Deformed Slut: Peso, velocidade, técnica e muita ousadia

Resenha - Stench of Carnage - Deformed Slut

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Oriundos de Curitiba, o DEFORMED SLUT começou suas atividades em 2006. Inicialmente a banda era um quarteto, mas como sempre acontece, o grupo também passou por mudanças na formação até se estabilizar. O quarteto então se transformou em dupla e decidiu, desta forma, ser um projeto de estúdio.

Galeria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N RollCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher

Em 2008 lançam um Promo-CD intitulado "Cadaveric Carcass". Com apenas 03 faixas e distribuído de forma independente pelo próprio grupo, o material tem boa receptividade por parte da mídia especializada.

Praticamente 03 anos depois a banda retorna com um novo trabalho, mas, desta vez, a situação é bem diferente. "Stench of Carnage" é um CD com oito faixas e conta com distribuição nos mercados brasileiro, americano e europeu. Uma evidência muito significativa para o grupo.

Praticam um Death Metal extremamente brutal, rápido, agressivo, com riffs potentes e voz gutural, mas o que mais chama a atenção é a constante mudança de ritmo das composições. Incrível como apenas duas pessoas podem fazer uma avalanche sonora tão poderosa e intensa.

O álbum é poderoso do início ao fim. Confira faixas como "Necrobscurity Necrophile", ótima abertura que tem início calmo e obscuro até a entrada violenta da parte instrumental; "The Monstrous Monochromatism" começa lenta, com riffs pesados e passa por variações de ritmo a todo instante; "Stench of Carnage", a faixa título e a melhor do CD, tem trechos com o baixo bem audível, contribuindo assim para dar um peso ainda maior ao som extremo que o grupo executa.

Senti apenas uma carência quanto aos solos de guitarra. Certamente iriam colaborar para tornar este trabalho mais brutal ainda. De qualquer forma, o DEFORMED SLUT consegue, com este primeiro full length, mostrar ter não somente peso e velocidade, mas também técnica e muita ousadia. Obra digna de respeito e aplauso. Absolutamente recomendada aos amantes do som extremo.

Banda: Deformed Slut
País de Origem: Brasil
Título do álbum: Stench of Carnage
Ano: 2011
Estilo: Death Metal
Gravadora: Rapture Records

Line-up:

Adriano Sekne - Vocal
Alexandre W.A. - Guitarra/Baixo/Bateria Programada

Faixas:

1. Necrobscurity Necrophile
2. Rotten Mutilated Devoured
3. The Monstrous Monochromatism
4. Disemboweled
5. Gun of Annihilation
6. Stench of Carnage
7. Cadaveric Carcass
8. Slashing Your Flesh (In Fillet)

Sites:

http://www.myspace.com/deformedslut
http://www.facebook.com/officialdeformedslut
http://www.youtube.com/user/Cadavericslut


Outras resenhas de Stench of Carnage - Deformed Slut

Deformed Slut: Metal Extremo brasileiro em altaDeformed Slut: Inacessível até o último sopro de vidaDeformed Slut: Bom trabalho Brutal Death Metal em estreiaDeformed Slut: Abrir caminho na cena do Brutal Death MetalDeformed Slut: Álbum quebra pescoços e paradigmas



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Deformed Slut"


Galeria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N RollGaleria de fotos
13 motivos para gostar de Rock N Roll

Cannibal Corpse: o pescoço gigante de George FisherCannibal Corpse
O pescoço gigante de George Fisher

Rock Cristão: as principais bandas nacionaisRock Cristão
As principais bandas nacionais

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreyBandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoMastodon: quando Brent Hinds correu pelado e cagou tudo no Ozzfest

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.