Re-Machined: Uma goleada de acertos e poucas escorregadas

Resenha - A Tribute to Deep Purple's Machine Head - Re Machined

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não é comum ouvir um tributo como esse. Pra começo de conversa, não estamos falando de uma homenagem a uma banda, mas sim a um disco específico - "Machine Head", o sexto e mais conhecido álbum do Deep Purple, lançado originalmente em março de 1972. Em segundo lugar, a coisa toda foi organizada pela respeitada revista inglesa Classic Rock, que lançou o projeto em um fanpack acompanhado de uma longa revista com a história do disco e entrevistas com os músicos envolvidos. Isso deu um ar de credibilidade ao projeto, característica essa que não é muito comum na grande maioria dos discos tributo, que de maneira geral contam com músicos de segundo escalão relendo composições alheias. E esse é o ponto final que torna "Re-Machined: A Tribute do Deep Purple’s Machine Head" pra lá de interessante: a participação de bandas e artistas consagrados e de peso, como Metallica, Iron Maiden, Chickenfoot, Black Label Society e Joe Bonamassa, entre outros.
779 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosBin Laden: possível sucessor era músico de Death Metal

O álbum conta com 10 faixas. Estão aqui as sete do LP original, acrescidas de “When a Blind Man Cries”, lado B do single “Never Before”. Duas músicas contam com duas versões diferentes - “Smoke on the Water” e “Highway Star”. As faixas estão na ordem original do disco, com a exceção à “Smoke on the Water”, que abre o tributo na versão de Carlos Santana e do vocalista Jacoby Shaddix, do Papa Roach.

De uma maneira geral, as releituras são muito boas. A força das composições do Deep Purple é fundamental para isso - não há música ruim em "Machine Head", e o fato de qualquer pessoa que goste de rock conhecê-las por osmose a décadas faz toda a diferença -, mas algumas versões acabam se sobressaindo. Santana surpreende com uma “Smoke on the Water” muito pesada, com direito a uma segunda guitarra que brinca com a melodia de “In My Time of Dying”, clássico do blues imortalizado pelo Led Zeppelin. O Chickenfoot se diverta com uma “Highway Star” bem livre e repleta de jams, enquanto o Black Label Society vira “Pictures of Home” de cabeça para baixo, deixando-a mais pesada e lenta. “Highway Star” também brilha nas mãos do trio formado por Glenn Hughes, Steve Vai e Chad Smith, em uma versão cheia de energia.

Joe Bonamassa e Jimmy Barnes fazem jus à “Lazy” uma das melhores músicas da carreira do Purple, trocando solos faiscantes. E o Metallica, cuja competência para tomar para si composições alheias em releituras cheias de personalidade, faz da bela “When a Blind Man Cries” a melhor faixa de "Re-Machined", adicionando detalhes e mudando o arranjo original.

O momento mais controverso e discutível do tributo acontece quando o Flaming Lips despe “Smoke on the Water” de quase todos os seus elementos e transforma o maior clássico do Purple em praticamente uma nova composição, deixando-a irreconhecível. Essa postura do grupo de Wayne Coyne irá dividir opiniões: alguns irão amaldiçoar os caras por terem mexido em algo que consideram sagrado, enquanto outros vão curtir a coragem e a irreverência da banda. Fico com a segunda opção.

Entre as decepções, temos o catadão batizado como Kings of Chaos, formado por Joe Elliott (Def Leppard), Steve Stevens, o tecladista Arian Schierbaum e a dupla Duff McKagan e Matt Sorum, ex-Guns N’ Roses e atual Velvet Revolver, fazendo uma versão burocrática e sem graça de “Never Before”, que não acrescenta nada a história da canção.

Mas o momento mais decepcionante de "Re-Machined" acontece justamente com uma das versões mais aguardadas e cercadas de expectativa. O Iron Maiden gravou durante as sessões do álbum "A Matter of Life and Death" (2006) uma até então inédita versão para “Space Truckin’”. Porém, a interpretação se revela preguiçosa, sem sal e arrastada, onde o único destaque são os vocais de Bruce Dickinson em algumas passagens. Um resultado muito abaixo do esperado para uma banda do porte e da importância do Maiden, ainda mais em se tratanto da releitura de uma composição de um grupo que influenciou a sua sonoridade e do qual os músicos já se declararam fãs. Infelizmente, a “Space Truckin’” do Iron Maiden é o banho de água fria do tributo.

Mesmo assim, vale a pena conferir "Re-Machined: A Tribute to Deep Purple’s Machine Head". O saldo é pra lá de positivo, com uma goleada de acertos e poucas escorregadas. E um destes acertos é que o disco será lançado no Brasil pela ST2 durante o mês de outubro, para a alegria dos colecionadores.

Faixas:
Carlos Santana & Jacoby Shaddix - Smoke on the Water
Chickenfoot - Highway Star
Glenn Hughes & Chad Smith - Maybe I’m Leo
Black Label Society - Pictures of Home
Kings of Chaos - Never Before
The Flaming Lips - Smoke on the Water
Jimmy Barnes & Joe Bonamassa - Lazy
Iron Maiden - Space Truckin’
Metallica - When a Blind Man Cries
Glenn Hughes, Steve Vai e Chad Smith - Highway Star

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de setembro de 2012

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

779 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa465 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela427 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Bruce Dickinson detonando os Reality Shows

Lady GagaLady Gaga
"O Iron Maiden mudou a minha vida!"

Iron MaidenIron Maiden
Como a banda tirou o pé do acelerador ao longo do tempo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"0 acessosTodas as matérias sobre "Santana"

Bin LadenBin Laden
Possível sucessor era músico de Death Metal

IntrigasIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

VinilVinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

5000 acessosHall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do Metal5000 acessosPsicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia Eller5000 acessosFãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada um4542 acessosIron Maiden: Assista a introdução dos shows da nova tour5000 acessosKerry King: velho, gordo e careca? Está falando de mim, seu babaca?5000 acessosIron Maiden: Os mesmos três acordes em quarenta músicas

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online