David Bowie: o que esperar do 24º álbum de um artista consagrado?

Resenha - Next Day - David Bowie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Oaski
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Que David Bowie é um monstro sagrado da música pop mundial ninguém tem dúvida, porém o que esperar do vigésimo quarto álbum de um artista totalmente consagrado e que mora há no mínimo trinta anos no panteão dos grandes nomes da história da música mundial?
2456 acessosVanilla Ice: rapper diz que "Under Pressure", do Queen, agora é dele5000 acessosSilverchair: a história por trás da capa de Freak Show

Quase totalmente excluso da grande mídia, desde que teve um infarto em 2004, Bowie tinha um futuro incerto aos olhos de público e crítica. Ele voltaria a lançar discos? Faria turnês? Se sujeitaria a todo o desgaste do show business novamente? Graças aos céus a resposta foi positiva.

David trabalhava há quase dez anos em total sigilo com o produtor Tony Visconti (que já havia trabalhado com o Camaleão em “Space Oddity” e “The Man Who Sold The World”) elaborando melodias, compondo canções, testando e desenvolvendo sonoridades até lançar no começo do ano o primeiro single do que viria a ser seu novo álbum, dez anos após “Reality”, de 2003, a música lançada através de videoclipe no site oficial do músico pegou a todos de surpresa, pois não havia sido noticiado em nenhum portal de notícias do mundo que Bowie estava na ativa, quanto mais gravando um novo álbum. A música era “Where Are We Now”, uma balada arrastada e melancólica, que traz uma dose do que viria no disco cheio.

Lançado em Março desse ano, “The Next Day” foi muito bem recebido por fãs e crítica especializada, pois mostra que o talento intrínseco de Bowie segue presente em cada melodia ao longo das 14 canções do álbum. O camaleão é um daqueles raros artistas que sabem fazer melodias singelas virarem joias pops inesquecíveis.

Além disso, vale destaque a capa que traz um quadro branco com o nome do álbum sobre a capa de “Heroes”, álbum de Bowie de 1977.

O disco possui rocks potentes e enérgicos, com melodias cheias de vitalidade e colhão pra botar muitas dessas bandas indie que se acham pesadas no chinelo, como se vê na faixa título, que possui melodia musculosa, cheia de camadas sonoras, com guitarras, teclado e cozinha se entrelaçando numa ótima canção; outros exemplos são a chapada “I’d Rather Be High” e “(You Will) Set The World On Fire”, rocks diretos e extremamente competentes.

Também há muito espaço para melancolia, do auge dos seus 66 anos, Bowie confecciona pérolas contemplativas como “Love Is Lost”, “You Feel So Lonely You Could Die” e “Heat”, esta última poderia ter sido facilmente gravada por Trent Reznor e sua turma no Nine Inch Nails.

O pop oitentista também é celebrado com roupa de gala no funk misturado com jazz “Dirty Boys”; na acelerada “If You Can See Me”, que poderia lembrar uma canção do The Killers se eles se levassem a sério; e nas dançantes e deliciosas “Dancing Out In Space” e “How Does The Grass Grow”, essa última com um belo solo de guitarra.

Há também espaço para baladas românticas com a bela “Valentine’s Day” e a singela “Boss Of Me”, além da semi balada e uma das melhores canções que ouvi em 2013, “The Stars (Are Out Tonight)” que possui letra e melodia marcantes, que já a postulam como um clássico da carreira de Bowie.

Bowie é um verdadeiro arquiteto da música, consegue encaixar cada instrumento, cada timbre, cada som no seu devido lugar dentro da melodia e nesse álbum conseguiu mais uma vez espalhar seu brilho no decorrer de toda obra, pois cada faixa revela um pouco mais do talento desse extraordinário músico, a cada audição você encontra um elemento diferente, uma nuance, uma passagem ou um trecho que havia passado batido. É o caso de um disco para se ouvir até o fim da vida, de tempos em tempos sendo degustado.

Torcemos pra que esse não seja o último registro de Bowie em vida, mas se for, trata-se de uma senhora despedida. O camaleão do rock devia um grande disco às gerações mais novas e lhes entregou “The Next Day”, cabe a nós desfrutá-lo o máximo possível.

Disponível também em:
http://rockideologia.blogspot.com.br/2013/07/resenha-next-da...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Next Day - David Bowie

1190 acessosDavid Bowie: O Camaleão está mais vivo do que nunca841 acessosDavid Bowie: acima de tudo, um conveniente recomeço2666 acessosDavid Bowie: estamos diante de um dos melhores discos do ano1430 acessosDavid Bowie: homenagem honesta aos mais de 50 anos do camaleão2476 acessosDavid Bowie: ele ainda vai incendiar o mundo1814 acessosDavid Bowie: criatividade cativante no alto dos seus 66 anos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Vanilla IceVanilla Ice
Rapper diz que "Under Pressure", do Queen, agora é dele

630 acessosDavid Bowie: Uma homenagem impecável no programa Todo Seu1955 acessosKing Crimson: Veja o vídeo do próximo EP da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "David Bowie"

David BowieDavid Bowie
Muito mais assustador do que Michael Jackson

GrammyGrammy
O que houve de melhor (e pior) relacionado ao rock/metal

SlashSlash
Guitarrista flagrou a mãe pelada com David Bowie

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "David Bowie"

SilverchairSilverchair
A triste história por trás da capa do álbum Freak Show

AerosmithAerosmith
Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

Iron MaidenIron Maiden
O pior momento de Bruce Dickinson no palco

5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosIron Maiden: o equipamento de palco da World Slavery Tour5000 acessosMarilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"5000 acessosInstrumentos: algumas das guitarras mais doidas já feitas5000 acessosRockstars: as filhas mais lindas dos astros do rock2058 acessosIron Maiden: veja Nicko McBrain tocando com Pat Travers em 1976

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online