Budgie: Pavimentando a rodovia para o Heavy Metal

Resenha - In For The Kill - Budgie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Se tem uma coisa chata é o tal papo de "banda injustiçada", recorrente ao se falar de grupos muito bons que não atingiram o topo da popularidade que mereceriam - BANG, CAPTAIN BEYOND, CACTUS etc, estariam nessa categoria. O problema é que a respeito de pelo menos uma delas, não me ocorre outro termo, a não ser injustiça: o BUDGIE.

King Diamond: O que significa ser Satanista?Marilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"

É claro que uma banda que tem covers gravadas pelo METALLICA ("Breadfan" e ""Crash Course in Brain Surgery") e VAN HALEN ("In for the Kill"), não pode ser chamada de fracassada, mas, meu amigo, essa aqui merecia muito mais...

Formado em 1968, no País de Gales, o BUDGIE pavimentou a rodovia (junto com o BLUE CHEER, CREAM, BLUE OYSTER CULT e outros) para o BLACK SABBATH implantar o heavy metal na história. Depois de três discos fantásticos (principalmente o clássico "Never turn your Back on a Friend" de 1973), o grupo lançou, no ano seguinte, "In for the kill".

Antes que se fale qualquer coisa: não, a voz de BURKE SHELLEY não parece com a de GEDDY LEE - a dele é que parece com o primeiro! (visto que o BUDGIE veio antes). Na faixa título fica bem exposta a "cara" da banda: passagens bem delineadas, cheias de mudanças e nuances ritmicas. O vocal de SHELLEY é tortuoso, quase atonal em alguns momentos, dando uma expressão totalmente única ao grupo.

"Crash Course in Brain Surgery" segue em uma linha diferente: vocais mais altos acompanhados por um riff simples tocando em uníssono pelo baixo e guitarra, mas também cheio de quebradas. Essa mesma pegada pode ser encontrada em "Hammer and Tongs" e "Living on your own" - o que me faz acreditar que o pessoal do progressivo da época passou por aqui.

Mas nem só de quebrada vive a banda: "Running From My Soul" é o encontro inspirado de ZZ TOP com o metal neolítico. A banda aqui mostra uma faceta "jam band" cheia de swing e um slide pra lá de legal.

O disco traz uma grande balada "Wondering What Everyone Knows" conduzida no violão e "Zoom Club" que apesar de bem legal é um pouco longa demais pro meu gosto (quase dez minutos). Nada que tire o brilho dessa pérola "injustiçada".

Track List:

1. "In for the Kill"
2. "Crash Course in Brain Surgery"
3. "Wondering What Everyone Knows"
4. "Zoom Club"
5. "Hammer and Tongs"
6. "Running from My Soul"
7. "Living on Your Own"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Budgie"


Power-Trios: o Hard é o gênero onde o bicho mais pegaPower-Trios
O Hard é o gênero "onde o bicho mais pega"

Loudwire: Krisiun na lista dos dez power trios mais pesados da históriaLoudwire
Krisiun na lista dos dez power trios mais pesados da história

Loudwire: 10 álbuns pesados dos 70's que não são do Black SabbathLoudwire
10 álbuns pesados dos 70's que não são do Black Sabbath


King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Marilyn Manson: perdi tudo por causa de ColumbineMarilyn Manson
"perdi tudo por causa de Columbine"

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

Deuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos elesHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollMetallica: banda faz batucada durante show - veja vídeoDream Theater: "Foi embora de vez, para sempre", diz Mangini sobre Portnoy

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.