BowieQueen: novas fotos do recluso John DeaconMetallica: como Kirk Hammett começou a tocar guitarra?Soulfly: Max relembra seu momento mais surreal ao vivo

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336